7:32Vargas e a festa do bode

Do analista dos Planaltos

Vargas Llosa, grande romancista peruano, escreveu “A Festa do Bode”, sobre a morte de Rafael Trujillo, generalíssimo, ditador da República Dominicana. André Vargas, político petista brasileiro, protagonizou outro tipo de festa: a do bode expiatório.

O bode expiatório é uma tradição judaica. O sacerdote colocava as mãos sobre a cabeça do animal e confessava os pecados do povo. O bode, devidamente “carregado”, era enxotado para o deserto levando consigo os pecados de toda a gente.

André Vargas virou o bode expiatório dos pecados de muita gente do PT. Foi escorraçado para o deserto, perdeu a legenda e continua sendo perseguido pelos antigos correligionários, que agora querem também cassar seu mandato.

Que Vargas serviu de bode expiatório é evidente. O caso mais flagrante é o de Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, sem o jamegão dele, aquela laranjada, de produzir Viagra genérico para o governo no Labogen, jamais prosperaria.

Pois enquanto Vargas vagueia pelo deserto, expiando os pecados do PT, sem partido, perseguido pelos petistas, Padilha vende saúde política.

Uma ideia sobre “Vargas e a festa do bode

  1. m.n.

    Talvez bode expiatório não seja a expressão exata. O “bode”, do Antigo Testamento, pagava pelos pecados dos outros. Vargas está pagando pelos seus próprios (e muitos) pecados, com o detalhe que leva a reboque o dos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>