15:06Bernardo Bittencourt, adeus

Do blog Contraponto

Morre o jornalista Bernardo Bittencourt. Sepultamento na sexta-feira

Vítima de mal súbito, morreu esta manhã o jornalista Bernardo Bittencourt Neto – o “Nego Bitta”, como era tratado carinhosamente por seus amigos. O falecimento se deu em casa quando se preparava para iniciar o expediente como assessor de imprensa do hospital Evangélico-Mackenzie. Tinha 64 anos. Deixa viúva Laís Castilho Bittencourt e as filhas Juliana e Cassiana, e três netas.

Nascido em Rio Negro e criado com a família em Morretes, Bittencourt iniciou a carreira de jornalista aos 17 anos no extinto “Diário do Paraná”, passando também pelos jornais Correio de Notícias e Indústria & Comércio. Também trabalhou na RPC-TV, nos tempos do antigo Canal 12. Durante 10 anos foi repórter da sucursal de Curitiba da revista Manchete.

Atuou em assessorias de imprensa de diversos órgãos públicos, como Secretaria de Estado da Agricultura e na Prefeitura de Curitiba.

5 ideias sobre “Bernardo Bittencourt, adeus

  1. Célio Heitor Guimarães

    Até tu, Bitte?! A cada mês que passa um amigo/colega/leitor embarca. Ivan, Ayrton, Luciano, Acir, Dirceu… Foste muito cedo, Bitte. Você ainda não aprendera a escrever como eu, como dizia ser o seu desejo, embora escrevesse muito melhor… Deixa saudade. Um sentido abraço à família. E, Bitte, guarde um lugar para mim aí na rodinha, que eu logo chego. Com a língua afiada, como de costume.

  2. julio zaruch

    João José, Claret, Airton Batista, Ivan Schmidt e agora o Bittencourt. Estamos, todos, ficando mais pobres. Irremediavelmente. Que Deus dê consolo à família.

  3. Raul Urban

    Nosso velho e bom amigo Bitta nos deixa, de súbito, enquanto, perplexos, nos perguntamos o porquê de as coisas serem assim. Fomos colegas de trabalho em ocasiões diversas. Fomos, também, no correr das décadas, parceiros de conversas, bares, instantes mágicos em que outros tantos de nossa geração, como Manoel Carlos Karam, Raimundo Caruso e companheiros de redações do velho e bom Estadinho, do também saudoso Diário do PR, soubemo-nos “instruir”, buscqando, no escrever, o driblar de momentos críticos da vida, da política, das coisas tantas que nos acompanharam. Pois bem: fica na lembrança a imagem de um Bitta com aqueles suspensórios – a marca registrada do grande amigo que agora nos priva de sua presença. Fica também o conforto e o consolo à família. Foi embora, talvez, um dos últimos moicanos da nossa geração lúdica e romântica, remanescente de uma época do fazer notícia com o coração sonhante, com a alma pura, com o desejo de ser feliz. Vai em paz, amigo!

  4. Parreiras Rodrigues

    Bitta não ria. Ele bem-humorava, sempre, toda hora. Agora, pensem num cara que se apaixonou prum negão de suspensório logo no primeiro encontro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>