10:30Boca no trombone

Do blog Cabeça de Pedra

 

Boca no trombone. Mão na vara. Ele viu sem ouvir. Era uma televisão grande. Preto e branco. Estava pendurada no teto de uma padaria da praça principal da vila. Do outro lado, a torre da igreja protegia tudo. O que seria aquilo? O músico não parava com a cabeça. E a vara ia e voltava. A boca sempre colada. Os olhos, às vezes, ficavam totalmente brancos, como se ele estivesse em êxtase ou morrendo. De prazer, certamente. Que som teria aquele instrumento? Pediu para o portuga aumentar o volume. Ele disse que a tv estava estragada. O pão quentinho saiu. Meia dúzia, por favor! E a música muda comia solta ali enquanto alguém servia ao santo uma dose de Tatuzinho lá no canto do balcão. À noite sonhou com uma banda só de trombones, mas o som não veio. Acordou e foi até a loja de discos. Explicou. O dono colocou uma bolacha no toca-discos. Ele ouviu Raul de Barros. Olhou a foto na capa do LP. Era o mesmo músico da tv. Ele tinha ouvido o som sem ouvir. Nunca mais deixou de acompanhar os trombonistas. Até chegar a Trombone Short. Que felicidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>