6:02Hã?

Ontem, na divulgação dos grupos da Taça Libertadores da América, o escudo do Atlético Paranaense causou estranheza. Quem não sabia da mudança perguntou o que era aquilo. Quem conhecia ficou com vergonha alheia.

5:34Ministérios de 1984

por Ruy Castro

Com ou sem motivo, “1984”, o romance de George Orwell, reapareceu há algumas semanas nas listas brasileiras de livros mais vendidos. Desde seu lançamento em 1949, tornou-se um clássico do antitotalitarismo em geral, embora seu terrível modelo seja a URSS deJosef Stálin. Mas não se devem buscar motivos para reler “1984”. É um livro a se ler sempre, até por pessoas que se julgam libertárias e só têm olhos para o totalitarismo alheio.

“1984” se passa, como se sabe, num país dominado por um regime em que os cidadãos são vigiados por telas onipresentes e regulados por uma voz —a do Grande Irmão— que tudo sabe e controla.
O governo se compõe de ministérios com um funcionamento peculiar. O Ministério da Verdade, por exemplo, rege a informação que convém disseminar. O Ministério da Paz trata da guerra. O da Abundância regula a quanto cada cidadão tem direito. E o do Amor, que mantém a lei e a ordem, funciona num prédio sem janelas, com portas de aço, cheio de ninhos de metralhadoras e cercado por arame farpado.

Ao voltar ao livro há pouco, ocorreu-me que Orwell poderia ter trabalhado melhor essa parte dos ministérios. Por que não, digamos, um Ministério da Mulher que valorizasse o homem, promovendo-o a “protetor, cuidador e provedor”, e desestimulasse a participação da mulher no mercado de trabalho, condenando-a a ficar em casa parindo e amamentando filhos em série? Afinal, não “nasceu para ser mãe”?

Ou um Ministério das Relações Exteriores que, em vez de estender o máximo de pontes diplomáticas e comerciais, comprasse brigas com chineses e árabes, os dois pilares da economia mundial. Ou um Ministério do Meio Ambiente programado para impedir que essa história de clima e ecologia atrapalhe o agronegócio. E um dos Direitos Humanos que…

Pensando bem, foi bom não terem ocorrido a Orwell. Poderiam ser adotados por algum governo.

*Publicado na Folha de São Paulo

21:14O fardo do poeta

de Otto Lara Resende

Tendo mais de uma vez escrito sobre a sina do poeta, nem sempre fui entendido como queria e esperava. Não sou poeta, porque não tive o dom, que é dado de nascença. Nem por isto deixo de reconhecer a importância da poesia para a cultura de um povo. E até para o destino da humanidade. Sou do tempo em que se dizia que o mundo precisava mais de poesia do que de carvão. E também que, se o mundo tivesse de ser salvo, por certo o seria pelos poetas.

Nem por isto deixo de reconhecer que a sina do poeta, a sua sorte, não está entre as mais desejáveis, sobretudo num século que cultiva acima de tudo o conforto dos bens materiais. Para confirmar o que digo, posso me valer do testemunho de muitos poetas. Escolho um, pela eloqüência com que se pronunciou a respeito. Trata-se de Paul Claudel. Poucas pessoas são capazes de suportar a vocação artística, diz ele. A arte é perigosa para a imaginação e a sensibilidade.

Basta ver a maior parte dos poetas. Dão às vezes um espetáculo de completo desequilíbrio. São vidas freqüentemente frustradas. Até Chateaubriand e Victor Hugo foram vítimas de um profundo desequilíbrio. Os poetas não têm a paz dos homens de ciência. Ou dos homens de ação. Um Pasteur e um Lesseps se realizaram num êxito saudável. Foram vidas felizes. Já poetas, e escritores também, conhecem experiências dolorosas. Quem gostaria de ser um Baudelaire ou um Verlaine?

O martirológio dos artistas é mais que exuberante. E não falo dos poetas malditos, que a meu ver constituem um enigma. Ninguém em sã consciência pode desejar para si ou para um filho a vocação artística. Marginal, nada tem de atraente. Penso na minha irmã Camille. Graça terrível, o poeta aparece neste mundo sem graça por um decreto dos poderes supremos. É o que está em Baudelaire. Será que o mundo sentiria falta de Verlaine, se não tivesse existido?

Nenhum pai de família é bastante louco para desejar ao filho a vocação de um Rimbaud. Quem poderá dizer que a vida de Gide foi desejável? Ser poeta é mais ou menos como ser médium. Vivem de si mesmos, do seu equilíbrio. O artista vive à procura de sua essência, quase sempre voltado para os lados negativos e não para o lado bom. Veja o caso de Proust. Haverá vida pior do que a dele? Até aqui, é Claudel quem fala. Um poeta, pouco importa o que dele se pense.

