17:27JAMIL SNEGE

Tenho procurado por
todos os meios me destacar
dos demais.
É minha a intervenção mais
inteligente, o lance
intelectual mais audaz.
Procuro as luzes do palco
com o mesmo fervor
com que o peregrino procura
a tua face.
Que tolice, Senhor.
Dentro de alguns anos, numa
tumba escura, que
artifícios usarei para
chamar a atenção sobre o meu
pobre crânio descarnado?

11:43Polícia elucida 57% dos homicídios ocorridos em Curitiba de janeiro a julho

Da Agência Estadual de Notícias

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) elucidou 57% dos homicídios registrados na Capital nos primeiros sete meses desse ano. De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública, o aumento na eficiência policial para identificar os autores de assassinatos se deve, principalmente, ao emprego do serviço de inteligência para levantamento de dados relacionados a organizações criminosas, já que a maioria dos crimes são relacionados ao tráfico ou uso de drogas. O índice de solução de crimes em todo o ano de 2018 foi de 37%.

Dos 143 assassinatos ocorridos entre janeiro e julho desse ano em Curitiba, 82 já foram esclarecidos, ou seja, possuem autoria conhecida pela PCPR. A maioria (97,5%) dos suspeitos são homens – apenas dois autores identificados são mulheres. Entre as vítimas estão 10 mulheres e 133 homens.

A delegada da PCPR, Camila Cecconello, atrela a eficiência a diversos fatores, como dedicação dos policiais civis e serviço de inteligência. Porém, também destaca o trabalho de mapeamento e identificação de chefes de organizações criminosas, o que está determinando a rapidez na elucidação dos delitos. “ “Além da utilização de programas de inteligência, a gente foca em identificar os chefes de quadrilha de determinadas regiões que mandam matar ou matam as vítimas. Muitas vezes a pessoa é suspeita por diversos homicídios que estão sendo investigados ao mesmo tempo””, explica Camila.

Continue lendo

11:18JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cínico

Ao ver a ficha de Gleisi Hoffmann na notícia do Antagonista, o PT Gaúcho prometeu entrar na Justiça por danos morais. A ex-ministra, ex-senadora, atual deputada federal e presidente do partido, é do PT do Paraná.

8:46O mapa da Coxa

O Antagonista

Crusoé mapeou os destinatários das propinas pagas pela Odebrecht por meio de uma transportadora de valores, a Transnacional.

Com mais de 23 mil mensagens que abarcam um período de dois anos, de 2013 e 2015, os arquivos da Transnacional são as evidências mais consistentes já obtidas pela Lava Jato para tentar incriminar os políticos delatados pela empreiteira.

Por exemplo:

gleisicoxa

7:50Sentença da cadeia

Palavra de um policial que conhece mais do que ninguém como é a lei da cadeia: confirmada a autoria do crime bárbaro com a menina Rachel Genofre, ocorrido há 11 anos em Curitiba, o acusado é sentenciado e, mais cedo ou mais tarde, será assassinado na prisão.

7:24JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cínico

Lula Livre é um movimento que vai durar enquanto o líder do PT estiver preso – e isso pode demorar. Agora vai surgir o “Língua presa”, para convencer o presidente Bolsonaro enquanto ele estiver no cargo.

7:14Lula livre

por Demétrio Magnoli

Não por ele ou pelo PT, mas em defesa de um precioso bem público: o Estado de Direito

STF examinará, logo mais, as condenações impostas a Lula. Hoje sabemos, graças à Vaza Jato, que os processos tinham cartas marcadas. O conluio entre Estado-julgador e Estado-acusador violou as leis que regulam o funcionamento do sistema de Justiça. A corte suprema tem o dever de preservar o Estado de Direito, declarando a nulidade dos julgamentos e colocando o ex-presidente em liberdade.

Lula livre. Evito adicionar o clássico ponto de exclamação porque, sob a minha ótica, Lula é politicamente responsável pela orgia de corrupção que se desenrolou na Petrobras.

A corrupção lulopetista nasce de uma tese política elaborada, em versões paralelas, por José Dirceu e Luiz Gushiken. O PT, no poder, deveria modernizar o capitalismo brasileiro, encampando o programa que uma “burguesia nacional” submissa ao “imperialismo” recusava-se a conduzir. Lula converteu a tese em estratégia, articulando a aliança entre empresas estatais, fundos de pensão e setores do alto empresariado privado que reativaria nosso capitalismo de Estado. Numa segunda volta do parafuso, parte da renda gerada pelo mecanismo financiaria o projeto de poder, assegurando ao lulopetismo uma maioria parlamentar estável e a hegemonia perene na arena eleitoral.

O mecanismo corrupto provocou uma erosão nos alicerces da democracia. Lula e o PT devem ser julgados por isso, mas no tribunal certo, que é o das urnas.

