6:53Legalização dos penduricalhos

Do blog Interesse Público, de Frederico Vasconcelos, na FSP

Em artigo intitulado “A casta de toga”, publicado em 28.2 no jornal Valor Econômico, Fernando Limongi, professor do Departamento de Ciência Política da USP e pesquisador do Cebrap, lembra que “não é a primeira vez que juízes pressionam o Supremo e ameaçam paralisar atividades”.

“Fizeram o mesmo em 2000, ano da aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e da imposição de tetos salariais. Cortes e austeridade fiscal para todos, menos para os magistrados”, diz o pesquisador.

Trechos do relato de Limongi:

“Nelson Jobim, em seu depoimento à História Oral do Supremo, desce aos detalhes, narrando peripécias de fazer inveja a Pedro Malasartes. Jobim manipulou pauta do Supremo, blefou, ameaçou, fez acordos com líderes do movimento grevista e muito mais. Tudo para escapar dos limites impostos pelo teto constitucional sem parecer que o Supremo cedera ao ‘sindicato’. Para tanto, contou com a anuência do Presidente Fernando Henrique e fez tabelinha com o então ministro Chefe da Casa Civil, Pedro Parente –a quem define como um ‘craque’ — e com Gilmar Mendes, à época na Advocacia Geral da União.

Eis o resumo da ópera: ‘Aí você via as coisas mais malucas.(…) Tinha gratificação por… curso superior [risos]. Sabe disso? Tinha gratificação não sei do quê…,tinha o diabo de gratificação. (…) Eu absorvi tudo isso dentro do valor, então legalizei… E o Pedro Parente teve uma figura muito importante. (…) Todos aqueles penduricalhos que tinham, tudo ficou legalizado (…). Percebeu a lógica? Em vez de dizer que era ilegal, eu dizia que aquilo ali que tu recebeu passou a ser legalizado, porque passou a ser integrante do salário’.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>