7:15Oberlan Rossetim

O que emana quem ama?
O que exala a boca que diz? E a que cala?
E quando os medos dão uma surra no futuro?
Quem achou que perdeu, ganhou e nem percebeu?
E este teu coração, em formato de lábios?
Por que as palavras, ao vento, não secam como folhas?
E por que há sentimentos secos?
Por que a alma do poeta é burocrática, querendo sempre ser palavra, de forma sistemática?
Por que a árvore brinca a vida inteira de estátua de madeira?
Que mal a folha que secou fez ao vento?
Por que as coisas precisam ser o que são, assim sendo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>