Não creio em bruxas. Do Planalto, Lula avalizou pessoalmente a colonização de diretorias da Petrobras por agentes do PT, do PMDB e do PP que aplicaram as regras do jogo da corrupção, distribuindo contratos ao cartel de empreiteiras e cobrando propinas destinadas tanto a seus amos políticos quanto a formar patrimônios próprios.

A promiscuidade entre o presidente e as empreiteiras estendeu-se para além das fronteiras nacionais, gerando contratos corruptos, financiados pelo BNDES, com governantes amigos na América Latina e na África. Lula beneficiou-se diretamente do mecanismo, por meio de palestras no exterior patrocinadas pelas empreiteiras. Nelas, um ex-presidente que detinha a palavra final no governo da sucessora traficava influência, trocando seus bons ofícios por remunerações milionárias.

Segundo minha convicção, o tribunal dos eleitores não cobre toda a responsabilidade de Lula. Acho que ele deve responder perante a lei por uma cadeia de atos de corrupção que lhe propiciaram benefícios políticos e materiais. Mas, felizmente, na esfera jurídica, o que eu penso —e o que você, leitor, pensa— não tem valor nenhum. No Estado de Direito democrático, juízes independentes ignoram o “clamor popular”, escrevendo sentenças embasadas na lei e informadas por um processo delimitado por formalidades que protegem os direitos do réu. Fora disso, ingressamos no mundo da Justiça politizada, que é o de Putin, Erdogan e Maduro.

​​Sergio Moro agiu como juiz de instrução italiano, uma espécie de coordenador dos procuradores —mas no Brasil, onde inexiste essa figura, não na Itália, onde um juiz diferente profere a sentença. Batman e Robin. Moro e Dallagnol, comparsas, esculpiram juntos cada passo do processo, nos tabuleiros judicial e midiático. No Partido dos Procuradores, milita também a juíza Gabriela Hardt, que copiou a sentença de Moro para fabricar a do sítio —e que, num trecho original de sua peça plagiária, trata José Aldemário Pinheiro e Leo Pinheiro, nome e apelido da testemunha-chave, como pessoas distintas.

Batman, Robin e cia merecem sentar no banco dos réus sob a acusação de fraudar o sistema de Justiça. Lula livre, não por ele ou pelo PT, mas em defesa de um precioso bem público, de todos nós, ao qual tantos brasileiros pobres precisam ter acesso: o Estado de Direito. Que o ex-presidente seja processado novamente, segundo os ritos legais, e julgado por magistrados sem partido.

*Publicado na Folha de S.Paulo

19:31Começou o desmonte do Iphan?

por  Nivaldo Vieira de Andrade Junior*

O Presidente Jair Messias Bolsonaro disse, assim que foi eleito, que no governo dele não haveria mais indicações políticas para cargos técnicos.

1. Há dois dias, a historiadora Salma Saddi foi exonerada do cargo de Superintendente do IPHAN em Goiás, após 39 anos de dedicação ao órgão, que ajudou a montar no estado, e depois de 18 anos no cargo de Superintendente, quando se tornou uma das mais respeitadas gestoras do IPHAN no país.

O novo superintendente, indicado para substituir Salma, é um advogado que foi indicado por um deputado federal de um partido da base aliada. Detalhe: o deputado é proprietário da faculdade em que ele (o novo superintendente) é professor. Ao jornal “O Popular”, o deputado disse, sobre a indicação, que “O Iphan foi um cargo que foi sorteado para nós aqui (da bancada goiana). Foi feito o sorteio aqui no governo federal para cargos de Goiás, e o que sobrou para mim foi o Iphan.”

2. Também há dois dias, foi exonerada do cargo de Superintendente do IPHAN no Distrito Federal a historiadora Ione Carvalho, pós-graduada em Antropologia Social e mestre em Museologia pela George Washington University, nos Estados Unidos. Ione tem larga experiência no campo da cultura em diversos países e organismos internacionais e ficou poucos meses no cargo.

Seu substituto, nomeado na mesma edição do Diário Oficial da União, é formado em processamento de dados(!) e membro da diretoria do PSL (Partido do Presidente Bolsonaro) no Distrito Federal. Nas eleições de 2006, foi candidato a Suplente de Senador pelo PFL, na chapa em que José Roberto Arruda foi eleito governador. O novo superintendente do IPHAN no DF “trabalhou na imprensa mas desde 2006 todas as atuações dele são na área política”.

3. Da Superintendência do Paraná, foi exonerado, há dois dias, o arquiteto e urbanista José Luiz Desordi Lautert, com formação em Restauração de Monumentos Arquitetônicos pela Universidade Politécnicas da Catalunha (Espanha) e em Gestão Técnica do Meio Urbano pela Universidade de Compiège (França) e PUC Paraná. Antes de ser superintendente do IPHAN no Paraná, Lautert foi chefe da divisão técnica da mesma Superintendência, além de ter trabalhado na Coordenadoria do Patrimônio Cultural do Estado do Paraná e no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC).

