11:31Chamem mais exorcistas!!

Do enviado especial

Na PUC/PR a última é que pretendem aumentar o pagamento dos convênios médicos dos professores em 70%. Depois que o vice-reitor foi removido para outra função, houve crescimento da concorrência diminuição do número de alunos, parece que mais padres exorcistas devem ser convocados para enxotar o coisa ruim da gestão de lá, que apareceu com toda força no caso dos nove professores demitidos. 

11:17Nananinanão!

Os ladrões dos mensalões, petrolões e outros ões poderão repatriar o dinheiro que mandaram para fora se os processos não tiverem sido julgados. Não vão aceitar a proposta pois não confiam no governo brasileiro.

9:36Justiça nega pedido de Greca para barrar perícia em objetos da chácara dele

A Justiça implodiu o pedido de Rafael Greca que tentou impedir por ação judicial que a prefeitura de Curitiba investigue o desaparecimento de obras do acervo histórico do município quando ele, Greca, era prefeito. A Fundação Cultural de Curitiba entrou com a ação solicitando uma perícia nos objetos que estão na chácara do candidato do PMN e já apareceram em fotos para revista e na internet. Para o juiz Fernando Andreoni Vasconcelos, que negou o pedido, “há possibilidade da existência de objetos que seriam do acervo da Casa Klemtz e que estariam de posse do autor”.

8:16SANTARRÃO DO PAU OCO

grecamoradorderua

E depois, o mendigo vomitou?

—————————–

Rogério Distéfano

———————————

Dura vara, sed vara

Quando denunciado na vara do juiz Sérgio Moro, o político põe o processo sob suspeita de parcialidade, rigor excessivo, essas coisas. Quando denunciado no Supremo, o político elogia os ministros pela isenção, serenidade, equilíbrio, como fez ainda ontem a senadora Gleisi Hoffmann. Motivo: a vara de Moro é dura.

Causa própria

O governo Temer beneficia os condenados por lavagem de dinheiro na repatriação da grana mocozada no Exterior. Antes, o juiz mandava repatriar o dinheiro. Agora, o condenado entrega a senha, o dinheiro volta e a condenação morre. Bom para Eduardo Cunha e tutti quanti ladroni. Não é cumplicidade, nem lei em causa própria. É para reduzir o déficit público. Tipo legalizar o estupro para acabar com a virgindade.

Barros, o parça

O ministro Ricardo Barros, da Saúde, faz campanha no Paraná durante o horário do expediente, “liberado pelo presidente” Michel Temer. Curioso que nessa hora ele não fala demais: “Conte comigo, Chico”, para um prefeito. Em seguida promete hospital para a cidade: “Tamos juntos” – só faltou o “mano”, “brother”, “parça”.

Se o presidente libera, quem somos nós para condenar? Mas não ofende registrar que como ministro da Saúde Ricardo Barros continua eficiente deputado federal. E o melhor cabo eleitoral dele, do irmão, da mulher e da filha. Se ofender, quem está na chuva que leve guarda-chuva.

Voto inútil

Lá em baixo nas pesquisas para prefeito de São Paulo, a deputada Luíza Erundina afirma que “voto útil não é democrático”. Pode não ser democrático, mas dá prazer ver o político sacana se ferrar, mesmo sabendo que mais na frente o adversário eleito também nos ferra. É tudo questão de tempo, um e outro sempre nos ferram.

Tradução simultânea

Michel Temer telefonou para Faustão depois que este criticou ao vivo a “porra de reforma do ensino” que o presidente baixou por medida provisória. O apresentador precisou de intérprete para a conversa. É que Temer fala lusitano do século 17; Faustão, brasileiro do 21. Mas cá entre nós, o presidente ligando para o crítico é um avanço. Vou passar meu telefone.

