9:57PENSANDO BEM…

ROGÉRIO DISTÉFANO

Afinidades eletivas Quando menos velho e mais ignorante usava a expressão para impressionar as mulheres. Ao olhar de surpresa ou de falsa compreensão delas, completava: ‘É que gostamos das mesmas coisas, tanto temos em comum’. No iludido imaginário masculino achava que naquela rede colheria sereias, quando as sereias é que o pescavam, quando pescavam. Ele era mais ignorante porque ainda não sabia que a expressão tem dono, coisa de séculos, o livro de Goethe sobre o casal em que cada parceiro se apaixona pelo parceiro correspondente de outro casal – isso tem nome em brasileiros, vocês sabem muito bem.

Ele não leu o livro, sob desculpas rotas e esfarrapadas. Teria que ser no original, as traduções brasileiras são péssimas. Bem que tentou aprender alemão. Mas a vida é curta demais para aprender alemão, disse Oscar Wilde. Tem o problema dos verbos, metade no começo, metade no fim da frase. Falar alemão é como nadar: o sujeito sobe ao trampolim, berra o começo do verbo, mergulha e vai pegar o resto ao emergir, no outro lado. Goethe, o Instituto, tem registro de que ele tentou falar alemão por causa dos netos alemães. Desistiu. Cabe aos netos aprender português, exige a disciplina alemã. Porém os pequenos boches sacripantas do português só falam palavrões – ou schimpfworte, na língua de Goethe.

Ele relembra as afinidades eletivas com a ex-namorada, depois mulher e avó dos pequenos boches, nada de sacanagens goethianas. Assim foi até que ela passou a receber Sérgio Moro e Édson Fachin em casa – no sentido virtual, claro. Ali as afinidades eletivas, se não ruíram, enfrentam tentação tão grande quanto as do Goethe real. Cinema, literatura, viagens, longas caminhadas, conversas, música, perderam lugar para Lava Jato, impiche, grampos. Ele continua a olhar para trás, as intrigas do século 13, as tramas do papa Honório contra o imperador Frederico, as cruzadas, as da história e as da revistinha, nada do presente lhe interessa. Ela vive a neurose do amanhã, teme que o exibicionismo tire a autoridade de Moro e que Fachin vacile no terçar com “aquele gênio do mal, o Gilmar Mendes”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>