7:50Os gênios estão matando os gibis

por Célio Heitor Guimarães

Como sabem os doze… (já foi quinze, o famoso “Grupo dos 15”, que acabou definhando ao longo do caminho). Mas, como eu dizia antes do oportuno parêntesis, como sabem os doze abnegados que ainda se dão o trabalho de ler estas mal traçadas, fui um leitor voraz de quadrinhos. Aprendi a ler e me fiz gente lendo Monteiro Lobato e Adolfo Aizen, o mítico criador e diretor da Ebal.

Quando criança, lá no Interior, além dos sonhos de ser locutor de rádio, jornalista e advogado, eu embalava um outro: ter um quarto cheio de gibis. Coisa assim como o forte de dinheiro do Tio Patinhas. Hoje, aqui na Capital, tenho e não sei o que fazer dele. Vivesse nos Estados Unidos, terra dos leilões, estaria com o resto da minha existência garantida financeiramente. Não só a minha, como a de meu filho e dos meus netos.

Só para ilustrar: uma família norte-americana ficou milionária ao vender uma coleção de gibis que, nos Estados Unidos, ficou conhecida como D copies e continua gerando lucro para cada comprador que a revende. Outra família salvou a casa hipotecada ao vender seus milhares de revistas em quadrinhos. Um  exemplar de Detective Comics # 27, lançado em 1939, foi arrematado por mais de um milhão de dólares. Uma cópia de Action Comics # 1, de 1938, foi vendida em leilão por US$ 3,2 milhões. Por 2,6 milhões de euros, uma ilustração de Hergé foi comprada na Europa. Mais:The Incredible Hulk # 1, que em 1970 já valia seis dólares, subindo para US$ 65 mil em 2010, estava sendo vendida em 2013 por US$ 105 mil (uma valorização de 40 mil dólares em apenas três anos). Tem cabimento? Para os loucos por gibis norte-americanos e europeus, tem. E olha que eles enxergam o mundo através dos cifrões.

Aqui, a coisa é bem diferente. Tirante os colecionadores, cada vez mais raros, o mercado de quadrinhos fica restrito aos sebos. E cada um pratica o preço que bem estende. Com uma bruta diferença entre os valores de compra e de venda. Um dos mais conhecidos sebos de Curitiba está pedindo R$ 180 pelo Almanaque de Super-Heróis de 1980, R$ 170 por Flecha Ligeira # 3 e R$ 600 pelo Almanaque de O Globo Juvenil de 1948. Mas se você oferecer-lhe esses mesmos exemplares ele lhe dará pouco mais de R$ 10 por cada um, se não preferir comprar o material por lotes, ao preço médio de R$ 4 o quilo…

Passei a minha vida entre as HQs. Também cometi os meus artigos teóricos… E assim fui levando até me tornar septuagenário. Tinha aliviado o pé no acelerador, havia uns 20 anos, mas ainda acompanhava de perto o mercado quadrinizado. Tornara-me mais seletivo, adquirindo apenas alguns poucos títulos que entendia ainda palatáveis. Já reunira uma das maiores coleções do país, que nunca tive a curiosidade de somar, com exemplares desde os anos 50, editados pela Ebal, Rio-Gráfica, O Cruzeiro, Abril, LaSelva, Vecchi, Outubro, GEP, Globo, Bloch, Devir, Mythos, Opera Graphica, Panini, Edioro, Pixel Media…, e ela me supriria a necessidade do resto da vida.

No início de 2014, perdi totalmente a paciência com os editores. Desesperados com a queda do mercado e a concorrência dos games e outras distrações afins, eles enlouqueceram. Aboliram a retícula e passaram a produzir gibis pelo computador; repaginaram os heróis, descaracterizando-os completamente, extraindo-lhes a essência e afogando-os em argumentos imbecis e absurdos, repletos de violência e nenhuma criatividade. Um bom exemplo foi Superman (ou Super-Homem, na minha época), o primeiro grande herói fantasiado dos comics. Já haviam lhe tirado os poderes, condenado ao exílio, transformado em cyborg, em hippie, em mutante e até em presidente dos EUA. Matar, já o tinham matado umas quatro ou cinco vezes. Conseguiram fazê-lo casar-se, enfim, com desesperançada Lois Lane, mas esse casamento foi logo esquecido. Agora, suprimiram-lhe a capa, e a tradicional malha azul e vermelha foi trocada por calças jean, camiseta de mangas curtas e botinas de cadarços… Não resisti: despedi-me publicamente do herói de Krypton.

Outra vítima está sendo O Fantasma (The Phanton), o primeiro personagem mascarado dos quadrinhos. Criado por Lee Falk, nos idos de 1936, não tinha poderes especiais, mas impunha respeito. E era, sobretudo, misterioso. Envergava uma malha justa roxa e habitava a selva de Bengala, entre os pigmeus Bandar. Na garupa do corcel branco Herói, seguido do fiel quase lobo Capeto, botava ordem nas tribos indígenas e combatia piratas, traficantes e a bandidagem de forma geral, marcando os seus queixos com o sinal da caveira. Era o Espírito-Que- Anda”, imortal, mais de 400 anos de existência, cujo rosto ninguém jamais vira, com exceção da esposa Diana Palmer, da qual fora noivo por mais de 40 anos, e dos filhos gêmeos Kit Jr. e Heloise, nascidos em 1978.

