7:23Terrorista aqui não sobe ao pódio

por Célio Heitor Guimarães 

Ao capturar e prender uma dúzia de aprendizes de terrorista, em operação voltada para a mídia, a Polícia Federal e particularmente o atual ministro da Justiça instituíram o terrorismo no Brasil. Valeram-se, para tanto, da proximidade da Olimpíada, marcada para agosto no Rio de Janeiro. Para prevenir ou prevenir-se, saíram na dianteira.

Quer dizer, teria sido uma advertência aos meliantes internacionais. Coisa assim como não vem que aqui tem (vigilância, segurança e reação imediata).

Perda de tempo e dinheiro, além de susto desnecessário. O Brasil não tem terroristas nem os terá. Aqui, eles não se criam. Muito menos no Rio de Janeiro. E se o leitor duvida, relembro o ocorrido algum tempo atrás, após a derrubada das torres do World Trade Center, em Nova York.

Entusiasmada com a tragédia cometida, a Al Qaeda, de Osana Bin Laden, resolveu repetir a façanha no Brasil. O alvo seria a estátua do Cristo Redentor, no Rio. E, para tanto, foram destacados dois mujahedins, que deveriam sequestrar um avião e lançá-lo contra “a estátua-símbolo dos infiéis cristãos”. Os arquivos da Polícia Federal dão conta de que os dois terroristas chegaram ao Rio no domingo, 5 de setembro, às 21h47m, num voo da Air France.

Entretanto, a missão começou a sofrer embaraços já no desembarque dos elementos, quando a bagagem deles foi extraviada, seguindo para o Paraguai. Após quase seis horas de peregrinações por guichês, os dois foram aconselhados por funcionários da Infraero a voltar no dia seguinte, com um intérprete.

Os terroristas tomaram, então, um táxi pirata na saída do aeroporto. O motorista, vendo que eram estrangeiros, rodou duas horas, até abandoná-los num lugar ermo da Baixada Fluminense. Ali, eles foram assaltados e espancados, e obrigados a pegar carona num caminhão de entrega de gás.

Na segunda-feira, às 7h33m, graças ao treinamento de guerrilha no Afeganistão, os terroristas conseguiram chegar a um hotel de Copacabana. Alugaram um carro e voltaram ao aeroporto, determinados a sequestrar logo um avião e jogá-lo no Cristo Redentor. Só que uma manifestação monstro de estudantes e professores paralisou-os por três horas na Avenida Brasil, altura de Manguinhos, onde seus relógios foram roubados em um arrastão.

Às 12h30m, resolveram ir ao centro da cidade e procurar uma casa de câmbio para trocar os dólares que lhes restaram. Receberam notas de R$ 100 falsas, dessas feitas grosseiramente de notas de R$ 1.

Às 15h45m, chegaram finalmente ao Tom Jobim. Os pilotos da Gol estavam em greve por mais salário e menos trabalho. Os controladores de voo também haviam parado (queriam equiparação com os pilotos). O único avião na pista era um antigo, da Transbrasil, que estava sem combustível. A PM chegou em seguida, batendo em todos, inclusive nos terroristas. Os árabes foram conduzidos à delegacia da Federal no aeroporto e acusados de tráfico de drogas – haviam plantado papelotes de cocaína nos seus bolsos.

Às 18h02m, graças a um resgate de presos pelo Comando Vermelho, os muçulmanos conseguiram fugir. Às 19h05m, ensanguentados, dirigiram-se ao balcão da TAM para comprar as passagens. Mas o funcionário que as vende omitiu a informação de que os voos da companhia estavam suspensos.

Às 23h30m, sujos e mortos de fome, eles decidem comer alguma coisa. Pediram sanduíches de churrasquinho com queijo de coalho. Só na terça-feira se recuperaram da intoxicação de proporções equinas. Aí, foram levados ao Miguel Couto, onde esperaram mais de cinco horas por socorro.

Deixaram o hospital no domingo, 18h20m. O Flamengo acabara de perder de 6×0 para o Paraná Clube. A torcida rubro-negra confunde os terroristas com integrantes da galera paranaense e lhes dá uma surra sem precedentes. Um tal de “Pé de Mesa” até abusou sexualmente deles.

Na segunda-feira, os terroristas fogem do Rio escondidos na traseira de um caminhão de eletrodomésticos, que é assaltado na Serra das Araras. Chegam a São Paulo, onde, depois de perambularem o dia todo à procura de comida, acabam adormecendo debaixo de uma marquise de loja.

A PF não revelou onde os dois foram internados, depois de espancados quase até a morte por um grupo de mata-mendigos. Mas há notícia de que, assim que deixaram a UTI, foram recolhidos ao setor de imigrantes ilegais, em Brasília, até que o Ministério da Justiça autorizasse a deportação dos infelizes.

Nada mais se soube dos desventurados agentes do terror. A não ser que conseguiram enviar uma urgente mensagem à comunidade internacional de terroristas, alertando a categoria da necessidade de ficar o mais longe possível do Brasil.

6 ideias sobre “Terrorista aqui não sobe ao pódio

  1. Solda

    Liga não, Célio. Comentários eu só ouvia na Rádio Bandeirantes, do Vicente Leporace, “O Trabuco”,
    lembra? Bons tempos, hein, apesar de tudo!

  2. Ivan Schmidt

    Caro Célio Heitor, você hoje está literalmente tomado pelo “espírito” de Stanislaw Ponte Preta e produziu uma peça antológica… Parabéns!

  3. rogerio distefano

    Concordo com tudo, até acredito que aconteça tudo isso. Mas o Paraná Clube perder de 6×0 para o Flamengo é uma monumental infâmia. O tricolor da Vila está confortável e glorioso na série B.

  4. Célio Heitor Guimarães

    Rogério, Rogério!!! Leia de novo! Foi o Paraná Clube que deu de 6 no Flamengo!!!
    Ivan, amigo velho: a peça infelizmente não é minha. Eu apenas dei uma garibada nela para adequá-la à Olimpíada que chega.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>