 

18:22MDB é MDB; PT é PT

Do deputado federal João Arruda ao portal RedeSul de Notícias:

O PT cuida do PT e o MDB cuida do MDB. O Requião tinha uma posição ideológica de afinidade com o PT e isso acabou se confundido com o partido e contaminando o MDB. Eu não tenho ligação nenhuma com o Partido dos Trabalhadores e as minhas posições na Câmara Federal já demonstraram isso.

18:10Feliz Natal, Lula!

Tá rolando um videomico com a Benedita da Silva convidando para passar o Natal com o Lula em Curitiba. No frio, na chuva! A 10 quilômetros de distância! Aí eles gritam no megafone: “Feliz Natal, presidente Lula”. E o Lula: “Feliz Natal a porra”. (José ‘Macaco’ Simão)

17:02Proteção espiritual

De Rogério Distéfano, no blog O Insulto Diário

Alguém vai dizer que o médium João de Deus teve proteção de seus guias ao depor na delegacia de Abadiânia, ontem. Começou pelo tilte do computador do escrivão que travou e fez disparar uma tecla no momento da qualificação do médium.  Em seguida um curto-circuito detonou o frigobar da delegacia. Nada bastasse, horas antes um policial envolvido na investigação sofreu acidente e quebrou um braço ao se dirigir à delegacia. Bem investigado, ainda se descobre que o ente sobrenatural limpou os milhões das contas bancárias de João de Deus.

A condução do mito

Dúvida no cerimonial do Planalto: na posse de Jair Messias Bolsonaro o desfile será em carro aberto ou fechado? Por que não em tanque de guerra? Todo mundo vai entender. E quem se recusar a entender que já meta o rabinho entre as pernas.

Gênio

O ministro Sérgio Moro diz coisas profundas, que levam o ouvinte-leitor a refletir e aprender. Por exemplo: ontem afirmou à imprensa que o asilo ao italiano Cesare Battisti foi concedido “por motivações político-partidárias.” Pus-me a refletir: “e a extradição de Cesare Battisti, foi decidida sob quais motivações?”. Por motivações político-partidárias, ora. Bingo, aprendi! O Conselheiro Acácio não diria melhor.

16:19Para ficar de olho na turma da capa preta

Para uma turma que passou anos enchendo os bolsos com um auxílio só pelo fato de morarem em algum lugar, não custa nada ficar de olho nessa mudança aprovada hoje. Começa pelo fato de que barganharam a retirada da excrescência para receber aumento salarial – e isso com a maior cara de pau do mundo. Termina porque não houve uma voz neste mar de togas a pedir desculpas pelo que fizeram no episódio, desde que começaram a receber quase R$ 5 mil por mês. Mas, pedir desculpas para quem, não é mesmo? Para os que pagam a conta e vivem matando cachorro a grito? Quéisso!! Portanto, olho nestes magnânimos, porque a Justiça não tarda e não falha quando o benefício é em causa própria.

16:14CNJ aprova novas regras, e auxílio-moradia volta para parte dos juízes

Da FSP

Benefício passa a vigorar em janeiro para juízes transferidos de comarca

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) aprovou na tarde desta terça-feira (18), na última sessão do ano, uma resolução com as novas regras para o pagamento de auxílio-moradia aos juízes. Segundo o órgão, o benefício será bem mais restrito e deverá ser pago a cerca de 1% dos 18 mil magistrados (cerca de 180).

Conforme a resolução, o reembolso dos gastos com moradia não pode ultrapassar o teto de R$ 4.377.

O novo auxílio-moradia é previsto apenas para juízes que sejam transferidos de comarca por interesse do serviço público, conforme as regras elaboradas pelo presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli, e sua equipe.

Uma comarca pode abranger um conjunto de municípios vizinhos. O novo auxílio-moradia passa a vigorar em janeiro.

A resolução aprovada estabelece cinco critérios para o pagamento: 1) não pode existir imóvel funcional na cidade, 2) o cônjuge não pode ocupar imóvel funcional ou já ganhar o auxílio-moradia, 3) o juiz não pode ser ou ter sido, nos últimos 12 meses, dono de imóvel na comarca onde vai atuar,  4) a atuação deve ser fora da comarca original e 5) o juiz deve apresentar comprovante de despesa com aluguel ou hotel.

Um sexto critério, que constava da minuta da resolução, foi excluído do texto final. Ele previa que o serviço no novo local tivesse “natureza temporária”.

O valor de R$ 4.377 vinha sendo pago indiscriminadamente a todos os juízes e membros do Ministério Público que o requeressem desde setembro de 2014, por força de decisões liminares (provisórias) do ministro do STF Luiz Fux.

Continue lendo

15:36Muito Michel

Na próxima sexta-feira Foz do Iguaçu receberá Michel Temer de dia e Michel Teló à noite – isso se Michelzinho não quiser dar um passeio com o pai para ver as cataratas. Muito Michel, mas só um vai fazer sucesso.