13:12Escoadouro

por Fernando Muniz 

A tempestade começa a amainar e a água da chuva corre até um bueiro, com varas de pescar espetadas. A luz de um poste ilumina o lugar; ao redor, escuridão.

O bueiro está entupido de lixo, mas a água consegue passar, sem problemas.

Tenho receio do que encontrarei se mexer no bueiro. Medo maior ainda é de, ao mexer ali, a água ficar empoçada. Ou corra mais rápido para a tubulação de esgoto e eu não consiga admirá-la.

Olho para o céu; a tempestade teima em engrossar de novo. Trovões ribombam, quase sobre a minha cabeça.

Apanho as varas e começo a espetar o lixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>