17:58Prova falsa

de Sérgio Porto

Quem teve a idéia foi o padrinho da caçula – ele me conta. Trouxe o cachorro de presente e logo a família inteira se apaixonou pelo bicho. Ele até que não é contra isso de se ter um animalzinho em casa, desde que seja obediente e com um mínimo de educação.

— Mas o cachorro era um chato — desabafou.

Desses cachorrinhos de raça, cheio de nhém-nhém-nhém, que comem comidinha especial, precisam de muitos cuidados, enfim, um chato de galocha. E, como se isto não bastasse, implicava com o dono da casa.

— Vivia de rabo abanando para todo mundo, mas, quando eu entrava em casa, vinha logo com aquele latido fininho e antipático de cachorro de francesa.

Ainda por cima era puxa-saco. Lembrava certos políticos da oposição, que espinafram o ministro, mas quando estão com o ministro ficam mais por baixo que tapete de porão. Quando cruzavam num corredor ou qualquer outra dependência da casa, o desgraçado rosnava ameaçador, mas quando a patroa estava perto abanava o rabinho, fingindo-se seu amigo.

— Quando eu reclamava, dizendo que o cachorro era um cínico, minha mulher brigava comigo, dizendo que nunca houve cachorro fingido e eu é que implicava com o “pobrezinho”.

Num rápido balanço poderia assinalar: o cachorro comeu oito meias suas, roeu a manga de um paletó de casimira inglesa, rasgara diversos livros, não podia ver um pé de sapato que arrastava para locais incríveis. A vida lá em sua casa estava se tornando insuportável. Estava vendo a hora em que se desquitava por causa daquele bicho cretino. Tentou mandá-lo embora umas vinte vezes e era uma choradeira das crianças e uma espinafração da mulher.

— Você é um desalmado — disse ela, uma vez.

Venceu a guerra fria com o cachorro graças à má educação do adversário. O cãozinho começou a fazer pipi onde não devia. Várias vezes exemplado, prosseguiu no feio vício. Fez diversas vezes no tapete da sala. Fez duas na boneca da filha maior. Quatro ou cinco vezes fez nos brinquedos da caçula. E tudo culminou com o pipi que fez em cima do vestido novo de sua mulher.

— Aí mandaram o cachorro embora? — perguntei.

— Mandaram. Mas eu fiz questão de dá-lo de presente a um amigo que adora cachorros. Ele está levando um vidão em sua nova residência.

— Ué… mas você não o detestava? Como é que arranjou essa sopa pra ele?

— Problema da consciência — explicou: — O pipi não era dele.

E suspirou cheio de remorso.

17:32O cão e a reação

De um amigo do blog

O cachorro morto pelo segurança do supermercado causou comoção nacional. Reação correta e lógica contra a violência absurda. Mas quando malucos ateiam fogo, atiram ou dão pauladas para  matar moradores de rua, não acontece revolta parecida. Algo, portanto, não está no eixo neste nosso país.

16:50E o final?

Hoje, na Boca Maldita, depois da ação do Gaeco que aconteceu cedinho e novamente entrou na Assembleia  Legislativa do Paraná, um sábio venenoso da Boca Maldita coçou a cabeça e soltou: “Certo. Mais uma vez teve show com a Globo presente. O que interessa saber é se o final vai levar gente pra cadeia ou vai ficar como o caso do prédio do TC, que foi para o ralo por erros na investigação?”

14:11Todos abraçados no MDB

Do Analista dos Planaltos

Entre mortos e feridos salvaram-se todos. Como não é nada raro acontecer, os políticos do MDB entraram em acordo. A eleição para o Diretório Estadual, que poderia ter disputa, agora terá uma única chapa de consenso.
O presidente será o deputado federal João Arruda, o sobrinho de Requião, que não se elegeu para governador e já começa a pensar na eleição para prefeito de Curitiba em 2020. No final de 2019 começa a pré-campanha. Arruda é a bola da vez do partido.
O tesoureiro será o deputado federal Sérgio Souza ligado a Orlando Pessutti , e o vice-presidente deverá ser o ex-secretário e agora empresário Renato Adur, hoje muito proximo de Ratinho Júnior. Requião Filho será um dos vice-presidentes da Assembleia Legislitiva e o deputado Anibelli Neto estará na executiva do MDB.
Faltam algumas definições como a Secretaria Geral, mas estão sendo feitas acomodações – e o interesse maior dos partidários será atingido impedindo o senador Requião de continuar como presidente da agremiação, movimento iniciado pelos prefeitos emedebistas .A escolha do sobrinho Arruda agrada o tio Requião,  que arriscava ver na presidência um adversário.
O jogo proposto agora é oxigenar a direção e preparar o partido para as eleições municipais antes que desapareça por completo, como já aconteceu nos grandes e médios municípios.
Quanto ao velho Requião, há correntes que defendem que ele dispute uma vaga de vereador em Curitiba, como fez Eduardo Suplicy em São Paulo. Apostam que faria uma votação expressiva e elegeria uma pequena bancada com os votos de legenda. Mas isso só se a vaidade permitir.

