7:39O estrangulamento das livrarias

por Ruy Castro

Há 20 anos, as lojas de discos, centenário ramo de comércio dirigido às pessoas que gostavam de música, começaram a sofrer vários ataques. Um deles, ainda remoto, era a possibilidade de se capturar no ar um hit das paradas dispensando o disco físico —o streaming. Outro, já mais do que real, era o do comércio eletrônico. A ideia de encomendar pela internet um lançamento em CD a preço muito menor que o da praça, menor até do que o preço de custo, e ele ser entregue na sua porta era irresistível.

Por que a Amazon, líder desse gênero, faria isto? Porque, para ela, os discos eram uma isca para atrair clientela e levá-la aos outros 200 mil artigos da sua verdadeira base, que vai de celulares e ear phones até tratores e caminhões. As pequenas lojas de discos não tinham como competir e fecharam. E a implantação do streaming foi a pá de cal nas megalojas, como as internacionais Tower, Virgin e HMV e a nossa Modern Sound.

Certo, o mercado dita as regras e dane-se o avião, mas quem ganhou com isso? A música é que não foi. Milhões de pessoas não se adaptaram à nova tecnologia e deixaram de ter CDs para comprar. Com isso, ou se contentam em ouvir os discos que já têm ou vão para a praça jogar damas com os amigos.

O mesmo se dá hoje com o mercado de livros. O comércio eletrônico oferece os lançamentos com descontos de tal ordem, 50 ou 60 por cento, que as livrarias físicas não têm como competir. Não que esse comércio queira perder dinheiro —ao contrário, os best-sellers que ele vende a preço abaixo do custo permitem-lhe conquistar clientes para o que realmente lhes interessa vender. Como fizeram com os CDs.

Mais uma vez, quem ganha com isso? Agora sabemos: por onde a Amazon passa, só a grama dela cresce. E, com a omissão oficial e o estrangulamento das livrarias —as pequenas já estão deixando de existir—, algo muito maior vai perder. Começa com B, de Brasil.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Uma ideia sobre “O estrangulamento das livrarias

  1. A verdade está lá fora

    Quem ganha com isto?
    Primeiro são as florestas que deixaram de serem desmatadas para virar livros.
    Segundo o mais importante: o LEITOR que pode comprar um livro a um preço justo? Afinal o pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>