15:43A Marcha da Maconha

Do jeito que veio, para ampliar o debate:

Bloco de mães de crianças autistas pauta uso medicinal na Marcha da Maconha Curitiba 2015. 

Nesta 8ª Marcha da Maconha Curitiba, lutamos pelo fim da violência e pela construção de uma cultura de paz. Caminha conosco o Bloco da Maconha Medicinal, com presença das mães e das crianças com autismo que sofrem convulsões crônicas, tratadas com o canabidiol (CBD), uma das substâncias ativas encontradas na planta. 

Outro bloco é o Batucannabis, que vai dar o tom desta Marcha com paródias carnavalescas como a da clássica Mamãe Eu Quero: “Planta filhinho do meu coração, quebra a violência e a corrupção. Eu tenho a solução, que é tornar legal: pra quem quiser fumar, plantar maconha no quintal”. Na sequência do batuque, segue a marcha pelo fim proibição como política de drogas e, é claro, da Guerra às Drogas.

Entre 2011 e 2014, Governo Federal gastou R$ 3,6 Bilhões com repressão. O Governo do Paraná, R$ 6,3 Milhões somente em 2014. Os dados do Ministério da Justiça e da Secretaria de Estado de Segurança Pública revelam o lucrativo mercado que a proibição cria para a indústria bélica. Além de delegar ao crime organizado todo o comércio das drogas, varejo e atacado. “Eu não tinha consciência da gravidade dessa questão das drogas e do que ela significava como tenho hoje. E, no Brasil, a consciência média na época era de que isso se resolvia com a ação policial. Mas nada funcionou. Eu não vi isso. Errei”, afirmou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ainda em 2011 – ano em que o STF reconheceu em decisão unânime que pedir a mudança de lei criminal não constitui apologia ao crime.

8ª Marcha da Maconha Curitiba
Data:
 31 de maio de 2015
Concentração: 15:00
Partida: 16:20
Local: Boca Maldita

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>