18:42ZÉ DA SILVA

Um corpo que cai da torre negra. Alfred Hitchcok e Stephen King, quem diria, acabaram no subúrbio – e não era Irajá. O bombardeio sempre é de dentro pra fora – e saem pelos dedos para desafiar o espaço em branco da tela de 26 polegadas. Na saída do banheiro minúsculo no quintal do cortiço aconteceu a queda. Um passo em falso depois de puxar a descarga e abrir a porta com aquelas frestas por onde se olhava as meninas e as mulheres adultas – sempre na escuridão da noite do lado de fora. O rodopio fez a cabeça ir direto para o piso de cimento áspero. O topete de bode quase pulou fora. A dor… a dor… Foi a partir daí que se instalou na alma o lado escuro da vida – e o mundo encantado da criança que ainda usava calça curta se foi. Sobrevivente, anos depois tive certeza de que ali, no abismo de rosas, caí nos espinhos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>