Nem as migalhas

Cinquenta anos de satrapia e mandarinato Sarney no Maranhão, Presidente Sarney é o município brasileiro de mais baixo índice de bem estar social. A família é tão egoísta que nem o nome do patriarca na certidão dos “sarneyenses” os convenceu a fazer da cidade um monumento vivo. Não deixaram ao povo nem as migalhas que caíam da mesa. Quem nasce lá é ‘sarneyense’. Porque tem os sarneystas, os sarneyosos e os sarneyentos.

Deus nos acuda

Este mundo não tem mais jeito. Nesta semana juntaram-se os DNAs de três pessoas para gerar uma gravidez; semana passada o casal transexual teve um filho – detalhe, a gestação foi na barriga do pai, que tinha sido mulher, não na da mãe, ex-homem. O velho método Luana Piovani, da geração ‘PB’ (pau na b*c*t*, expressão imortal da deusa) entra em desf*d*.

8:02BAKUNIN

O Estado é a autoridade, a dominação e o poder organizados das classes proprietárias sobre as massas… a negação mais flagrante, mais crítica e mais completa da humanidade. Ele abala a solidariedade universal entre todos os seres humanos da Terra e associa alguns deles unicamente para a finalidade de destruir, dominar e escravizar todos os demais.

… Não há horror, crueldade, sacrilégio ou perjúrio, não há impostura, transação infame, ladroagem cínica, pilhagem descarada ou traição vergonhosa que não tenham sido ou não sejam diariamente perpetrados por representantes dos Estados, sem qualquer outro pretexto que não estas palavras elásticas, muito convenientes, mas tão terríveis: “por razões de Estado

7:32Ministro da Saúde usa agenda oficial para fazer campanha no Paraná

Da Folha de S.Paulo

O ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), fez promessas em atos de candidatos a prefeito no Paraná e participou de eventos eleitorais em dias de agenda oficial.

A resolução em vigor da Comissão de Ética Pública da Presidência proíbe aos ministros fazer promessa cujo cumprimento dependa do cargo, prejudicar o exercício de suas funções e recorrer a evento oficial para viajar com propósito eleitoral.

Em visita à cidade de Colorado (PR) no último final de semana, Barros afirmou que o presidente Michel Temer havia pedido “para não fazer campanha” durante o processo de impeachment, de modo a não “incomodar os senadores”, mas a situação mudou, segundo o ministro, na reta final das eleições.

“Mas agora [Temer] liberou a gente e eu vim correndo para falar com vocês”, disse Barros, em vídeo publicado por um candidato em rede social.

A agenda oficial do ministro na sexta (23) anunciou apenas uma visita a um hospital em Apucarana(PR).

Postagens, vídeos e fotografias publicados na internet mostram a presença dele em eventos eleitorais que não foram divulgados no site do Ministério da Saúde. Continue lendo

