6:01RISCO DE VIDA

de Fernando Muniz

O garotinho se debatelevado pela correnteza, naquela manhã em que o céu limpo e o sol de primavera convidam ao nado. 

Ali as marés são traiçoeiras. As pessoas se confundem com a calmaria da praia e, de repente, o mar arrasta até o nadador mais experiente.

O desespero dos pais chega aos ouvidos dela. Moradora do lugar, conhece a praia desde menina. Sabe que as chances do garoto são mínimas. Em poucos minutos será engolido e o corpo só vai aparecer lá na barra, ao final do dia. Isso se não engatar em alguma pedra. Já viu isso acontecer. 

Começa a juntar gente. Alguns trazem água para a mãe, que desmaia. O pai, fora de forma, resolve ir atrás do garoto. É impedido por dois passantes, que o consolam. O homem é a expressão da impotência e da agonia. Alguém resolve entoar uma reza.

Ela limpa a areia grudada no corpo, pega o pé de pato, os óculos de natação, uma pequena prancha de isopor e entra no mar. Sem hesitação ou medo; sem conhecer o garotinho ou os pais e ciente que o risco de morrer é enorme, apesar de ser campeã de natação.

Deixa a correnteza levá-la. Olha para a praia, coalhada de pontos pretos. Não escuta mais o burburinho, muito menos prédicas ou homilias. Só ouve o mar, sereno. 

Toma fôlego e chega ao menino. 

E afundam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>