9:37Um dia de trabalho para manter Temer

por Elio Gaspari

Poucas vezes um troca-troca da política esteve tão claro, envolvendo uma mercadoria perfeitamente quantificável. A ideia é tomar um dia de trabalho dos brasileiros para custear votos de deputados capazes de segurar Michel Temer no Planalto.

Pelo projeto de reforma trabalhista, vai ao lixo o velho imposto sindical, instituído em 1937. Trata-se da tunga de um dia de salário dos trabalhadores formalizados, destinada a cevar a máquina da unicidade sindical na qual está incrustada uma casta de pelegos. A reforma aboliu o caráter de confisco dessa “contribuição”. Se o cidadão quiser contribuir para o sindicato, passará a fazê-lo por livre vontade.

Graças a esse imposto há em Pindorama 11 mil sindicatos de empregados e patrões, todos aninhados às arcas da Viúva, de onde saem R$ 3,5 bilhões anuais.

Precisando de votos para se safar da deposição, o governo de Michel Temer namora a ideia de anestesiar o fim desse imposto, baixando uma medida provisória que adie sua extinção. Negocia escondido com as centrais sindicais. Seriam uns 30 votos.

Nessa manobra, a bancada do PSDB fica escalada para um triste papel. Os tucanos defendem a reforma trabalhista em nome da modernidade e dos diplomas universitários de seus mestres-banqueiros.

Primeiro, eles defenderam limitações na farra das isenções tributárias para entidades que se dizem filantrópicas. Saíram de fininho. Chegaram a flertar com a ideia de mexer na caixa preta do Sistema S, cuja mordida custa algo como cinco impostos sindicais. Medraram, porque ali mora o sindicalismo patronal. Querem levar o Brasil para o século 21 sem tirar o pé do cofre da primeira metade do 20.

Mais uma oportunidade para se recordar os versos do poeta Cacaso:

“Ficou moderno o Brasil
Ficou moderno o milagre
A água já não vira vinho
Vira direto vinagre.”

*Publicado na Folha de S.Paulo

2 ideias sobre “Um dia de trabalho para manter Temer

  1. Sergio Silvestre

    Essa quadrilha não são bandidos comuns,bandidos comuns são pegos ,julgados e presos esses outros alem de roubar ,matam milhões por falta de leitos e remédios,são piores traidores que Silvério dos Reis por que vendem o Pais por migalhas para estrangeiros e depois vão ter seus nomes em rodovias ,pontes e logradouros,seus nomes serão lembrados por um povo que não ligou de serem roubados,lamberam o sal com água,seguiram o tocador de berrante e desfrutaram desse lindo Universo ,não com a dadiva do Pais que é maravilhoso e acolheria seus filhos com fartura,mas arrochando suas vidas desde pequenos em escolas indecentes com professores mal pagos,a vida miserável em periferias ,quando muito uma casinha que levará a vida toda para pagar ,isso se não for despejado e voltar a favela.
    Os bandidos nababos,com grandes fortunas acumuladas com a politica e outros que se tornam milionários do serviço publico ,num concurso as vezes patrocinados pela prova oral ministrada por outro pilantra juiz que vai escolher o filho do seu amigo para essa mega-sena premiada que é ser procurados,desembargador o juiz no Brasil.
    Ai se funde justiça e politica,a politica da-lhes tudo e eles burlam as leis para manter os esquemas,enquanto vão enfiando na goela abaixo do povo uma verdadeira forma assintosa de cobrar tantos impostos para manter essa camarilha.
    Assim caminhamos,quietos,doceis,com exceção de alguns lutadores anônimos que pregam no deserto.
    POBRE POVO BRASILEIRO.

  2. Zé Mané

    Quem vai salvar o presidento é quem mais o quer fora do cargo. No desespero de agradar o 51 e a sua quadrilha ele desagradou até deputados que não tem o presidento no coração. E o presidento deve estar dando ótimas risadas, já está contando quantos deputados o Janto ferrou, e não foram poucos. E estes não poucos deputados vão garantir ao presidento os votos que vão garanti-lo no trono até o fim de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>