22:00ZÉ DA SILVA

Os dois capoeiristas colocaram as navalhas abertas entres os dedos dos pés. Gingaram ao som do atabaque e do berimbau. Voaram com as pernas cortando o ar – e as lâminas brilhantes passando perto dos corpos. Não houve cortes, não se viu sangue. Eram mestres e terminaram sorrindo a exibição naquele espaço exíguo de um quintal de sobrado. Logo depois… aí sim, o coração sangrou, a alma apertou. Era a voz de um nordestino cantando os versos que batiam aqui dentro e traduziam a angústia de um adolescente querendo encontrar um caminho. Elas ficaram para sempre – e ajudam até hoje na compreensão do que é a vida. Belchior.

Uma ideia sobre “ZÉ DA SILVA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>