17:13Memória demolida

por Ruy Castro

Fechado, sem dono e saqueado, o Maracanã se desmancha às nossas vistas. Gramado, túneis, vestiários, salas, vidros, esquadrias, tudo destruído. Sumiram fiações, computadores, extintores, mangueiras, milhares de cadeiras e, para completar, o busto de Mario Filho —o jornalista cuja campanha foi decisiva para a existência do Maracanã e que, desde sua morte em 1966, honrava-o com seu nome.

Talvez haja aí um componente simbólico: que bom que nem em busto Mario Filho esteja lá para ver o que fizeram com seu estádio. E, assim como ele, tantos outros que escreveram tão bem sobre futebol: seu irmão Nelson Rodrigues, João Saldanha, Sandro Moreyra, Armando Nogueira, Ney Bianchi, Achilles Chirol, Sergio Porto. Todos, em algum momento, cronistas do Maracanã. Nenhum deles, hoje, entre nós.

Mas há um jornalista ainda vivo e que teria ainda mais motivos para sofrer com o estupro a que submeteram o estádio: Sérgio Cabral, historiador do Carnaval e da música brasileira e vascaíno histórico. A partir de 1950, nos degraus do Maracanã, ele viu Ademir, Ipojucan, Pinga, Vavá, Roberto, Romário e Edmundo levarem o Vasco a muitas conquistas.

Às vésperas dos 80 anos, dos quais abençoado há três por uma forma irreversível de demência senil, ele parece não saber muito bem das acusações que pesam sobre seu filho e homônimo, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

Em sete anos de Sérgio filho à frente do Estado (2007-14), o Maracanã foi derrubado e reconstruído tantas vezes em nome da Copa, do Pan e da Olimpíada que perdemos a conta. Conta esta que a Odebrecht sempre teve de manter em dia, para pagar as supercomissões que, segundo as delações, ele levava. O fato é que, em cada metro de cimento do Maraca que Sérgio filho mandou quebrar, uma parte da memória de Sérgio pai também se esfacelou.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Uma ideia sobre “Memória demolida

  1. Café no Bule

    Primeiro – o Tribunal do Faz De Contas de lá tem um jabaculê para não investigar.
    O presidente foi preso.
    Segundo – o Ministério Públuco Federal e o Ministério Público Estadual são uma piada no Rio de Janeiro. Pra que servem: são os últimos a saber de algo. E fazem de conta que não é com eles.
    Inação criminosa.
    Terceiro – a imprensa – especialmente a Rede Globo – é cúmplice silenciosa do escândalo.
    O jabaculê em forma de merchandising é um horror.
    A publicidade e eventos molham o jornalismo.
    Tudo eles participam.
    Quarto – o Rio de Janeiro é o exemplo do e$quema em tudo, desde o Império.
    Então toda capital do Império e República (Salvador, Rio de Janeiro e Brasília) junta uma troica de sem vergonha que sai de baixo.
    Não tem jeito: ratozol neles.

    - maracanã reformado para os jogos do Pan, reformado para a Copa e reformado para as Olimpiadas.
    Tres contratos ladrões.

    - e ainda fizeram uma interdição fria no Engenhão para ninguém usar.

    Rio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>