6:38Dono de puteiro quer ser presidente do Brasil

Da Folha de S.Paulo

‘Magnata do sexo’, Oscar Maroni lança biografia e quer ser presidente

Do Bahamas Club, zona sul de São Paulo, ao Palácio do Planalto, em Brasília, com escala na prisão por quatro vezes sob acusação de explorar prostituição e também por supostamente colocar em risco o tráfego aéreo no Aeroporto de Congonhas.

Ser candidato à Presidência da República é o voo mais alto que Oscar Maroni, 66, dono do famoso ponto de encontro de prostitutas de luxo na capital paulista, prepara-se para alçar, após ser absolvido pela Justiça. “O Brasil está uma zona; e de putaria eu entendo”, diz.

As pretensões políticas do empresário aparecem em sua biografia autorizada “O Colecionador de Emoções” (ed. Matrix, 208 págs, R$ 39,90), que será lançada nesta quinta-feira (1º).

Autodenominado “magnata do sexo”, Maroni anuncia que vai entrar na disputa presidencial em caso de queda de Michel Temer, diante da possibilidade de o pleito de 2018 ser antecipado em face à grave crise institucional.

Credencia-se à disputa como espécie de Tiririca (PR) em versão “cafetão do bem”, explica. Com um discurso escrachado, o dono do Bahamas sonha em se transformar em fenômeno eleitoral, a exemplo do humorista que foi o segundo candidato a deputado federal mais bem votado em São Paulo nas eleições de 2014, com 1 milhão de votos.

Filiado ao PTdoB, Maroni começou um flerte com o PRTB, de Levy Fidelix. Teve mirrados 5.804 votos em 2008, quando tentou concorrer à Prefeitura de SP pelo PTdoB, mas acabou na disputa por uma vaga na Câmara Municipal. “Sabia que ia perder, só entrei para incomodar os caciques”, justifica-se.

EX-VILÃO

O alvo era Gilberto Kassab, o então prefeito que seria reeleito. Dá para levar a sério a candidatura de um mestre em autopromoção? Ele responde: “Agora, eu deixei de ser vilão e passei a ser vítima”, avalia.

Com o salvo-conduto das absolvições em diversos processos judiciais e se recuperando de uma depressão, Maroni pretende surfar na onda da Lava Jato e na descrença nos políticos tradicionais. Qualifica os ex-presidentes Lula e Dilma de “cafetões de pobre”.

Além do PT, do qual diz ter sido membro de carteirinha, ele detona o PSDB de Aécio Neves e demais partidos envolvidos nas investigações da Lava Jato.

Reserva elogios apenas para Sergio Moro, a quem chama de herói. Concedeu ao juiz à frente da cruzada anticorrupção entrada vitalícia gratuita no Bahamas Club.

O empresário assiste de camarote as agruras de Kassab, presidente do PSB e atual ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações. O ex-prefeito de SP foi acusado por um dos donos da JBS, Wesley Batista, de ter recebido R$ 30 milhões em pagamentos mensais desde 2010 via contratos superfaturados.

“Minha diabetes tem nome: Gilberto Kassab”, diz. Maroni considera o político “seu algoz”, chamado jocosamente de “madre superiora” em sua biografia.

O dono do Bahamas credita à “cruzada moralista e eleitoreira do ex-prefeito” o fato de o clube privê ter ficado fechado por oito anos e de ainda estar às voltas para liberar as obras do Oscar’s Hotel desde 2007.

Em construção ao lado da casa de entretenimento masculino, o prédio de 11 andares, com 223 quartos, foi interditado sob acusação de estar acima da altura permitida para não atrapalhar o tráfego aéreo na região.

“Cai o avião da TAM, morrem 199 pessoas. Quem vai preso? O dono do puteiro”, resume ele.
Em meio à comoção causada pelo acidente, ele recebeu uma ordem de demolição do prédio, suspensa por um mandado de segurança.

Em 21 de março, o Serviço de Proteção ao Voo de São Paulo, órgão da Aeronáutica, soltou um laudo atestando que prédio de 47.5 m, localizado à rua Chanés 621, a 600 metros do aeroporto, está de acordo com as normas e não atrapalha a rota dos aviões.

INDENIZAÇÃO

Com o documento em mãos, Maroni deu entrada em novo pedido para suspender o embargo e retomar as obras. Já anuncia que vai entrar com ação milionária de indenização contra a Prefeitura de São Paulo, no valor de R$ 250 milhões, com base em cálculos de um prejuízo de R$ 100 mil mensais pelos oito anos de interdição.

O ex-prefeito, por meio de nota, diz que “todas as ações adotadas pela então gestão Kassab seguiram a estrita legalidade, com objetivo do benefício da cidade e do interesse público”.

A Secretaria de Urbanismo, a Regional das Subprefeituras e a Prefeitura de SP informam, via Secretaria de Comunicação, que “o processo está na Procuradoria geral do Município para parecer conclusivo”.

Maroni mira a metralhadora verbal ainda para o promotor de Justiça José Carlos Blat, autor de ações que o levaram para detrás das grades.

“Ele responde a processo por ter forjado um flagrante para me prender, manipulando minha ex-namorada, que era garota de programa e dependente química. Ela desmentiu todas as acusações em juízo”, diz o empresário.

Procurado pela Folha, o promotor declara que “só se manifesta nos autos da investigação”. Maroni mostra a decisão judicial que o absolveu das denúncias feitas por Vivian, citada no livro apenas pelo primeiro nome.

