16:48Greca vai à praça e baixa o fogo dos revoltados

Rafael Greca foi à praça do Japão e enfrentou os que são contra a mudança que será feita no local. Foi vaiado. A vaia é a consagração maior que pode existir, disse Nelson Rodrigues. O prefeito calou a boca da turba com argumentos, como informa reportagem da Gazeta do Povo (ler abaixo). Ninguém vai sair prejudicado, muito pelo contrário. A abertura de uma rua de 40 metros que não vai destruir aquele local, vai beneficiar 36 mil pessoas por dia – mas que não moram ali entre os bacanas. E agora, essa turma vai baixar o fogo?

Vaiado, Greca apresenta bons argumentos em defesa das obras na Praça do Japão

O prefeito Rafael Greca (PMN) saiu vaiado de uma visita que fez à Praça do Japão, no Batel, no fim da manhã desta terça-feira (20). Os moradores da região não aceitam as obras que serão feitas no local para permitir que a primeira etapa da linha Ligeirão Norte-Sul possa, enfim, circular. Em meio ao bate-boca e ao alvoroço que a visita causou, o prefeito apresentou dois sólidos argumentos em defesa da abertura de uma rua de 40 metros de comprimento que vai rasgar um naco da praça.

A primeira defesa de Greca é de ordem urbanística. A uma moradora da região, disse que se eles ali moram em prédios tão altos é justamente porque a via é um corredor de transporte. Um dos principais pilares do urbanismo curitibano é o sistema trinário, formado pela via central – onde fica a canaleta exclusiva dos ônibus –, e pelas vias estruturais, que são as rápidas paralelas ao eixo central. E é justamente o transporte de massa que define os parâmetros construtivos e características da via que circunda a Praça do Japão. Segundo a prefeitura, a região é Eixo de Transporte de Alta Capacidade desde 1966 e tem ônibus desde 1974. Pelo planejamento urbano, portanto, o transporte coletivo é prioritário na via.

O segundo argumento leva em conta o benefício da maioria. Ainda que os moradores tenham se organizado em diversas manifestações – tanto quando o ex-prefeito Gustavo Fruet  (PDT) quis implementar o projeto, como agora – os benefícios que a linha trará aos usuários do transporte coletivo serão usufruídos por parte significativa dos passageiros de uma das principais linhas de Curitiba. Nas contas divulgadas pela prefeitura, as obras devem beneficiar 36 mil usuários por dia, que terão o tempo de viagem entre o Santa Cândida e a Praça do Japão diminuído em 20 minutos. Além disso, com mais veículos no trajeto, é possível que os ônibus da linha Santa Cândida – Capão Raso trafeguem um pouco mais vazios, melhorando a vida dos passageiros.

Outro argumento importante, do qual Greca não lançou mão durante a discussão na praça, mas que vem sendo utilizado pela comunicação institucional da prefeitura é o da eficiência do gasto público. As obras de desalinhamento, que possibilitam a ultrapassagem dos biarticulados comuns pelo expresso, foram feitas entre 2011 e 2014 e já custaram R$ 16 milhões aos cofres municipais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>