De repente, a americana Dynamite Comics resolveu ressuscitar o herói, lançando uma minissérie que está sendo editada no Brasil pela Mythos. Com o título de The Lost Phantom (O Último Fantasma), a editora faz uma releitura do personagem. E o resultado é de doer: o atual Kit Walker, a princípio, recusa-se a seguir a linhagem histórica de seus antepassados, preferindo atuar em uma sala refrigerada da Fundação Jornada, em Manhattan, Nova York. Mas o chamado à origem logo se torna irresistível. E lá vai ele de volta a Bengala, em busca de seu destino. No entanto, a narrativa que se pretende moderninha, resulta confusa e mal estruturada. Pior ainda: com uma criação gráfica (incluindo a do brasileiro Eduardo Ferigato) de fazer chorar. Salvam-se apenas as capas assinadas pelo notável Alex Ross.

Pobre Fantasma! Bem que poderiam tê-lo deixado descansar em paz na Caverna da Caveira…

Quanto a mim, continuo mergulhando, à moda do Tio Patinhas, na minha piscina de gibis que ninguém quer mais.

4 ideias sobre “Os gênios estão matando os gibis

  1. Bittencourt

    Considerado amigo Célio: já nem sei se me admiro mais com os episódios ou com seu texto, ambas as situações prazerosas. Modesto leitor de gibis – perante sua experiência, também me desencantei com publicações, histórias e estórias e até com personagens. Sempre me encantaram os “gestos hipnóticos” do Mandrake, os mistérios do Fantasma, do Cavaleiro Negro – sua identidade como Dr. Robledo era de embevecer, o charme de Nick Holmes, e mais toda a linha Disney e outros.
    Uma das coisas curiosas que levei tempo para saber, foi de o por quê do Fantasma usar roupa roxa em todo o mundo e ser vermelho no Brasil. Pois nos meus anos como jornalista da Bloch Editores, vi que a Gráfica Bloch (lá em Parada de Lucas), imprimia dezenas de títulos para a Abril e outras editoras. Era o velho seu Adolpho fazendo a sua arte. (Ele sempre dizia: “eu sou gráfico”. E era.) Pois na última página dos gibis havia o registro da gráfica. O produto era Abril, mas lá no finzinho estava escrito: impresso em Bloch Editores. Bem, mas foi um gráfico amigo que me explicou a história da roupa do Fantasma. No original era roxo, mas no período pós-guerra (época do lançamento no Brasil), não havia pigmento para a impressão naquela cor. Tinha vermelho: então foi esse mesmo. Não sei se é verdade, mas fiquei com o registro.
    As mulheres também me encasquetavam: Princesa Narda – com o Mandrake, Diana Palmer, com o Fantasma. Não faziam nada, embora Diana fosse enfermeira e antes pesquisadora. Elas só apareciam. Contraste era Honey Dorian, namorada do Nick Holmes, uma modelo que participava das suas ações.
    Mas gibi era, e é, coisa muito séria. Educava, ensinava a ler e sentir a aventura.
    Desculpe se incomodo com minhas observações amadoras, mas era só para manter a prosa.
    Receba, mais uma vez, o abraço do seu colega e admirador,

    Bitte

  2. Célio Heitor Guimarães

    Tenho a impressão que andei cometendo dois erros no texto acima, ao tratar da variação de número e de gênero dos numerais citados: no primeiro parágrafo, devia ser “já foi quinze”, em vez de “já foram quinze”. E no terceiro parágrafo, em vez de “suas milhares de revistas”, devia ter sido escrito “seus milhares de revistas”. Desculpem as falhas do velhinho.

  3. Célio Heitor Guimarães

    Bitte: Você é gente nossa e só me honra com seus comentários. Adolfo Aizen, da Ebal, dizia que quadrinho era coisa para criança. Podia até ser, mas como diz você, era coisa séria, muito séria, porque nos levava ao mundo dos sonhos, nos ensinava, nos abria os olhos e o gosto pela leitura e nos preparava para a vida. Alegava-se que distorcia a mente dos jovens, incentivava a violência… Hoje, diante do que nos oferece a TV, o cinema e os games, a violência dos gibis era coisa de jardim de infância. Sim, a cor usada no Brasil para o uniforme do Fantasma deveu-se ao fato narrado por você. Sempre foi roxo, mas aqui virou vermelho por problema técnico. Agora, para alfinetar os inimigos dos quadrinhos: Mandrake e Narda era um casal de fachada. O caso do mágico era mesmo com o Lothar… O Fantasma pode até ter tido alguma coisa – assim como Batman e Robin – com Guran, dos pigmeus Bandar, mas reabilitou-se e acabou casando com Diana Palmer… Olha, esta conversa poderia durar dias. Um abraço.

  4. Dante Mendonça

    Alguns dos meus heróis das histórias em quadrinhos: Fantasma, Flecha Ligeira, Mandrake, Corto Maltese, Flash Gordon, Nick Holmes, Zorro e o Célio Heitor Guimarães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>