10:06Conchavos jurídicos rondam o Supremo

Do site Espaço Vital

É prerrogativa do presidente da República indicar os ministros do STF que devem possuir “notório saber jurídico” e “reputação ilibada“. Esse rito está sendo desvirtuado.

Desde o mensalão, os candidatos a uma cadeira no STF passaram a fazer política e a negociar acordos para assumir o posto. A disputa pela vaga aberta com a aposentadoria de Joaquim Barbosa, em julho passado, reabriu a triste temporada de conchavos, com muitos aventureiros tentando sua sorte jurídica na roleta política.

Dilma Rousseff já examinou nomes como o vice procurador eleitoral Eugênio Aragão, o professor da USP Heleno Torres, o presidente da OAB nacional Marcus Vinícius Coelho e os professores paranaenses Clemerson Merlin e Luiz Edson Fachin.

Também avaliou o currículo dos ministros STJ Luiz Felipe Salomão e Mauro Campbell e do TST Maurício Godinho.

Com o enfraquecimento da presidente em razão da crise com o PMDB, a anuência do presidente do Senado, Renan Calheiros (investigado na Lava Jato) tornou-se decisiva para a escolha – vejam só!

A Constituição determina que os indicados para o STF sejam sabatinados publicamente pelo Senado. Desde 1988, nenhum candidato foi reprovado.

Parece que o péssimo hábito de conchavar longe dos olhos e ouvidos da nação vai definir o novo integrante da corte constitucional brasileira.

Uma ideia sobre “Conchavos jurídicos rondam o Supremo

  1. leandro

    Esse tal de “notório saber jurídico” que é o problema nem todos tem essa qualidade e mesmo assim estão lá, atualmente um dos predicados é ser amigo da corte, advogado do partido e pronto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>