Os dois se conheceram no Bahamas. Ela tinha 19 anos, quando começaram um romance explosivo. “A mulher mais linda da minha vida”, diz ele sobre a catarinense, sua companheira fixa até ter sido trocada por uma publicitária. “Tenha cuidado com mulher largada. É pior do que granada sem pino.”

MÁQUINA SEXUAL

Sexo, política e poder são os ingredientes principais do livro de memórias do empresário que se vangloria de “carregar entre as pernas o órgão sexual mais usado do Brasil e ter feito sexo com mais de 2.500 mulheres”.

A obra escrita por Leonardo Castelo Branco começa com o relato de uma relação sexual em um cubículo do 13º Distrito Policial na zona norte de São Paulo. Era no espaço nada glamouroso que, aos sábados, Maroni recebia a então namorada para visitas íntimas. Os encontros semanais de 45 minutos viravam atração na cadeira.

“Os gemidos do casal provocavam reações nas celas vizinhas: havia um gosto secreto do empresário, enquanto desfrutava do corpo da companheira, podia ouvir os inconfundíveis ruídos de gente se masturbando ao redor”, escreve o autor.

Nas cadeias superlotadas pelas quais passou, nem sempre o “Dr. Bahamas”, formado em psicologia, ficou em cela especial. Em uma delas, virou herói, quando mandou servir camarão e lagosta do Fasano, um dos restaurante mais caros e badalados de SP, para todos os presos. Um banquete servido em prato de porcelana e talher de prata.

Na biografia, a trajetória de Maroni é apresentada de forma épica. “De vendedor de cachorro-quente, a pecuarista, passando por editor de revistas masculinas, (‘Hustler’ e ‘Penthouse’), a promotor de lutas.”

O dono do Bahamas faz inconfidências como ter se prostituído em mais de uma ocasião. Na primeira vez, teria recebido R$ 500 de uma cliente que ligou para sua primeira casa de massagem. Falhou duas vezes e só entregou o serviço com ajuda da imaginação.

Anos depois, ele aceitou entreter voyeurs em uma mansão no Morumbi, protagonizando uma sessão de sexo explicito com uma das beldades que frequentam o Bahamas. O casal teria saído da farra com R$ 1.000 no bolso cada um.

No segundo caso, a motivação certamente não foi dinheiro. Maroni já era milionário. Seu patrimônio declarado é superior a R$ 200 milhões. “Tive duas fases da vida: aquela que andei de Mercedes coletivo e a atual, na qual conto com meu Mercedes particular”, repete.

A escalada nos negócios começou em sociedade com a ex-mulher, Marisa, mãe dos seus quatro filhos, quando ambos eram estudantes de psicologia. Ele convenceu o dono da Rede Objetivo, João Carlos Di Genio, a lhe dar uma licença para explorar a cantina de duas unidades.

O magnata do sexo é dono também de uma fazenda de gado no interior de SP, atualmente arrendada para um grande grupo. Chegou a ser uma das 50 maiores confinadores do país.

MUNDO DE OSCAR

Em frnte ao Bahamas, com o sobe e desce dos aviões de Congonhas como testemunha, Maroni mantém uma caminhonete que transformou no “picanhão” (“cruzamento de picape com caminhão”). É nele que costuma carregar dois jet skis (Oscar e Alho), que juntos formam mais um trocadilho dos tantos que ele usa para entreter interlocutores.

Tudo parte do “Oscar’s World” (Mundo de Oscar), universo construído pela imaginação de um “rei do factoides”.

O próximo lance vai ser o lançamento do livro em meio aos entulhos do futuro átrio do hotel de luxo (ou casino, se o jogo for liberado no Brasil). “Quero mostrar para o povo o caos causado pelo embargo da obra.”

O empresário da noite calcula que R$ 27 milhões de impostos deixaram de ser recolhidos aos cofres públicos pela “perseguição” sofrida pelas autoridades.

Maroni diz que vai enviar um convite a João Doria. “Meu caso é um manual de como um prefeito de São Paulo não pode agir arbitrariamente.”

Após vencida a batalha para finalmente abrir o hotel de luxo, Maroni promete passar o bastão dos seus polêmicos negócios para os filhos. “Vou ser, literalmente, um vagabundo querendo transformar o Brasil. Por isso, já Fundei a Ordem do Brasileiro Inconformados em busca da Justiça.”

A declaração é feita do palco de pole dance no centro do Bahamas Club, reaberto em 2015. Nos tempos áureos, o local reunia 300 clientes e 200 garotas de programa a cada noite. “A Justiça decidiu que minha atividade é lícita”, diz Maroni.

Seu faturamento numa boa boa noite chega hoje a R$ 20 mil com venda de bebida e aluguel das suítes espelhadas. “As meninas aqui tiram fácil R$ 30 mil por mês. Elas cobram de R$ 300 a R$ 600 por programa.”

Ele posa para fotos, ao lado de um das garotas que circula com um top transparente e salto alto. Está muito à vontade em seus domínios, com um piano de cauda ao fundo, que toca sozinho, fazendo companhia à estátua de bronze em tamanho natural que mandou fazer em homenagem ao pai. “Estou na noite há 27 anos. Sou a puta mais velha do Brasil.”

Carreira que promete trocar pela política. Caso não chegue ao Planalto, tem mais uma carta na manga: a igreja Maroniana, uma nova doutrina baseada no hedonismo.

“Eu e Jesus Cristo temos três pontos em comum: o amor ao próximo, o amor à liberdade e, bem, ele amava uma prostituta na época, Maria Madalena; eu amo todas as garotas de programa”, declara ele, na pele de candidato também a apóstolo do prazer, no capítulo final do livro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>