8:38PARA NUNCA ESQUECER

Em pé, da esq. para dir.: Djalma Santos, Zito, Gilmar, Zózimo, Nilton Santos e Mauro; agachados: Garrincha, Didi, Vavá, Amarildo e Zagallo*

Com oito anos de idade o menino sabia que aquele 17 de julho de 1962 tinha sido importante para alma do povo, do seu povo, daquele bairro. Durante os noventa minutos de uma partida de futebol jogada numa país distante, cujos lances chegavam pelas ondas do rádio, algo que ele não entendia, mas achava mágico, as jogadas do escrete canarinho, como lera numa capa da revista Cruzeiro, era descrito jogando bola contra a Tchecoslováquia pela voz de Pedro Luis, na rádio Bandeirantes. Brasil está vazio na tarde de domingo, alguém cantou anos mais tarde. O céu era de um azul anil de hino. E foram três gols contra um. E Mauro Ramos de Oliveira repetiu o gesto de Bellini quatro anos antes, na Suécia. E ali estavam em campo os deuses da primeira conquista mundial, menos o Rei, cuja contusão deixou o país inteiro sob suspense. Será que vai dar sem Ele? Mas havia um outro Rei, o das pernas tortas, o Mané, o Garrincha, o brasileiro mais brasileiro e humilde que já atravessou todos estes campos e era a alegria em forma de drible, era a nossa alegria – e por isso mesmo foi embora soterrado pela doença ainda incompreendida, a da dependência do álcool. Mas esse menino fez aquilo que a gente sempre ouve hoje no clichê clássico de comentaristas, narradores e repórteres esportivos: assumiu para si a responsabilidade. Hummmm. Garrincha saiu da ponta direita, seu território demarcado, para mostrar que era gênio chutando de esquerda, cobrando falta, entrando pelo meio, dando passes, enfim, ele foi o homem que ganhou a Copa do Mundo, para usar outro clichê, como fariam depois Pelé em e Maradona, classificados na categoria gênios da bola como ele. O menino lembra do terceiro gol, que depois viu no videotape da TV Tupi: Zito subindo embaixo do gol para aparar a bola cruzada da esquerda, com a classe que Deus lhe deu. E havia Djalma Santos, Nilton Santos, mestre Didi, o guerreiro Vavá e ele, Zagallo, eterno. No fim do jogo, o menino saiu à rua com sob o barulho dos fogos e viu a cena que jamais esqueceria pelo resto da vida: o céu não estava mais azul, mas multicolorido de balões até onde sua vista alcançava naquela festa que só a bola pode proporcionar a todo um povo.

*Todos os jogadores da conquista no Chile :

GoleirosGilmar (Santos) e Castilho (Fluminense).
LateraisDjalma Santos (Palmeiras), Nílton Santos (Botafogo), Jair Marinho (Fluminense) e Altair (Fluminense).
ZagueirosMauro (Santos), Bellini (São Paulo), Zózimo (Bangu) e Jurandir (São Paulo).
Meio-campistasZito (Santos), Didi (Botafogo), Zequinha (Palmeiras), Mengálvio (Santos).
AtacantesGarrincha (Botafogo), Zagallo (Botafogo), Vavá (Palmeiras), Pelé (Santos), Jair da Costa (Portuguesa de Desportos), Coutinho (Santos), Amarildo (Botafogo) e Pepe (Santos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>