18:31Aconchegar

      Aconchegar-me em seu peito,
      como se protegido por asas, eu quero.
      Faz frio, a noite é abissal e ameaçadora,
      mas seu abraço é todo suavidade e acolhimento.
      Deixa-me ficar assim feito forasteiro
      encolhido entre lenhas, fogão e cinzas,
      sonhando com dias de caminhos percorridos.
      Prometo não volver meu olhar ao seu,
      ficarei quietinho na amplidão da madrugada,
      no líquido dos sonos,
      respirando à beira dos segredos,
      indiferente à eternidade que rola nas cachoeiras do céu.
      Tudo o que peço é ficar aqui, próximo do coração
      e da alma,
      acariciando com mãos de esquecimento
      a maciez do repouso.      

       de Zeca Corrêa Leite

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>