18:40O ANJO

de Jorge Luis Borges

Que o homem não seja indigno do Anjo
cuja espada o protege
desque que o gerou aquele Amor
que move o sol e outras estrelas
até o Último Dia em que ressoe
o trovão da trombeta.
Que não o arraste a vermelhors bordéis
nem aos palácios que erigiu a soberba
nem às tavernas insensatas.
Que não se entregue à súplica
nem ao ultraje do pranto
nem à fabulosa esperança
nem às pequenas magias do medo
nem ao simulacro do histrião;
o Outro o observa.
Que lembre que jamais estará só.
Ou no público dia ou na sombra,
o incessante espelho o confirma;
que não macule seu cristal uma lágrima.

Senhor, que até o fim de meus dias sobre a Terra
eu não desonre o Anjo.

2 ideias sobre “O ANJO

  1. Jango

    Borges, o imenso Borges.
    Não conhecia, embora, creio já ter lido toda a obra de Borges.
    Suas citações, aliás, primam sempre pela qualidade.

    Ze Beto, por gentileza, onde encontrou este poema de Borges ?

    Antecipadamente agradeço.

  2. zebeto

    Na herança de Manoel Carlos Karam. As “Obras Completas” ficaram para a dona Sonia. Foram publicadas pela Editora Globo em 1999. O Anjo é do livro “A CIFRA”, publicado em 1981. Nestas “Obras Completas”, o texto está na página 358 do terceiro volume.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>