Lautert foi substituído por um engenheiro civil sem qualquer experiência na área do patrimônio, por indicação de um deputado da base governista.

*Presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil

 

18:20JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cínico

Se os americanos estão espantados com a revelação da Marinha sobre o Ovni filmado por um piloto, não perdem por esperar a chegada de Jair Bolsonaro e seu discurso no ONU. Dilma Rousseff já foi um sucesso com o ensacador de vento, agora a coisa vai ser na base do espancamento geral.

17:01Assassino identificado

Da Agência Estadual de Notícias

Polícia do Paraná elucida crime que vitimou Rachel Genofre

 A Secretaria da Segurança Pública do Paraná confirmou nesta nesta quarta-feira (18) a identificação do suspeito de matar a menina Rachel Maria Lobo Oliveira Genofre, em 2008. O corpo dela foi localizado em uma mala na Rodoferroviária de Curitiba. Ela tinha apenas nove anos.

A identificação do homem como autor do crime ocorreu por comparação genética, graças à integração da base de dados entre Paraná, São Paulo e Brasília. Houve cruzamento do material genético encontrado sobre o corpo da vítima com o material genético colhido com um homem em São Paulo por meio do Banco Nacional de Perfis Genéticos.

Carlos Eduardo dos Santos, 54 anos, está preso na Penitenciária II de Sorocaba (SP) e tem extensa ficha criminal. Detido desde 2016, já foi condenado a 22 anos de prisão por estelionato, estupro, roubo e falsificação de documento. Os crimes ocorreram em São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Na época do crime, Carlos Eduardo dos Santos morava na Rua Alferes Poli, no Centro de Curitiba, em um raio de 750 metros de distância do Instituto de Educação, onde a menina estudava. Ele trabalhava como segurança em São José dos Pinhais.

A Polícia Civil vai enviar ainda nesta quinta-feira (19) um pedido à 2ª Vara de Execuções Penais de Sorocaba, que executa as sentenças de Carlos Eduardo dos Santos, para que ele seja transferido para o Paraná e depois ouvido pelo delegado responsável pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Marcos Fernando da Silva Fontes. Há expectativa de que o caso seja reconstituído para que os detalhes do assassinato sejam esclarecidos. Continue lendo

16:36Estamos num mato sem cachorro

Por Dirceu Pio

Ao leitor pouco mais distraído, não chamou a atenção a importância de uma já velha notícia que eu adicionei quase ao pé de um texto que publiquei no início desta semana sobre as fragilidades do jornalismo.

Nele, eu informava que o Grupo Globo, dono das emissoras de TV aberta que lideram a audiência no Brasil, dono da Globonews (TV por assinatura exclusiva de jornalismo), dono de jornais impressos no Rio de Janeiro, dono do jornal de Economia e Negócios Valor Econômico, dono da revista eletrônica Época, dono de vários outros canais de TV a cabo comprou, em 2017, uma participação minoritária na Órama Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (DTVM).

A distribuidora é responsável pelo site de Órama Investimentos, que distribui fundos e papéis de renda fixa.

E o que é ainda mais importante: o grupo Globo, que em 1990 se livrara da Seguradora Roma, por achar que a participação direta em mercado financeiro afetava a credibilidade das informações que produzia, justificou a compra da participação na Órama porque assim segue os passos de outros grupos de mídia internacionais, que vêm investindo em plataformas digitais como base da expansão de seu negócio de conteúdo, abrangendo áreas como inteligência de dados, serviços e classificados online.

VAI VENDO

Para melhor enxergar o mato em que nos encontramos é preciso observar também:

1. Já são hoje insondáveis os interesses econômico-financeiros do Grupo Folha de S. Paulo, pulverizados entre várias empresas, nem todas dedicadas a produzir informação. Certo mesmo é que uma das empresas do grupo, de meios de pagamento, a PagSeguro Digital, levantou em janeiro de 2018 nada menos de 2,7 bilhões de dólares num IPO realizado pela Bolsa de Nova York.

2. Seguindo a tendência mencionada pelo Grupo Globo, a Empiricus, consultoria de economia e finanças “independente” baseada em São Paulo, anunciou em março deste 2019, ter adquirido 50% do site Antagonista, de Diogo Mainardi e Mario Sabino.Em mensagem na própria página da consultoria, os sócios Caio Mesquita, Felipe Miranda e Rodolfo Amstalden informam ter sido ela a primeira anunciante do site, em janeiro de 2015, mas que, um ano depois, os cinco milhões de usuários únicos por mês e as 140 milhões de páginas visualizadas nos últimos 30 dias os obrigaram a refazer as contas: “Paramos de torcer, passamos a investir”, segundo informou o Portal do Jornalista.

Continue lendo