10:29JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cívico

Com a ascensão de Fernando Haddad nas pesquisas e os ataques direcionados a Jair Bolsonaro por parte de Ciro Gomes e Geraldo Alckmin, seus eleitores radicais ficaram ainda mais nervosos e, uivando e babando, partiram para a agressão destrambelhada. Parece que a maioria está com medo da possibilidade de, ao final da eleição, sentar na baioneta de verde e amarelo.

10:10Ratinho pai e os elogiados

Do analista dos Planaltos

Ontem o apresentador Ratinho entrou na campanha de Oriovisto Guimarães para o Senado. Em vídeo, ele se desmancha de elogios ao empresário do Grupo Positivo. Em 2003, também na campanha ao Senado, o elogiado por Ratinho foi Tony Garcia, aquele que, segundo o juiz Sergio Moro, explodiu o Consórcio Garibaldi e que há duas semanas “escrachou” os escândalos que envolvem o ex-governador Beto Richa, ex-amigo dele.

 

10:04A colônia de sempre

Continuamos a ser a colônia, um país não de cidadãos, mas de súditos, passivamente submetidos às ‘autoridades’ – a grande diferença, no fundo, é que antigamente a ‘autoridade’ era Lisboa. Hoje, é Brasília. (Roberto Campos)

9:55Enquanto isso, na Paraíba

Aos marqueteiros de plantão na capital da província do sul do mundo, im exemplo de como se faz peça de campanha política sem gastar quase nada, com linguagem que o povão eleitor entende, baseada na realidade dos números, com humor e sem a empulhação dos bonecos de ventríloquos que vendem as promessas de sempre . João Azevedo Lins é candidato pela primeira vez. Saiu de 2% e lidera a corrida pelo governo daquele estado.

9:32A propaganda de remédios

por Claudio Henrique de Castro

Em 2015 uma lei de Santa Catarina proibiu a propaganda de medicamentos e similares dentro do estado. Contudo, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou a lei estadual inválida, pois já existe uma lei federal que trata do assunto.

Desde 2001 toda publicidade de remédios deve conter obrigatoriamente a advertência de que, a persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

As propagandas de remédios normalmente prometem aos consumidores o emagrecimento rápido, a cura para problemas da pele, da queda dos cabelos, da impotência sexual, da azia, da má digestão, da dor de cabeça e por aí vai.

A promessa do resultado é enganosa pela razão de induzir em erro o consumidor a respeito da qualidade e das propriedades do produto.

A mera recomendação do insucesso do produto para consultar um médico não afasta o caráter duvidoso do anúncio, que promete e não cumpre o resultado esperado.

Simples explicar: consumidor compra o produto, pois acredita na cura ou no resultado, e se este não ocorre, ele gastou o seu dinheiro na ilusão, na fantasia a que foi induzido pela propaganda.

A lei catarinense estava correta em proibir toda e qualquer propaganda de remédios, mas perdeu sua validade em razão da existência da lei federal.

A permissão da propaganda de remédios e similares é que está em desacordo com o Código de Defesa do Consumidor. Esta brecha legal é resultado da força econômica e política dos grandes laboratórios e da indústria farmacêutica.

É possível ao consumidor denunciar, por meio da página da internet ou pessoalmente junto a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, uma propaganda na qual foi induzido à erro ou enganado.

Desde 2016 há um projeto tramitando na Câmara Federal que proíbe a propaganda de remédios no Brasil.

A lei que permite a propaganda de remédios é a mesma que autoriza a propaganda de bebidas alcoólicas no Brasil. Daí a dificuldade em alterá-la ou revogá-la, pois são indústrias poderosas que usam de toda força para a permanência das regras atuais.

Nos países altamente civilizados não é permitida a propaganda de remédios, nem de produtos que causam dependência física e psíquica, como as bebidas alcoólicas e cigarros.

7:14Bonzinho no inferno

Toda eleição é a mesma coisa. Na reta de chegada, como agora, aqueles candidatos que se apresentavam como anjos salvadores se transformam em vingadores, porque descobrem que o eleitor sabe que ser humano bonzinho existe tanto como fotonovela de final feliz. Aí, de um dia para o outro, se transforam em anjos vingadores, atacam os adversários com as maiores baixarias – e acabam mesmo queimando no fogo do inferno da derrota.

