18:35ZÉ DA SILVA

Vi a foto da suíte de cem mil a diária onde está hospedado o jogador mais caro da história do futebol. Lembrei na hora do vestiário mais lúgubre que conheci – no interior de São Paulo. Fiquei parado na porta que dava passagem para o corredor que levava ao campo de futebol, ali onde grama não havia mais, apenas ervas daninhas. Poças d’água eram como manchas luminosas naquela construção – e esta dava  impressão de que desmoronaria ao primeiro grito de gol lá fora. Fiquei parado e impressionado com as cores quentes, fortes, das paredes desbotadas, do teto manchado com bolor, do reflexo da luz do dia que vinha do campo e entrava por janelas sem vidros. Lembrei dos filmes fotografados pelo inglês Nicolas Roeg, mas especialmente de um que dirigiu, o perturbador Inverno de Sangue em Veneza. Um jogador que estava ao meu lado revelou então a emoção que sentia ao sair daquele vestiário para se apresentar todo domingo à tarde. Não veio a mancha vermelha crescendo na tela da minha mente, como naquele filme. Sorri feliz como aquele desconhecido. Assim deve acontecer com o milionário jogador lá em Paris. Porque os dois sabem o que de fato proporciona esta alegria.

3 ideias sobre “ZÉ DA SILVA

  1. Sergio Silvestre

    Coitado do Garrincha,imagino ele hoje e essas montanhas de dinheiro,não teria envenenado o figado com conhaque brabo.

  2. Franco

    Profissional.
    Se fosse para ser jogador só por “amor a camisa”, ele estaria na suburbana de Santos e ganharia a vida como operador de telemarketing.
    Em qualquer profissão é assim, aliás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>