8:37Velas para Lula e a esquerda no escuro

por Vinicius Torres Freire

A pichação velha diz “R$ 3,20, jamais”. Está lá desde junho de 2013, no cruzamento da avenida Paulista com a rua da Consolação, centro de São Paulo. Era um mote contra o aumento de vinte centavos das passagens.

O “pixo” tem efeito hipnótico. Sempre me faz perguntar que fim levou tudo isso. Nesta semana, me lembrou dos secundaristas que ocupavam escolas em protesto contra a reforma do ensino médio, a PEC do teto de gastos etc. Quanto tempo faz isso? Dois, três anos?

Faz apenas um ano, neste outubro. A greve grande de abril, contra a mudança na Previdência, parece igualmente remota. Ajudou a plasmar a péssima imagem pública das reformas e a assustar parlamentares, que assim arrumaram um pretexto quase final para não bulir com as aposentadorias. Desde então, a esquerda entrou de vez em coma, no hospício ou fugiu para as montanhas.

O movimento dos secundaristas virou fumaça, como se esvaneceram no ar os jovens do MPL, Movimento Passe Livre, o dos vinte centavos, que riscou o fósforo na casa cheia de gás sem cheiro que era o junho de 2013.

Em outubro, os secundaristas ocupavam mil escolas pelo país, a maioria no Paraná. O movimento pipocava desde o fim de 2015, quando estudantes paulistas tomaram umas 200 escolas, derrubaram um secretário da Educação e o prestígio de Geraldo Alckmin. A história, porém, não poderia render nem rendeu mais do que autocongratulações esquerdistas iludidas sobre o renascimento do movimento estudantil e louvações do idealismo renovado da “garotada”, essas cafonices.

As centrais sindicais tentaram reviver a greve de abril nos meses seguintes, o que deu em grande fiasco. A reforma trabalhista passou sem um pio das ruas. Os sindicatos ora se limitam a pedir um capilé a Michel Temer, a volta de alguma contribuição sindical. As centrais se tornaram o Centrão do que um dia foi o movimento dos trabalhadores.

Os trabalhadores se viram. Em 2016, houve mais de 2.000 greves, segundo o Dieese, inédito desde FHC 1. As paralisações haviam minguado para 400 ao ano sob Lula e voltaram a crescer em 2010.

Nos tempos idos da alegria petista, até 2013, a maioria das greves reivindicava reajuste de salário. No ano passado, a maioria cobrava salários atrasados. No entanto, mal se ouviu falar dessas greves de 2016, mesmo da boca de sindicalistas. Para espanto de gente com ideias antigas, a esquerda se divorcia do trabalho.

O PT, entre a rua do hospício e a praça da cadeia, passou os meses recentes a bajular o ditador do horror venezuelano, Nicolás Maduro, e no mais limita a Lula lá sua esperança de evitar ruína ainda maior nas eleições de 2018. Seus parlamentares negociam acordões, como a reforma política salafrária.

Amigos abnegados da militância de esquerda contam que coletivos de periferia e outros movimentos novos estão vivos, embora pequenos, mas se articulando, evoluindo nos casulos para emergirem depois do fim do período de trevas, quem sabe em meia dúzia de anos. Por ora, parecem mesmo na periferia, à margem.

Do centro à extrema-direita, articulam-se novidades ou a ressuscitação de frankensteins das trevas do inferno. A esquerda oficial acende velas para seu morto vivo, Lula. No mais, escuridão.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Uma ideia sobre “Velas para Lula e a esquerda no escuro

  1. Sergio Silvestre

    Então,olhe a situação do estado brasileiro,o executivo e refém do legislativo,que são reféns do judiciário.
    Criou-se no Brasil um vicio que só com uma revolução para acabar,e para governar com um monte de bandidos no legislativo ,estados e união foram obrigados a ceder cargos e através desses cargos com testas de ferro de deputados foi criado uma irmandade para roubar,.
    E ai que entrou o judiciário,que a medida que os crimes eram cometidos,eram cada vez mais gordos seus contra-cheques,muitos escandalosos,e ai ficou fácil para os contraventores,quando um juiz da um espirro é aumentado alguma coisa para eles e assim formamos uma elite nababa que se viver até os 100 anos vai ter um salário bem melhor do que ganhar varias megas -senas,esses justiceiros de araque que só prendem pretos ,putas e petistas vão enganando nós como essa prisão do Cunha que para mim ele está num SPA se protegendo para não ser assassinado pelos próprios bandidos da sua quadrilha.
    Então,como vamos consertar essa esculhambação,vamos ficar com o pote de vaselina ou deixar o ferro entrar a seco,por que isso aqui os 200 milhões só cataram as migalhas desse Eldorado,mas uma pá de vagabundo,vendilhões da nação vaõ ficar ai rindo da nossa cara enquanto nos se matamos para pegar as sobras que nos jogam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>