7:09O colar

Não é verdade que ontem, ao encontrar Marina Silva na Feirinha do Largo da Ordem, a governadora Cida Borghetti tenha perguntado onde a candidata à presidência comprou aquele colar de cacique perdido na selva de pedra.

7:06Explicar para ser chamado

Depois que deixou o Banco de Boston, voltou para o Brasil e entrou na vida pública, Henrique Meirelles aumentou oito vezes o patrimônio. Por isso já gastou R$ 45 milhões do próprio bolso para chegar aos 3% nas pesquisas e ri como se tivesse dado uma gorjeta para a mulher do cafezinho na padaria. Se explicasse à ninguenzada a mágica de multiplicar o dindim, todos iriam chamá-lo nas urnas.

6:59JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cívico

Deu no jornal que Anitta se posiciona contra Bolsonaro. O candidato pediu um tempo e, quando estiver recuperado e for presidente, vai convidá-la para um show particular no Palácio do Planalto.

20:14Quem dera isso fosse parte de algum fenômeno global

por Gregório Duvivier

Há indícios de que o nosso fascismo foi produzido no Brasil mesmo

​O fascismo tá na moda no mundo todo, dizem os analistas de tendências, atribuindo o crescimento de Bolsonaro a um fenômeno global. Acho que existe um certo ufanismo nessa análise. Nenhuma moda chega no Brasil assim tão rápido. Esses analistas não perdem a mania de querer participar de algum fenômeno global.

Se tá rolando lá fora, no Brasil deve chegar daqui a uns trinta anos. Tem um delay. Foi assim com as calças skinny e o cavalão da Ralph Lauren. Com o fascismo não teria por que ser diferente.

A abolição da escravatura, por exemplo, chegou com um atraso de décadas, quando lá fora já era “tããão 1863”. A independência já chegou por aqui caquética, cansada da viagem e atordoada com o fuso horário. A república só veio atracar por aqui depois que já tinha dado errado no mundo inteiro.

Esse fascismo recém-chegado não deve ser o mesmo do Trump, por uma questão de logística: ele ainda tem que conseguir visto, vacina pra febre amarela, pegar uma baldeação no Panamá, extraviar as malas. Demora.

Tenho indícios que nosso fascismo foi produzido por aqui mesmo. Por uma razão: ninguém no mundo tem nossa capacidade criativa.

Bolsonaro diz que não confia na urna eletrônica mas já foi eleito cinco vezes por ela mas diz que é contra tudo o que tá aí mas já foi filiado a oito partidos diferentes mas é o candidato do novo mas diz que quer estado mínimo mas foi funcionário público a vida toda e capitão do Exército mas o vice é general do mesmo Exército o que faz do candidato um subalterno do próprio vice, enfim, nada faz sentido. Igualzinho o resto do país.

Tudo indica que esse fascismo é nosso, como as jabuticabas, o Gurgel e a esposa do Matthew McConaughey. Viva o nosso fascismo, que faz tanto sentido quanto os outros, só que não paga roaming de dados e dá pra consumir sem pagar IOF.

*Publicado na Folha de S.Paulo

19:49ZÉ DA SILVA

Achei a lua horrorosa naquela noite. Não sabia o motivo. Dava para tomar banho de luz com ela, lembrando da Celly Campello e todos os poetas encantados. A escuridão tinha baixado logo depois do amanhecer. O sol se espatifou ao comando de uma dor no coração que teimava em bater além da capacidade da idade. Os olhos de um caranguejo apareceram na lama do manguezal. Na televisão um homem cobrou a dívida de crack da prostituta com facadas que lhe calaram a súplica pela vida. Por que chorei desamparado ao lado do astronauta na sala branca de 2001 Uma Odisseia no Espaço? Sem pai nem mãe. Eles foram embora antes que eu me aninhasse em seus colos para ensinar o que não tinham recebido e aprendido. Soube que digitalizaram “Viagem à Lua”, do Georges Méliès, mas aqui na terra o foguete não entrou no meu olho direito. Exocet não pediu permissão. Furou e se alojou sem explodir no cipoal da alma. 

18:06JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cívico

Hoje é o Dia do Sorvete. Como é época de campanha e todos os candidatos acreditam mesmo que estão lidando com eleitores idiotas, temos que, na verdade, hoje é o Dia do Sorvete na Testa.