19:49Marcelão do texto inesquecível

Marcelo Rezende era um excepcional repórter e dono de um texto onde a informação vinha revestida de, vamos lá, poesia, cinema. Esqueçam o apresentador do Cidade Alerta – aquilo era uma representação, mas que lhe deu muito dinheiro e uma fama que começou na Globo. O que conheci, como companheiro da revista Placar, é o que me marcou. Estivemos uma vez juntos, numa reportagem em que ele rodou o país e revelou os “Podres Poderes” do futebol brasileiro – e ele veio para Curitiba depois de receber o material levantado pelo signatário. Na conversa informal e nas entrevistas, dava para sentir o seu poder – de persuasão e investigativo. Era suave, mas incisivo. Conseguia sempre o que queria. Na lembrança da pessoa, ficou a imagem dele pilotando uma moto pela orla do seu Rio de Janeiro – sempre na madrugada silenciosa. Na lembrança do jornalista, na abertura de um longo perfil que fez de Renan Dal Zotto, então a maior estrela do voleibol brasileiro, a descrição do som de uma bola batendo várias vezes numa parede. Era o jogador treinando sozinho – e daí vinha toda uma história de vida contada como sinfomia. Marcelão, apelidado de “tela cheia” por alguns mais venenosos, era, na verdade, um jornalista de mão cheia. Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>