10:19Purificação

por Fernando Muniz 

O terreiro transpira paz e alegria.Os santos e outras imagens em seus lugares, atabaques em ordem, a cadeira do pai-de-santo em seu devido lugar, as cadeiras dos visitantes e iniciados colocadas em círculo, o chão varrido mais de uma vez.

Resmas de jasmins em vasos de cerâmica exalam um cheiro que eleva o espírito de todos, que entoam cantos antigos.

De repente, a porta da frente passa a ser golpeada. Gritos lá fora; alguns tiros. Dali a alguns minutos é arrombada.

“Que merda é essa, mãezinha?” – um rapaz novo, sem camisa e com tatuagens de quem passou tempo na penitenciária, grita com a equede que coordena as atividades naquela hora. “Onde está o chefão?”

“O senhor quer dizer o babalorixá?”, ela tenta de fato saber, um tanto amedrontada. “É isso mesmo, aquele preto-velho filho de uma puta!”. A linguagem do rapaz causa comoção nas simpatizantes, que saem rápido em busca de ajuda.

Três outros rapazes juntam-se ao primeiro, também sem camisa, também tatuados. Todos com revólveres à mostra, embainhados na cintura.

Ela reconhece um deles, neto de uma prima. Esboça um sorriso de reconhecimento, que ele, ao perceber, devolve com um olhar feroz e um discurso, decerto, decorado na prisão.

“Tá na hora de acabar com essa palhaçada do diabo aqui. Recolhe tudo agora, senão vamos zoar com aqui tudo”.

“Mas hoje é um dia importante… é festa de Erê…”, a equede tenta convencer o seu parente distante, ao lembrá-lo lembrar da festa das crianças, tão bonita, que por certo ele já brincou alguma vez.

O que entrou primeiro, com ascendência sobre os demais, corta a intenção da senhora.

“Olha só, mulher, não queremos papo não. Essa porra aqui lacrou. Pode quebrar essas imagens aí. Começa agora, caralho!”.

Dá um tapa de mão cheia nela, que cai sobre os vasos de jasmim.

“Em nome de Jesus, porra!”.

10:09As agências

Da coluna de Aroldo Murá, no ICnews

Assunto que não é de pequena monta, a escolha das agências de publicidade que ganharam licitação para trabalhar contas do Governo do Estado do Paraná neste e no próximo ano:

– Master

– Vivas Comunicação

– GPAC

– Lua Propaganda

– Tif Comunicação

Detalhes estão nos seguinte links: Continue lendo

9:17O INSULTO DIÁRIO

O juiz Sérgio Moro mandou prender gerentes da Petrobras, a raspa de tacho da Lava Jato. Nesse ritmo nem o frentista do Ahu escapa.

Rafael Greca detonou a diretoria da Urbs, ineficiente no transporte coletivo. O prefeito está com tanto tesão que logo pega os motoristas da estatal. No bom sentido.

Nicolás Maduro diz que Michel Temer não tem moral para criticar as eleições na Venezuela. A verdade também pode sair de bocas mentirosas.

O narcotráfico financia campanhas eleitorais. Pelo menos no Rio de Janeiro, entrevista de Marcinho VP, um dos comandantes locais, preso há 21 anos. Que complementa: Sérgio Cabral é um dos piores políticos com quem conviveu. Sem novidade.

Político tira dinheiro de onde pode. Daí porque o jogo do bicho continua ilegal. Os bicheiros não querem, os políticos não deixam. Marcinho VP não fala do político cheirador, como aquele que recebe mala com notinhas novas para poder cafungar legal.

O ministro Elizeu Padilha, da Casa Civil, assume a coordenação política do governo Michel Temer. Se perder mais este escudeiro, Temer terá que importar profissionais de fora. Que tal Valdir Rossoni, um craque, o secretário que segura o governo do Paraná? Tem outra vantagem: é deputado federal. Mais uma acusação, o ministro Rossoni poderia voltar à câmara e livrar o chefe, como fizeram os oito ministros, deputados e asseclas de ocasião.

