7:57Calai-vos, chacais!

por Célio Heitor Guimarães

Estava evitando falar no assunto, mas, infelizmente, isso é inevitável. A matilha petista e os idiotas de sempre, desesperados por um fato novo que possa abrigar o seu chororô vazio e inconsequente, agarra-se com unhas e dentes no vazamento de conversas entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Dallagnol para desqualificar as autoridades e absolver o tri-condenado Lula da Silva. E o pior é que a imprensa nossa de cada dia lhes dá guarida e repercute a idiotice à saciedade.

Ainda que sejam verdadeiros os diálogos, captados de forma criminosa pela ativa quadrilha, não se prestam para o fim almejado por ela. Nada foi dito que possa desqualificar o trabalho da Lava-Jato e muito menos servir para tirar do xadrez os bandidos encarcerados.

Sérgio Moro “desgastado”?! Por que?! Por haver cumprido, com competência, coragem e correção, o seu dever?!

Ah, sim, ao dialogar com Dallagnol, Moro ofendeu a ética e expos a sua parcialidade como magistrado?! E para corrigir-se tamanha transgressão é preciso colocar Lula em liberdade, devolver o Palácio do Planalto à Dilma Rousseff, a presidência da Câmara a Eduardo Cunha e o governo do Rio a Sérgio Cabral; pedir desculpas e devolver o dinheiro aos empresários e doleiros que assaltaram o Brasil, e, como prêmio de consolação, entregar a presidência da Petrobras a José Dirceu…

Com todo o respeito, senhores aloprados!

Não estamos mais acostumados com autoridades dignas, probas e eficientes. Se alguma delas surgir em cena, será preciso desonrá-la imediatamente, antes que se torne respeitada e admirada.

Quem tem um mínimo de conhecimento do funcionamento do Judiciário brasileiro sabe ser comum, rotineiro até, conversas entre juízes e promotores ou procuradores de Justiça, sem que isso venha afetar a atuação de cada um ou macular o resultado final. Magistrados e membros do Ministério Público jogam no mesmo time. Ambos buscam a Justiça e a tem encontrado em conjunto. De igual modo, acontecem, sem maiores problemas, diálogos entre juízes/promotores e advogados. Assim funciona o sistema.

Como advogado, filho de promotor público e genro, sobrinho e bisneto de juiz, sei o que estou dizendo. Além do que, estive 35 anos dentro do Poder Judiciário, como servidor público. Conheço-lhe as virtudes e defeitos, a face exposta e os subterrâneos. Vi de perto muito patife de toga. Eles existem, e como! Na primeira, segunda e “terceira” entrâncias. Só não os comparem a Sérgio Moro e a Deltan Dallagnol e seus colegas.

Com todos os defeitos que possam ter, Moro, Dallagnol, assim como os demais procuradores da Lava-Jato e policiais federais – creiam ou não os seus detratores, alguns asfixiados pelo despeito e pela inveja – prestaram inestimável serviço ao Brasil. Expuseram as vísceras de um esquema qualificado de corrupção que consumia o país e aviltava os brasileiros. Políticos e empresários, que se julgavam intocáveis, acima do bem e do mal, foram recolhidos ao xilindró, como nunca antes acontecera na história deste país – como dizia um dos envolvidos –, lá continuam e lá devem continuar. Faltam alguns ainda, é verdade. Mas chegará a vez deles.

Não foi Moro e Dallagnol que mandaram e mantêm Lula da Silva no cárcere. Foi a Justiça, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o Superior Tribunal de Justiça, o Supremo Tribunal Federal e, sobretudo, a conduta delinquente do ex-sapo barbudo, que se imaginava dono do Brasil. E olha que, até agora, ele foi apanhado apenas nos confeitos…

13 ideias sobre “Calai-vos, chacais!

  1. Swissblue

    Sem pedir autorizacao dei copy x past e ja esta circulando ” worldwide”..Parabens! Fonte e autor devidamente citados.

  2. Oto Lindenbrock Neto

    Você está passando por um processo de divórcio litigioso. Ao final descobre que o juiz orientou o advogado que representava sua esposa durante todo o processo. É normal? Se você concorda, ok! Segue o baile.

