20:23A força e a lorota

Possuímos, segundo dizem os entendidos, três poderes – o Executivo, que é o dono da casa; o Legislativo e o Judiciário, domésticos, moços de recados, gente assalariada para o patrão fazer figura e deitar empáfia diante das visitas. Resta ainda um quarto poder, coisa vaga, imponderável, mas que é tacitamente considerado o sumário dos outros três. [...] Aí está o rombo da Constituição quando ela for revista, metendo-se nele a figura interessante do chefe político, que é a única força de verdade. O resto é lorota.

de Graciliano Ramos, em artigo de 1915 para o Jornal de Alagoas

Uma ideia sobre “A força e a lorota

  1. Zangado

    Na veia, como cumpre ao velho Graça.
    O compadrio entre os poderes – vergonhoso, escrachante, sem nenhum constrangimento – entre os males do Brasil estão, sobressaindo-se aí o Paraná.
    Enquanto a sociedade se portar como súdita submissa dos “donos do poder”, os detentores de cargos e mandatos públicos, nada mudará nesse quadro.
    A República não existe para a sociedade, existe para a politicagem e para os detentores de cargos e mandatos públicos.
    E quem outorga cargos emandatos públicos ao enorme Leviathan público – a sociedade, a cada dois anos com possibilidade de reeleição – e não desconfia que nesse jogo o mico sempre tem ficado na sua mão.
    Até quando gente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>