13:48Diplomação

Do correspondente em Brasília

No dia em que Jair Bolsonaro recebe o diploma de Presidente eleito no TSE, faculdades de economia deveriam diplomar o motorista Queiroz que tendo um salário de R$ 23 mil conseguiu juntar em um ano R$ 1,2 milhão”.

13:07O motorista, de novo

De Rogério Distéfano, no blog O Insulto Diário

Eriberto França foi motorista de Fernando Collor e denunciou em depoimento na Câmara dos Deputados que Paulo César Farias, caixa de campanha, pagava despesas do presidente. Daí ao impeachment do presidente da república foi um passo.

Fabrício Queiroz, motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do presidente eleito, fez intensa movimentação de dinheiro na assembléia legislativa do Rio na época em que passou cheque para a Michele Bolsonaro, futura primeira dama do Brasil.

Nenhuma semelhança, apenas coincidência – não na origem do dinheiro, mas na origem dos motoristas.

Coisas nossas

Sob fuzilaria no caso COAF, Jair Bolsonaro será diplomado hoje. Só no Brasil o sujeito é reprovado e recebe diploma.

12:03Duas notas, duas versões

Do correspondente em Brasília

O Rio de Janeiro tem se notabilizado por ser o caudatário da corrupção brasileira na gestão pública – em todos os níveis de governo (Federal, Estadual e Municipal) e em todos os setores da administração pública – em conluio com a iniciativa privada e o chamado mercado. E isso repercute. Seguem as notas publicadas pela revista digital Crusoé em 24 de novembro e por Leandro Mazzini no dia 10 de dezembro:

Crusoé – “Secretários da Fazenda, produto de exportação do Rio de Janeiro. Dois Estados com as finanças em situação precária recorreram à experiência de ex-gestores do dinheiro público no Rio de Janeiro – Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Para o Rio Grande do Sul, o governador eleito Eduardo Leite chamou Marco Aurélio Santos Cardoso, Secretário Municipal de Fazenda do Rio no mandato de Eduardo Paes. Em Minas Gerais, Romeu Zema escolheu para a Secretaria da Fazenda Gustavo Barbosa. Ele é  mineiro de Uberaba, mas pesou mais o fato de ter sido secretário do quebrado governo do estado do Rio na gestão de Luiz Fernando Pezão. De renegociação de dívida com a União, Barbosa entende e muito.” (https://crusoe.com.br/diario/secretarios-de-fazenda-produto-de-exportacao-do-rio-de-janeiro/)

Leandro Mazzini, Coluna Esplanada – “Missão (im)possível - Ninguém queria ser o secretário de Fazenda do do Rio de Janeiro. Foram consultados dezenas. A missão é de Luiz Cláudio Carvalho.” (http://www.osul.com.br/o-senado-parte-2/)

9:24Os Ratinhos com o capitão

Na foto do encontro de Ratinho Junior com Jair Bolsonaro (ver abaixo), divulgada pela assessoria do futuro governador, destaque para o gesto veemente do paranaense – e a cara de hummmmm do presidente eleito. Parece que está pensando: “Esse guri quer ir longe. Ainda bem que está começando agora”. Outra coisa: o que o pai foi fazer junto é um mistério. Talvez já entabular uma conversa para publicidade para usa rede de tv, na esteira do que vai entrar para o Silvio Santos que está bajulando faz tempo o novo dono do poder. De qualquer forma, na mesma cena, ao ver o desempenho do filho, deve ter se orgulhado muito e, quem sabe, pensado: “Se não fosse eleito, poderia ser um bom apresentador de programa de tv”. Continue lendo

8:42Operação do Gaeco mira suposto esquema entre médicos e empresários para furar fila do SUS

Da G1 Paraná

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou uma operação, na manhã desta segunda-feira (10), que mira um suposto esquema de propina entre médicos e empresários para furar a fila do Sistema Único de Sáude (SUS).

Há 12 mandados de prisão temporária e 45 de busca e apreensão sendo cumpridos no Paraná. Há políticos envolvidos.

A ação foi batizada de “Mustela” em alusão ao gênero de mamíferos que inclui animais conhecidos como furões.

Alvos

O gabinete do deputado estadual Ademir Bier (PSD), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), em Curitiba, está entre os alvos. O Gaeco chegou ao local por volta das 7h.

Contudo, até o momento, não se sabe qual é o envolvimento dele no caso. Como Ademir Bier não foi reeleito nas últimas eleições, o mandato do deputado acaba no fim deste ano.

Há dois vereadores que também são alvos das ordens judiciais. Não foi informado quem são os parlamentares, nem quais as cidades.

Outros alvos são o Hospital Regional de Campo Largo, na Região Metropolitana da capital paranaense, e a empresa Solumedi, em Curitiba.

8:29OS FLAGRAS

jaderdadá

jaderdadá1

Dadá Maravilha esteve sábado em Curitiba. Prestigiou o jogo entre o Iguaçu e o Trieste, válido pela final do campeonato amador da capital paranaense. O Triestre ficou com a taça. Ganhou de 2 a 1 na casa do adversário. Os dois times são de Santa Felicidade, o tradicional bairro italiano. Dario, como fazia para cabecear quando jogava, flutuou e pairou acima de todos, como beija-flor. Fotos de Jader da Rocha