7:13Fim da caixa preta?

A revelação dos salários dos diretores e outros funcionários, efetivos ou comissionados, da Itaipu não é o “fim da caixa preta” como berrou a Gazetona em manchete (ler abaixo). O buraco ali é muito mais abaixo do que as fundações da barragem e o giro mais alto que as turbinas. Por exemplo: o capilé distribuído a Ongs que depois repassavam boa parte do recebido à agremiação partidária que comandava a hidrelétrica. Há uma informação, passada por ex-superintendente, que garantiu que em numa gestão recente quem tomou conta do cofre entrou com uma sobra de R$ 100 milhões e quando saiu para cuidar da vida política não deixou saldo positivo. A conferir.

Fim da caixa-preta: saiba os salários pagos à cúpula de Itaipu

Pressão de deputados funcionou e a usina binacional informou os vencimentos de sua cúpula; diretor-geral brasileiro recebe R$ 69.656,35 por mês – quase o dobro do teto constitucional

por Euclides Lucas Garcia

O diretor-geral brasileiro da hidrelétrica binacional de Itaipu recebe mensalmente R$ 69.656,35 – em valores brutos. Até agora, essa informação permanecia em segredo, mas veio a público por pressão da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) da Câmara dos Deputados. Também foram divulgados os valores pagos ao restante da diretoria da usina, a assessores comissionados e a membros do Conselho de Administração.

Conforme informações repassadas à CFFC a partir de um pedido de informações formulado pelo deputado paranaense João Arruda (PMDB), os outros cinco diretores brasileiros de Itaipu recebem cada um R$ 67.254,41. Esses valores pagos à diretoria, que são praticamente o dobro do teto do funcionalismo público no país − R$ 33.763 −, são fixados em comum acordo pela Eletrobras e pela Administración Nacional de Eletricidad, do Paraguai.

INFOGRÁFICO: veja o valor dos salários recebidos pelo comando de Itaipu

No entendimento da usina, porém, Itaipu é uma empresa juridicamente internacional ou supranacional, regida pelo tratado entre Brasil e Paraguai que a criou em 1973. “Como o Tratado foi aprovado pelo Congresso Nacional brasileiro, ele equivale a uma lei, tendo igual força. E essa lei especial rege a situação especial da Itaipu, lembrando que Itaipu não faz parte da Administração Pública Federal, direta ou indireta, ao qual o referido teto de salário se dirige”, justifica a empresa.

Já no segundo escalão da hidrelétrica, os assessores nomeados pelos diretores recebem salários entre R$ 5.902,02 e R$ 24.537,19 (Comunicação Social). Já os integrantes do Conselho de Administração da usina – quatro das seis vagas brasileiras estão ocupadas atualmente −, que se reúnem a cada dois meses ou em convocações extraordinárias, têm salário mensal de R$ 27.061,89.

“Deputados mais antigos me disseram que eu jamais conseguiria esses dados, que tem gente aqui que tentava isso há 20 anos. E agora a gente descobre que são salários altíssimos, no momento em que se fala em ajuste fiscal, corte de gastos, enxugamento da máquina”, critica João Arruda. “Na reunião desta quarta-feira (30), vou propor um convite para que o diretor-geral de Itaipu, Luiz Fernando Vianna, venha até a Comissão de Fiscalização e responda às perguntas dos deputados.”

LEIA MAIS:Governo garante que não vai privatizar Itaipu nem usinas nucleares

Outro lado

Por meio da assessoria de imprensa, a usina afirmou que, “independentemente de outras considerações de mercado salarial, os honorários dos dirigentes da Itaipu são proporcionais e compatíveis”. “Itaipu responde por 16% da energia elétrica consumida no Brasil e por mais de 75% do consumo no Paraguai, tendo faturamento anual bruto de US$ 3,8 bilhões. Em 2016, Itaipu quebrou o recorde mundial de produção de energia elétrica, com 103,1 milhões de megawatts-hora, geração que dificilmente outra usina do mundo conseguirá superar”, diz a nota.

Salários gordos

Veja os valores pagos mensalmente à cúpula da Usina de Itaipu, cuja nomeação, via de regra, segue critérios políticos:

Diretor-Geral Brasileiro R$69.656,35
Assessor especial 1 R$21.100,35
Assessor especial 2 R$21.100,35
Assessor especial 3 R$10.666,11
Diretor Técnico Executivo (cargo vago)
Assessor especial 1 (cargo vago)
Assessor especial 2 (cargo vago)
Assessor especial 3 (cargo vago)
Diretor Jurídico R$67.254,41
Assessor especial 1 R$5.902,02
Assessor especial 2 R$10.972,36
Assessor especial 3 R$21.100,35
Diretor Administrativo R$67.254,41
Assessor especial 1 R$21.100,35
Assessor especial 2 R$5.902,02
Assessor especial 3 R$17.784,48
Diretor Financeiro Executivo R$67.254,41
Assessor especial 1 R$21.100,35
Assessor especial 2 R$15.425,41
Assessor especial 3 R$13.964,94
Diretor de Coordenação R$67.254,41
Assessor especial 1 R$21.100,35
Assessor especial 2 R$14.993,23
Assessor especial 3 R$14.993,23
Assessor de Comunicação Social R$24.537,19
Conselheiro de Administração R$27.061,89
Conselheiro de Administração R$27.061,89
Conselheiro de Administração R$27.061,89
Conselheiro de Administração R$27.061,89
Representante do Ministério das Relações Exteriores no Conselho de Administração R$27.061,89

 

3 ideias sobre “Fim da caixa preta?

  1. SFU

    Belo comentário do colunista, belo texto do escriba, mas, falta dinheiro nesses tetos. Os valores podem estar corretos para validar uma informação oficial, porém há mais, de formas indiretas, embora também corretas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>