11:01O pior Parlamento da história

por Carlos Andreazza

À qualidade humana média indigente dos parlamentares se deve acrescentar a assombrosa falta de costura política do governo no Congresso

Tomou posse aquele que será o pior Congresso da história. Conforme já exprimiu o Senado na estreia: uma mistura perniciosa entre velhacos ameaçados e moleques oportunistas. Uma legislatura destinada, pois, à frustração dos crentes, aquela decorrente de se compreender mudança e renovação como valores virtuosos per se .

Uma obviedade: um Parlamento, como uma empresa ou família, é composto de pessoas. Se a matéria humana, fresca ou curtida, é ruim, ainda que haja exceções, impossível será um conjunto bom.

A este estado de coisas se somem a condição preponderante entre os novatos — o despreparo — e o sentimento que o primeiro contato com o poder estimula nos fracos: o deslumbramento; chave para a modalidade de autossuficiência cujo desdobramento imediato estará em calouros ignorantes que se julgam independentes, inclusive de agendas reformistas, como nem o mais cascudo entre os veteranos jamais foi. Isto muito se verá no PSL. Ora com relevante representação na Câmara tanto quanto sem experiência sobre o que seja atividade político-partidária, o partido — seu comportamento como equipe a ser liderada — é uma incógnita.

Mais espantoso produto do fenômeno eleitoral bolsonarista, a bancada do PSL, ressalvados dois ou três nomes, compõe-se de gente cujo único mérito esteve em haver se associado a Bolsonaro no momento certo. Um amontoado heterogêneo de desqualificados para a função e representativos da nova etapa do processo de transformação do Parlamento num baixo clero absoluto, progressivamente esvaziado de líderes, em que os partidos têm dissolvidas as suas unidades e em que a desintegração já concebeu 594 Congressos. Varejo mais do que nunca.

A tragédia da representação vai além. Porque à qualidade humana média indigente dos parlamentares se deve acrescentar a assombrosa falta de costura política do governo no Congresso. Que não se confunda a exploração do sentimento anti-Renan para vencê-lo com a complexa tessitura de uma base de apoio em torno de projeto. O Planalto não tem articulação no Parlamento. A Casa Civil não alcança deputados, muito menos senadores. Daí por que seus movimentos voluntaristas, deixando digitais por toda a parte, só consigam produzir uma interferência como aquela armada no Senado, obra-prima da tratoração cujo resultado consistiu em definir inimigos e organizar uma oposição sabotadora.

O governo ganhou no Senado? A vitória de Onyx Lorenzoni é do governo Bolsonaro? Quem é Davi Alcolumbre, o herói? Quem conhece o alpinista? Quantos entre os que se uniram para bater o sete-peles Renan — e que lhe deram 42 votos entre 81 — se unirão pela reforma da Previdência? Randolfe Rodrigues? Ilude-se quem avalia que possa contar com um Kajuru mais do que com um Calheiros.

Quem articula para um governo — e não em prol de um projeto pessoal de poder — trabalha para a formação de maioria, de consenso; jamais de hostilidade. Não foi o que se passou na eleição do Senado, da qual Bolsonaro saiu como entrou, sem base de apoio, mas com adversários estabelecidos e mobilizados.

Se a agenda principal do Planalto for mesmo o lava-jatismo e projetar, como programa de governo, quatro anos de expurgos a adversários, tudo certo: o caminho é este e para tanto não se precisará de operação política. Teríamos mais uma jornada de banquete jacobinista, sangue à farta, com o país — aquele que tenta produzir — paralisado. Se, porém, a prioridade for fazer prosperar um projeto estrutural de reformas liberais, começou-se muito mal.

Ser governo e compreender a eleição para o comando de um poder da República como etapa de um processo revolucionário seria apenas burrice não tivesse impacto potencial sobre o pulso econômico de um país que precisa gerar empregos. O governo Bolsonaro, eleito, continuará brincando de revolta dos caminhoneiros até quando?

O presidente da República e o Congresso são expressões do zeitgeistbrasileiro, eleitos sob violento ataque à atividade política e em detrimento da cultura de representação — de negociação, diálogo e composição. Fazer política tornou-se prática delinquente. Afastar-se do exercício político, ativo eleitoral. Todos merecem desconfiança. Todos desconfiam.

Já é palpável o clima pesado no Congresso, mesmo ainda tão recente a legislatura: deputado/senador bandido, sedento por cargos e ciente de que o governo logo necessitará dele, calcula o preço a cobrar e embute a taxa “me desprezou e agora precisa”; e deputado/senador sério ofendido por haver sido tratado como marginal no palanque de criminalização geral do Parlamento sobre o qual Bolsonaro armou um de seus discursos eleitorais mais decisivos — sem interlocução com o governo por cuja agenda reformista gostaria de trabalhar.

Para se ter uma ideia do drama: Rodrigo Maia pode ser o salvador. Mais: terá de ser.

*Publicado no jornal O Globo

 

Uma ideia sobre “O pior Parlamento da história

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>