11:00Patetice diplomática

por Bruno Boghossian, na FSP

… Eduardo é o sujeito que disse apoiar uma ação armada para derrubar Nicolás Maduro na Venezuela só para repetir o discurso entoado na Casa Branca. Também já vestiu um gorro e gravou um vídeo na nevepara insinuar, assim como Trump, que o aquecimento global é uma farsa.

Apesar de considerar a relação com os EUA uma prioridade, o governo deixou o posto vazio por seis meses. O presidente esperou para tratar do assunto porque Eduardo só completou na quarta (10) os 35 anos necessários para ocupar o cargo.

Bolsonaro afirmou que a ida do filho para a embaixada deve garantir ao Brasil um tratamento diferenciado na Casa Branca. É possível, mas seria ingenuidade acreditar que os americanos abririam mão de seus interesses ou fariam concessões significativas por causa desse parentesco.

Se Eduardo ganhar a vaga, o Brasil trocará um embaixador por um marqueteiro da direita radical. Ele até entende a língua de Trump, mas ficará falando sozinho se o Partido Democrata vencer a próxima eleição.

 

 

Bolsonaro quer trocar embaixador por marqueteiro da direita radical

Escolha do filho reflete patetice diplomática do governo e vontade de bajular Trump

Eduardo Bolsonaro quer levar seu boné de Donald Trump para a embaixada brasileira em Washington. O presidente tentou vender a ideia de indicar o filho ao posto como uma jogada para estreitar os laços com os americanos. A escolha, no entanto, seria só mais uma patetice diplomática do governo.

O pai orgulhoso tentou exaltar o currículo do candidato: “Ele é amigo dos filhos do Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo”. Inglês e espanhol são requisitos óbvios. A tal vivência de mundo não vale nada para a função. Sobrou a camaradagem com a primeira-família americana.

A embaixada em Washington é o posto mais importante da diplomacia brasileira no exterior. Bolsonaro vai ter dificuldades para convencer alguém de que escolheu o nome mais preparado para a vaga. No lugar de conhecimentos profundos sobre política internacional, comércio e economia, prevaleceram a ideologia, o alinhamento automático e a vontade de bajular os americanos.

Eduardo é o sujeito que disse apoiar uma ação armada para derrubar Nicolás Maduro na Venezuela só para repetir o discurso entoado na Casa Branca. Também já vestiu um gorro e gravou um vídeo na nevepara insinuar, assim como Trump, que o aquecimento global é uma farsa.

Apesar de considerar a relação com os EUA uma prioridade, o governo deixou o posto vazio por seis meses. O presidente esperou para tratar do assunto porque Eduardo só completou na quarta (10) os 35 anos necessários para ocupar o cargo.

Bolsonaro afirmou que a ida do filho para a embaixada deve garantir ao Brasil um tratamento diferenciado na Casa Branca. É possível, mas seria ingenuidade acreditar que os americanos abririam mão de seus interesses ou fariam concessões significativas por causa desse parentesco.

Se Eduardo ganhar a vaga, o Brasil trocará um embaixador por um marqueteiro da direita radical. Ele até entende a língua de Trump, mas ficará falando sozinho se o Partido Democrata vencer a próxima eleição.

Bruno Boghossian

Jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).

2 ideias sobre “Patetice diplomática

  1. Gumercindo Saraiva

    A coisa está indo bem na área internacional . Já temos um guru , o Olavo de Carvalho. O numero 1 – o DUDA , para brincar com os filhos de Donald. Como sugestão, mandar o Carlucho, o número 2 para a a Santa Sé, dado que é o mais ” religioso dos 3 da primeira fornada de filhos, e o senador Flávio, o número 3 , para Uganda onde irá aperfeiçoar as milicias financeiras . Assim fica bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>