O melhor emprego do Brasil: técnico demitido de clube de futebol. O cara trabalha seis meses e recebe salário pelo resto dos dois anos de contrato.

A vida imita a arte O celular do ex-ministro Geddel Vieira Lima, o homem dos 51 milhões de reais, registrava busca do joguinho ‘O fim de um ladrão’, como a PF apurou ao apreender o aparelho. Queriam que ele buscasse o quê, ‘A galinha pintadinha’? Geddel sempre foi coerente, eis a prova. São loucuras que vieram com os smartphones. Tem tantas, uma delas conheci de perto.

Tinha medo que o primo matasse a mãe, a quem adorava e com quem vivia, ainda aos cinquenta. Quando a tia morreu, não sosseguei até saber a causa da morte, natural, de velhice. Motivo compreensível. Ele baixara no celular a trilha musical do filme ‘Psicose’ para identificar as chamadas da mãe. Depois disso, e só por isso, aposentamos seu apelido: Norman Bates. (Rogério Distéfano)

8:51Faltou energia no espaço nobre

O ministro Ricardo Barros ganhou ontem espaço em horário nobre na tv para falar para o Brasil sobre a atuação de sua pasta – a Saúde. O texto foi longo demais e à performance do maringaense faltou aquela energia vital para passar o recado. Precisa treinar mais ou contratar algum especialista no assunto, afinal, ano que vem está aí e ele será o principal cabo eleitoral da mulher dele, Cida Borghetti, candidata ao governo do Paraná.

18:04Para eleger o Mandachuva

De Lima Barrreto

A Constituição da Bruzundanga era sábia no que tocava às condições para elegibilidade do Mandachuva, isto é, o presidente.

Estabelecia que devia unicamente saber ler e escrever; que nunca tivesse mostrado ou procurado mostrar que tinha alguma inteligência; que não tivesse vontade própria; que fosse, enfim, de uma mediocridade total.

 

16:42JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cínico

Michel Temer apareceu com seu cachorro Thor em foto distribuída nas redes sociais. Enquanto isso, a matilha continuou trabalhando para que ele receba os votos necessários para se livrar da segunda denúncia do Ministério Público Federal.

16:21Violência e acusação

No UOL, a incrível história de Valéria Ghisi, brasileira vítima de violência doméstica na França que acabou sendo acusada de sequestro internacional ao voltar com a filha para o Brasil. Ela teve de retornar à França, onde perdeu a guarda da filha e está há um ano sem poder trabalhar. O drama afeta toda a família dela. Valéria é filha de Ricardo Mac Donald Ghisi, ex-secretário de governo na administração de Gustavo Fruet na prefeitura de Curitiba. O senador Alvaro Dias e a OAB do Paraná entraram no caso para defender a psicóloga e professora universitária. Confiram:

 

15:30JORNAL DO CÍNICO

Do Filósofo do Centro Cínico

Alguns vereadores de Curitiba resolveram dar uma volta de ônibus e ficaram chocados. No dia em que experimentarem o transporte conhecido como “pau de arara” vão achar que o mundo acabou e não avisaram.

15:20Um diálogo

Do jeito que veio

A Biblioteca Pública do reaaliza de 23 a 25 de outubro, o curso James Joyce e David Foster Wallace: um diálogo, ministrado pelo professor e tradutor Caetano Galindo. A atividade faz parte da programação da primeira Festa Literária da Biblioteca (Flibi), que acontece de 23 a 28 deste mês, em comemoração aos 160 anos da instituição. Responsável por traduções de Ulysses, de James Joyce, e Graça infinita, de David Foster Wallace, Galindo vai explorar, ao longo do curso, aspectos que aproximam e distinguem os romances. “Os alunos verão uma apresentação das duas obras, analisarão trechos selecionados de cada uma e discutirão suas similaridades e diferenças, levando em consideração os contextos muito diferentes a que cada livro pertence/pertencia”, diz o tradutor. Os encontros acontecem no terceiro andar da BPP, das 9h às 12h. As inscrições, gratuitas, devem ser feitas por meio do formulário on-line. Serão selecionadas 30 pessoas, por ordem de inscrição.