6:51Requionices

Do analista dos Planaltos

Mauricio, o candidato boa pinta oportunisticamente autodenominado Requião Filho, já que não se chama Roberto, faz muita pose em seus programas lendo o teleprompter.
 Atua  com um  texto de crítico do sistema eleitoral e partidário, não menciona entretanto que é o mais beneficiado dos candidatos pois tem a estrutura de seu gabinete parlamentar de deputado estadual, do gabinete do pai senador e ainda com todos os funcionários do PMDB.
 Mesmo sendo  privilegiado com  tudo isso, as melhores verbas e o domínio dos espaços na tv e no rádio, além de ser herdeiro do espólio familiar de nada menos de 8 mandatos  populares, não consegue deixar de ser apenas “o filho” -não decola nas pesquisas, nem mesmo com os apelos do velho .
Tal fracasso  suscita as mais variadas interpretações dos analistas  políticos.  Essas  vão do vínculo com a rejeição do pai pelos defeitos conhecidos de autoritarismo e truculência, passando pelo despreparo e artificialismo do candidato considerado ainda muito imaturo para uma eleição majoritária.
Culpam ainda o esgar de arrogância e certo sarcasmo a que submete os telespectadores. Há quem diga que todas as hipóteses citadas são corretas e considere a candidatura imposta um desastre anunciado, prevendo uma derrota retumbante que leve de arrasto todos os candidatos da minguada legenda peemedebista  .
Aliás, sigla que não ganha a prefeitura de Curitiba desde 1985 quando se encerrava o ciclo militar e o PMDB no auge elegia até um poste em todas as capitais.
Foram 21 os vereadores eleitos naquela ocasião contra a possibilidade de apenas um ou nenhum no pleito atual.
No último debate na RIC TV, um jornalista comentava durante as entrevistas que os dois candidatos favoritos para ir ao segundo turno ou até vencer no primeiro , Fruet e Greca, estiveram no PMDB sob o jugo de Roberto Requião e abandonaram o partido em momentos distintos por terem sido preteridos em suas candidaturas – o primeiro pelo irmão do déspota e o segundo pelo filho.
Requião sempre foi assim, prefere perder com a família a vencer com os aliados, e faz parte desse show de mistificação um discurso na linha stalinista de desqualificação dos que divergem depois de preteridos como personagens infiéis que cederam as tentações e abandonaram o credo requiônico da demagógica , vazia e apenas retórica opção pelos pobres .
O ex-governador  que admite ser um mau amigo e companheiro e um inimigo perfeito não hesita um segundo em desprezar candidatos com mais densidade e condições de competir em prol do pantagruélico apetite de poder e ambição familiar . Quem duvidar que veja o que dizem de seus ex-amigos e antigos partidários nas redes sociais. É de virar o estômago mesmo.

6:41Morre o ex-presidente de Israel e Nobel da Paz Shimon Peres

Da Folha.com

Décadas mais velho do que o próprio Estado que passou a representar, como ícone político e patrono da paz, Shimon Peres, morreu nesta terça-feira (27) –madrugada de quarta em Israel–, aos 93 anos. Ele foi premiê de Israel por três vezes nos anos 70, 80 e 90 e presidente entre 2007 e 2014.

A informação da morte de Peres, que estava no hospital há duas semanas, foi confirmada pela agência de notícias oficial do governo de Israel.

Ele deixa como rastro um longo caminho durante o qual ocupou cargos em diferentes níveis, governos e ideologias, construindo uma imagem complexa de si mesmo.

Mas, como o Estado de Israel, o presidente tem uma trajetória que vai além da imagem política.Para a memória mais imediata, principalmente na das gerações recentes, Peres se coloca entre os pacificadores e líderes carismáticos. Ele fundou um centro para a promoção da tolerância que leva seu nome e inclui, em seu currículo, um Nobel da Paz recebido em 1994 pelas negociações que levaram aos Acordos de Oslo.

Ele é apontado não apenas como prócer da coexistência entre israelenses e palestinos, sobre a qual discursa ao redor do mundo, mas também como mentor da campanha militar do Sinai, em 1956, e como idealizador da política de assentamentos que, hoje, é apontada como um dos principais entraves à paz no Oriente Médio.

Peres nasceu em Wieniawa, no território que era então considerado polonês. Hoje, a cidade chama-se Vishniev e está dentro das fronteiras de Belarus. O presidente testemunhou, pouco depois, outra alteração territorial, pois migrou com sua família aos 11 anos à Palestina do Mandato Britânico —mas o território passou a ser o Estado de Israel em 1948, após conflitos regionais.

Nos anos entre sua imigração e a formação do país que um dia governaria, tanto como premiê quanto como presidente, Peres cresceu em Tel Aviv e nos “kibutzim” (comunidades agrícolas) Geva e Alumot, onde trabalhou como fazendeiro e pastor.

Ele foi eleito, em 1943, secretário do movimento juvenil Trabalhista-Sionista. Em 1945, casou-se com sua namorada Sonya, com quem teve, ao longo da vida, três filhos.

Em 1947, Peres foi recrutado pelo líder carismático David Ben-Gurion (1886-1973) —a partir de então seu mentor político— para as fileiras da Haganah, embrião das futuras Forças de Defesa de Israel.

