8:27O fim da função de cobrador no transporte coletivo

por Claudio Henrique de Castro

A anunciada medida que determina o fim da função de cobrador no transporte coletivo de Curitiba é discutível.

Seguem alguns pontos para a discussão a respeito do tema:

- O valor da tarifa deve ser reduzido pois o custo da função dos cobradores deve impactar a planilha de custos do transporte coletivo?  E esta redução vai ser repassada aos passageiros? Quem realmente lucra com isto?

- Esta pretensão vai alterar novamente os contratos das concessões do transporte coletivo? Isso é possível?

Toda ação coletiva desta magnitude tem impactos sociais. Este processo deve ser gradativo e assegurar as indenizações legais e compensações, sempre às custas dos empresários donatários do transporte coletivo. Também deve assegurar a migração das funções com um programa de demissões voluntárias e a formação de cursos para reinserção desses trabalhadores em novos mercados de trabalho. Isto está sendo feito?

Quem pagará a automatização? Será licitado? Quais projetos se apresentaram na mesa do debate e, principalmente, como será o controle seguro da bilhetagem para evitar fraudes?

Como ficam passageiros que são de fora da cidade ou usuários esporádicos? Tem que comprar o cartão apenas para pouquíssimas viagens?

O argumento da segurança pública que é função dos empresários e da Administração Pública pode fazer rever todo o transporte coletivo?

O motorista tem condições seguras, psicológicas e funcionais de exercer a dupla função de auxiliar na catraca, conversar com passageiros sobre algum problema no cartão e dirigir com atenção e preparo suficientes para cumprir o itinerário com eficiência?

Esta redução foi discutida com a sociedade e, principalmente, com os usuários do transporte coletivo?

A bilhetagem e a gestão dos cartões de transporte serão dadas para o mesmo grupo que controla o transporte coletivo? Não há um conflito de interesses nestas funções?

Os passageiros serão realmente beneficiados com essa “praticidade” e “evolução”?

Para refrescar a memória: a quantas andam as discussões sobre o metrô e todas aquelas promessas de campanha de dois anos atrás?

Tomar medidas que impactam e prejudicam milhares de pessoas e suas famílias, inclusive os mais humildes, não pode ser a regra na Administração Pública brasileira, até pelo preceito constitucional da garantia do pleno emprego.

O lema “mais tecnologia” não pode desconsiderar os seres humanos, pois não vamos construir uma cidade solidária e próspera sem respeitar as pessoas e seus empregos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>