  3. Jose

    ” – A ciência, meu rapaz, é feita de erros, mas de erros que é bom cometer, pois conduzem à verdade.”
    Prof. Otto Lindenbrock, o original, no Livro “Viagem ao Centro da Terra”.

  4. Zangado

    São os pontos nos “i”s do assunto; perfeito. A vigilância é imprescindível, pois ainda tem muito sacana sem o devido enquadramento policial e judicial.

  5. SERGIO SILVESTRE

    Pois é,eu acho que nós brasileiros já carentes de saber pouco o que acontece atrás dos panos,com uma imprensa que numa radio fala uma coisa e na outra tudo e ao contrario,deixando confusos todos que tem direito a saber alguma coisa.
    Ai pela tecnologia,um site enche de matéria prima de primeira todo noticiário,mas parece que alguns não deglutiram a coisa,outros parecem incomodados e uma maioria muar ,quase 57 milhões estão com os nervos a flor da pele ,até por que acreditavam no Super -man,e no marreco de Maringá,uma especie em grande proliferação na politica,vindo do judiciário.
    Mas o Heitor tem razão,vamos fechar os olhos e tapar os ouvidos,afinal vamos continuar com nossa vidinha né,até por que temos direitos adquiridos nas nossas aposentadorias e se fodam os meus filhos e netos,até lá estarei morto mesmo né de novo.

  6. Francisco Lima

    Com todo respeito, aproveito para trazer uma reflexão de R.A. publicada hoje: “Ou os atores políticos despertam para o que está em curso, ou o preço a pagar será a instabilidade permanente. Não virá o apocalipse —porque nunca vem. Países sempre podem piorar um pouco ou oferecer a seus cidadãos uma vida muito abaixo de suas potencialidades.
    A tarefa de conciliar o combate à corrupção com os valores da democracia é do Congresso Nacional, não de uma associação de fanáticos. É ele que tem de rever, por exemplo, a lei 12.846, que trata dos acordos de leniência e permite que empresas sejam literalmente fulminadas, enredadas por múltiplos órgãos do Estado que exigem a reparação, num calvário que não tem fim. Nove empreiteiras que caíram nas malhas da Lava Jato haviam demitido 331.705 pessoas até o ano passado.
    Cumpre saber quanto estamos dispostos a sacrificar em democracia e em economia para garantir “O Espetáculo da Corrupção”, para citar o excelente livro do advogado Walfrido Warde, que tem este subtítulo eloquente: “Como um sistema corrupto e o modo de combatê-lo estão destruindo o país”.

  7. Mário Montanha

    Meu querido Célio. Discordo da quase totalidade do artigo, o que não quer dizer nada – a sua opinião, expressa num estilo que me agrada e que me faz admirá-lo tanto quanto eu o admiro, merece respeito. Rompi com o lulo-petismo há muitos anos – acho que em 2003 –, e dele não me aproximei mais. Isso, porém, não me anima a festejar a prisão do ex-sapo-barbudo num processo como o da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, coordenado por um juiz de exceção. Um processo suspeito e pré-concebido em seus resultados. Goste-se ou não, aquilo que era desconfiança desde o início se confirmou agora, com as revelações do Intercept Brasil: Moro e Dallagnol nunca foram heróis, e a Lava Jato não é mais do que uma aberração jurídica. Em linhas mal traçadas, tenho procurado (e não é de hoje) dizer isso, porque é o que me parece. Grande abraço. Da Montanha

  8. Jose

    Perfeito Francisco Lima, inclusive quando desbaratam quadrilhas de ladrões de carga quantos deixam de trabalhar, o mesmo acontece quando prendem contrabandistas e veja só, quando prendem traficantes quantos ficam sem trabalho também.
    Excelente a sua lógica não?
    Se não tivesse havido o crime de corrupção as Empresas não sofreram punições, simples assim.

  9. Rock

    Uma matéria de alguém no desespero em defender o indefensável, ou seja o sr. Moro é politiqueiro e não tem mesmo aptidão para ser juiz como dizem por ai, acho que foi um ministro do STF., que disse isso na verdade e com total razão.

  10. Célio Heitor Guimarães

    Só para deixar registrado, prezado Oto. A quadrilha do Lula não esteva se divorciando, mas assaltando o Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>