17:59Rigidez

Sombras
Todos têm seus dias ruins e até isso serve de inspiração. Viver é a suprema obra-prima da arte.

“Conheço minhas limitações, e esta convicção é minha força”
Mahatma Gandhi

Eu vou arriscar.
Vou arriscar ficar deitada
E ouvir o som dessa estrada
Que deságua no teu fim
Eu vou chorar por não ter nada
Mas vou corar envergonhada
Por ter tudo que quero em mim
Sonhar que durmo desancorada
Que já não estou mais tão cansada
Para tentar chegar a um começo que não tem fim
Sou a forja desencantada
Na fossa do quase nada
Que despenca no fervor do sim
Sou a dor desacordada
Que cala a morte alienada
Pelo soluço de um credo no ruim
Sou a luz refletida na água
Pasma e virgem assanhada
Que não sabe a flor de seu jardim
Trauma de asa quebrada
Choro o pranto da lua acuada
Pelas ideias do sol que ressoam em mim

de Ticiana Vasconcelos Silva (http://paradoxodoser.blogspot.com/)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>