Aos 24 anos, nos últimos desdobramentos da guerra pela independência israelense, foi escolhido chefe da Marinha e, em seguida, diretor da delegação do Ministério da Defesa aos EUA. No país, estudou na Escola de Nova York para a Pesquisa Social e na Universidade Harvard.

Continue lendo

19:24IVAN LESSA

O passado, ao menos, fica lá no canto dele, envolto em sombras, rindo seu riso velhaco, debochando de nós, dos nossos sonhos e das nossas aspirações, da nossa quebração geral de caras. Uma profecia é uma borboleta voando adoidada pelo ar. Um fato é uma bala zunindo em nossa direção.

19:23A defesa de Gleisi

Da senadora Gleisi Hoffmann  (PT/PR) sobre a decisão do STF em aceitar denúncia apresentada pelo procurador geral da República

Embora nutra respeito pela Justiça de nosso País, é com profunda tristeza que recebo a decisão da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de acatar a denúncia formulada contra mim e meu marido pela Procuradoria Geral da República.

Em seu voto, o ministro relator Teori Zavascki concluiu dizendo que não dá para ter certeza de que os fatos ocorreram, mas que nesse momento basta uma dúvida razoável para aceitar a denúncia. Agora, pelo menos terei, no julgamento do STF, o benefício da dúvida.

Estou ciente de que o Supremo Tribunal Federal, ao analisar com profundidade o que foi apresentado nos autos, saberá julgar com serenidade, imparcialidade e isenção esse processo. Tais requisitos faltaram em outras instâncias. Por isso, vejo a decisão desta terça-feira como uma nova oportunidade de provar, sem sombra de dúvidas, a nossa inocência.

Desde o início desse lamentável episódio, quando injustamente fomos indiciados pela Polícia Federal, insistimos à exaustão que não há uma única prova concreta que aponte o recebimento de recursos ilícitos para minha campanha ao Senado, em 2010.

Como o meu advogado Rodrigo Mudrovitsch voltou a enfatizar hoje da tribuna do STF, a denúncia da PGR se baseia unicamente em questionáveis delações do doleiro Alberto Yousseff, do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do sócio do doleiro, Antonio Carlos Pieruccini. Em sua delação, essa pessoa disse que transportou a suposta propina para minha campanha, em dinheiro, de São Paulo para Curitiba, em quatro viagens. Ele afirmou ainda que entregou a quantia para o empresário Ernesto Kugler, que sempre negou o fato. Continue lendo

18:48Na Boca

Na Boca Maldita a disputa entre Fruet e Greca produz discussões como a de dois eleitores diante de uma banca de jornais:

- Curitiba é a terceira melhor capital com melhor bem-estar urbano.

- Mas o que fede…

18:26Carmem Silva, adeus

Do G1

A cantora Carmen Silva morreu aos 71 anos, nesta segunda-feira (26), em São Paulo, informou a assessoria de imprensa do Hospital Presidente. Ela teve insuficiência cardíaca por conta de uma embolia pulmonar e estava internada desde o dia 14 de setembro, disse a assessoria.

Carmen Silva ficou conhecida pelo hit “Adeus solidão” de 1969. Este foi seu primeiro e maior sucesso, mas ela também teve mais canções populares nos anos 70 e 80, como “Meu velho pai”, “Fofurinha”, “Ser sua namorada” e “Sapequinha”, “Espinho na cama”, entre outras.

Carmen Sebastiana de Jesus (seu nome de batismo) nasceu em Veríssimo (MG). Ela lançou 17 álbuns pela gravadora RCA Victor, e depois pela RGE, entre as décadas de 70 e 90, segundo o dicionário musical Cravo Albin. Continue lendo

17:34JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cínico

APP-Sindicato está certa ao reclamar que o governo vai fazer obras de recuperação de mil escolas. Para a luta por uma Educação melhor, o ideal seria deixar tudo se transformar em escombros – assim seria menos traumática e mais apoiada a decretação de greve semana sim e a outra também.