15:35Tese frouxa de Reinaldo Azevedo

por Dirceu Pio

Em artigo publicado sexta-feira, 26 , no jornal Folha de S. Paulo, o famoso blogueiro Reinaldo Azevedo, inimigo número um dos petistas, que ele chama de Petralhas, condena o juiz Sérgio Moro pela prisão de Marcelo Odebrecht e outros empreiteiros , prisão  que ele considerou discricionária e arbitrária. Desde o governo de Getúlio Vargas que as empreiteiras pintam e bordam com o dinheiro do Brasil impunemente. E quando aparece alguém para prender alguns peixes graúdos das mil maracutaias armadas contra os interesses da sociedade na Petrobras, eis que surge um “paladino” da Democracia para enxergar “discricionarismo” no gesto corajoso de um juiz. Pode?
A gramática da lei, caro jornalista, está desatualizada. Ela serve para proteger os interesses de uma minoria poderosa que há muito tempo permanece acima das leis e acima de qualquer suspeita. Temos de corrigi-la, torná-la mais democrática, mais direta e clara. A democracia brasileira carece de uma grande reforma da Justiça. O Estado de Direito, entre nós, é apoiado por uma legislação muitas vezes inadequada, que favorece quem tem dinheiro para pagar bons advogados e desfavorece os despossuídos que são vítimas de grandes injustiças da lei e da organização judiciária. O Brasil talvez seja o país em que o rito judicial tenha a maior possibilidade de recursos, geralmente protelatórios, para que a Justiça se coloque o mais distante possível de quem precisa dela.
Dizer que a apuração da roubalheira na Petrobras deve  ser feita sem coações é agir com a mesma ingenuidade que eternizou o grande poderio das empreiteiras no Brasil. O mecanismo da prisão preventiva, usado para prender Odebrecht e outros cidadãos que sempre se mantiveram acima das leis neste país, é antigo. A lei que o prevê, o artigo 312 do Código de Processo Penal, autoriza a prisão por vários motivos, entre os quais a possibilidade de o suspeito, uma vez em liberdade, ter condições de destruir provas que o incriminam.
É isso, a essência da lei, que importa. E esse objetivo pode ter sido muito bem atingido com a Prisão de Odebrecht e outros poderosos. O blogueiro, contudo, inflama seu”elevado espírito democrático “ perguntando por que a OAB  não toma providências contra as arbitrariedades cometidas  por um juiz .
Não tenho procuração para defender a entidade, mas diria que ela tem mais o que fazer ao invés de ajudar a blindar os empreiteiros. Poderia, por exemplo, ser mais rigorosa em apurar os casos de corrupção que envolvem seus associados, um abismo que separa,  muitas vezes, os cidadãos brasileiros da Justiça que fazem por merecer.

6 ideias sobre “Tese frouxa de Reinaldo Azevedo

  1. Thiago Hart

    Eu sei quem é RA, Dirceu (Dirceu!) Pio (Pio?)? Deste nunca ouvi falar. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Se as leis em vigor só servem para proteger as “zelites”, então que se mude a lei; o que não se pode é fazer justiça, por mais que justiça seja, ao arrepio da lei. É isto que defende RA, é isto que defende quem preza a democracia. Eu acho um absurdo o sr Odebrecht só ter sido preso agora, e o sr Lula e a sra Dilma (Ministra de Minas e Energia e PresidentA do conselho da Petrobrás) ainda estarem soltos!!! Mas isto não significa que devam ser presos imediatamente ou ficar lá eternamente pq o lei atual não é boa. Menos, muito menos sr Pio…

  2. TOLEDO

    O inclito ex-jornalista, não se enganou ? Quem escreveu não foi um tal de Janio ? O Reinaldo Azevedo condenar o Moro ? é mais fácil o Aécio virar honesto. Vai no SUS PIo e pega remédio na Farmacia Popular, voce sofre de PT-FOBIA, mal de muitos Curitibocas. O Leandro usa supositórios, parece que melhorou um pouco.

  3. Macarrão

    Por causa de comentários como o do Sr Pio que o colunista(ou blogueiro como chamou o signatário desta coluna) merece ser ainda mais lido e mais levado a sério! O que o sr Pio fez foi um artigo vazio, sem fundamento, desrespeitando diferenças de opiniões! Demais a mais, em nenhum momento derrubou a “tese frouxa” do colunista Reinaldo Azevedo, nem sequer acrescentou argumentos que comprovassem a prisão do Oldebrecht. Pior ainda, ao aclamar que a prisão dos empreiteiros está sendo importante, pois faz a justiça social, colocando pobres e ricos com possibilidades de ir presos, mostra todo o atual status quo, um pensamento infame e mesquinho! Dirceu Pio foi incapaz de criar uma tese nova, chamou a tese de um colunista conhecido de frouxa, sem derruba lá, e não percebeu, ou fingiu não perceber, que Reinaldo Azevedo, assim como tantos outros, querem que quem corrompeu, ou foi corrompido vá preso. A diferença é que, mesmo entre tanta gente boa, RA é um dos poucos que não aceita prostituir as regras(as leis) para obter a prisão, da forma que o MP e o juiz fazem, e a maioria dos brasileiros aplaudem. E, esquecem uma coisa, se a tese do juiz Moro e do MP for adiante, o Estado é vítima de empresários cruéis e, mesmo com 2 ou 3 políticos chinfrim condenados , totalmente inocente da atual sem vergonhice… É isto o final… Então parabéns aqueles que estão aplaudindo o populismo do Mp e do juiz….aos colunistas que, mesmo lutando pelo bem, se vendem em prol de uma vingança picareta e de um argumento fantasioso como só pobre vai preso! Parabéns a todos os Pios deste País, Lula, Dilma e caterva agradecem. Empresários em cana e a vida continua, com outros personagens…uhuu

  4. leandro

    Tem um cara que escreve comentários neste blog que deve cheirar meias de dia e a noite toma chá coado em cuecas, porque calcinha ele usa, e daí fala um monte de bobagem.

  5. dirceu pio

    Ferreira, se há um mal entendido a ser esclarecido, deveria ser publicado no Jornal Folha de S. Paulo e na mesma página do artigo de Reinaldo Azevedo. É um desrespeito aos leitores da Folha despejar um mal entendido num lugar e esclarecê-lo em outro. Eu não acompanho o blog do Reinaldo –acho-o muito trolhudo–embora o considere um jornalista muito corajoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>