11:49Por que não?

A decisão da Universidade Estadual de Maringá (UEM) em oferecer o curso sobre o “Golpe de 2016″ deve ter ouriçado a diretoria da APP-Sindicato. Se os acadêmicos se apoiam na autonomia, porque um segmento que tem na escola um território de resistência e luta não poderia adaptar a coisa para os estudantes dos ensinos básico e médio a fim de reivindicar a inclusão nos respectivos currículos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>