18:15HORÓSCOPO

por Osman Gadoso

Capricórnio

O amigo foi embora para sempre como quem vai ali na padaria e não volta mais. Ele estava longe quando recebeu a notícia. Sabia que um dia ela viria, pois era irreversível a doença. Dias antes esteve no apartamento vendo as obras que o rapaz produziu nos últimos tempos, ele que era mestre das palavras e tinha descoberto a xilogravura e pintura. Chamou a atenção vários crucifixos em releitura de Salvador Dali. Lembrou do diário que um dia o conterrâneo do mestre lhe emprestara. Voltou à cidade que já não tinha mais o amigo, mas por essas coincidências da vida, passava sempre em frente à sua casa. Então, começou a vê-lo em esquinas, bares, na arquibancada do campo de futebol, no restaurante, no calçadão. Rostos parecidos, de várias idades, e ele conhecia bem porque há trinta anos tinha abraçado amizade por amizade. Descobriu então que o outro não foi. Que as pessoas não vão. Apenas de diluem nas que estão por aí.

2 ideias sobre “HORÓSCOPO

  1. ruth bolognese

    Zé,
    Eu passei anos e anos “vendo” o Julio Alípio por aí, em aeroportos, escadas, na rua, até no cinema. Era um instante, um segundo apenas e a imagem se desfazia. Agora, começo a “ver ” o Franco, de perfil, de costas e até caminhando em minha direção. Concordo com você que as pessoas permanecem nas outras, mas acho que é saudade também, vontade de encontrar, contar as novidades, trazer de volta mesmo.
    Beijos mil,ruth

  2. zebeto

    Ruth, o meu grande amigo Julio Alípio eu vejo em estrada, depois de uma curva, numa reta, nas nuvens, numa paisagem. Acho que ele diz pra mim que está bem e tranquilo como as coisas que me trazem sua lembrança. Beijo. Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>