17:55Em mensagem a Israel, Bolsonaro revê declaração de que é possível ‘perdoar o Holocausto’

Da FSP

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) enviou uma mensagem neste sábado (13) a autoridades de Israel para reverter a polêmica em torno de uma declaração sua de que seria possível perdoar o Holocausto.

“Deixei escrito no livro de visitantes do Memorial do Holocausto em Jerusalém: ‘AQUELE QUE ESQUECE SEU PASSADO ESTÁ CONDENADO A NÃO TER FUTURO’. Portanto, qualquer outra interpretação só interessa a quem quer me afastar dos amigos judeus. Já o perdão é algo pessoal, nunca num contexto histórico como no caso do Holocausto, onde milhões de inocentes foram mortos num cruel genocídio”, disse o presidente na carta.

Na última quinta (11), durante encontro com evangélicos no Rio, Bolsonaro disse: “Fui, mais uma vez, ao Museu do Holocausto. Nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer. E é minha essa frase: Quem esquece seu passado está condenado a não ter futuro. Se não queremos repetir a história que não foi boa, vamos evitar com ações e atos para que ela não se repita daquela forma”.

A declaração gerou polêmica em Israel, país do qual o presidente tem se aproximado. O presidente de Israel, Reuven Rivlin, publicou no sábado (13), em uma rede social, uma mensagem respondendo à declaração de Bolsonaro.

“Nós sempre iremos nos opor a aqueles que negam a verdade ou aos que desejam expurgar nossa memória —nem indivíduos ou grupos, nem líderes de partidos ou premiês. Nós nunca vamos perdoar nem esquecer”, escreveu Rivlin.

O centro de memória do Holocausto Yad Vashem também havia reagido à declaração de Bolsonaro feita na quinta-feira. Em comunicado divulgado no sábado (13), o museu afirma que “não é direito de nenhuma pessoa determinar se crimes hediondos do Holocausto podem ser perdoados”.

O  Yad Vashem é um memorial dedicado a homenagear as vítimas e os que combateram o genocídio de seis milhões de judeus pelos nazistas.

3 ideias sobre “Em mensagem a Israel, Bolsonaro revê declaração de que é possível ‘perdoar o Holocausto’

  1. Marcos Guelmann

    E muito lamentável que um homem que ocupa uma posição de destaque num país gomo o Brasil ser Presidente que já visitou um museu que é a prova viva do que aconteceu, tenha proferido a palavra perdoar, pois quem perdoa consente, imagino que foi uma má expressão, caso contrário ele perdeu muito do meu conceito, espero que se redima, nos judeus nunca perdoaremos……

  2. nelson padrella

    Perdoar é cobrir com um pano, é esquecer o que aconteceu, é deixar pra lá. Não concordo absolutamente com o pensamento do Presidente Bolsonaro que devemos “deixar pra lá”, o que aconteceu com os povos da Europa – principalmente os judeus – assassinados em nome de uma ideologia estúpida. Nem perdoar e nem esquecer. Pelo contrário. Manter viva a memória das vítimas do Holocausto e contribuir para que tal estupidez nunca mais se repita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>