16:43É ou não é juiz carcereiro?

… A imagem do “juiz carcereiro” poderá ser sepultada definitivamente se o processo do sítio de Atibaia, com maior volume de provas, resultar em nova condenação de Lula pela caneta de outro magistrado.

De Frederico Vasconcelos, sobre Sergio Moro, no blog Interesse Público (leia íntegra abaixo)

As fortes críticas a Sergio Moro por juntar-se ao futuro governo Bolsonaro encobrem o fato de que o passo arriscado do magistrado pode esvaziar a repetida alegação de que o ex-presidente Lula é vítima de perseguição do juiz de Curitiba.

Em entrevista coletiva nesta terça-feira (6), Moro afirmou que sua decisão “não tem nada a ver com o processo do [ex-presidente] Lula”, a quem ele condenou por corrupção e lavagem de dinheiro no ano passado.

“Eu não posso pautar minha vida com base numa fantasia, num álibi falso de perseguição política”, afirmou Moro, segundo relato de Camila Mattoso e Estelita Hass Carazzai, na Folha.

Antes das eleições, afirmava-se que Lula tinha que ser solto para frear Bolsonaro.

A campanha de Fernando Haddad adotou o discurso de que todos os recursos jurídicos seriam usados, caso o candidato do PT fosse eleito, para liberar o ex-presidente, que estaria “preso injustamente”.

Conhecidos os resultados das urnas, a imediata aceitação de Moro ao cargo de superministro estimulou a hipótese de que “Moro fora da Lava Jato” apressaria “Lula fora da prisão”.

A acusação de parcialidade do juiz –usada em vários pedidos de habeas corpus– foi reafirmada pela defesa nesta semana, em novo pedido ao Supremo Tribunal Federal com base na decisão do juiz de assumir o ministério da Justiça no governo Bolsonaro.

É a tese da “inimizade capital”, somada à acusação de que Moro teria favorecido a eleição do capitão reformado.

“Lula está sendo vítima de verdadeira caçada judicial entabulada por um agente togado que se utilizou indevidamente de expedientes jurídicos para perseguir politicamente um cidadão, buscando nulificar, uma a uma, suas liberdades e seus direitos”, afirmam os advogados do ex-presidente, segundo informa a EBC.

No novo pedido ao STF, a defesa de Lula quer o reconhecimento da suspeição de Moro, e que sejam anulados os atos que levaram à condenação no caso do triplex do Guarujá (SP).

A imagem do “juiz carcereiro” poderá ser sepultada definitivamente se o processo do sítio de Atibaia, com maior volume de provas, resultar em nova condenação de Lula pela caneta de outro magistrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>