11:36SAQUEADOS PELOS BANCOS

Pela causa:

NO DIA 28 O STJ PODERÁ CASSAR DIREITOS DE POUPADORES PARANAENSES JÁ ASSEGURADOS PELA JUSTIÇA DO PARANÁ

Campanha é organizada para impedir que isso aconteça. Novo entendimento do STJ pode obrigar poupadores que já receberam correção em ação movida em 1990 a devolverem dinheiro aos bancos

Todos os milhares de poupadores paranaenses que obtiveram na Justiça direito de correção às diferenças dos planos Bresser e Verão contra o Itaú, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, podem agora, em virtude de novo entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), perder tudo. STJ defende que o prazo para a prescrição de ações judiciais que antes era de 20 anos, agora passaria a ser de cinco anos, atingindo inclusive aqueles poupadores que ingressaram com suas ações antes do novo entendimento. Estes poupadores ingressaram com execuções contra os três bancos baseados na condenação obtida pela Associação Paranaense de Defesa do Consumidor (Apadeco), que moveu contra eles Ações Civis Públicas (ACPs), nas quais o Judiciário reconheceu as diferenças e estendeu o direito de obtê-las a todos os poupadores do Paraná que houvessem sofrido os expurgos dos dois planos.
No próximo dia 28 de novembro acontecerá julgamento no STJ do Recurso Especial do Banco Itaú contra seus próprios correntistas. A campanha “Saqueados pelos bancos”, criada para impedir que milhares de cidadãos paranaenses percam seus direitos já adquiridos e tenham que devolver o que já receberam, fará um movimento nesta data chamado “O Dia do Saque”. A campanha a cada dia recebe mais adesões de poupadores, advogados e a população em geral que teme ser prejudicada em outros tipos de ações. Campanha “Dia do Saque”

O objetivo é incentivar que correntistas do Banco Itaú façam, no dia 28, qualquer tipo de saque para protestar e mostrar de fato a quem o dinheiro pertence. “Como forma de protesto, mostre para o banco que o dinheiro é seu, sacando qualquer valor no dia do julgamento, 28 de novembro.”

Mídias da campanha

Blog

http://saqueados.blogspot.com.br/

Facebook

https://www.facebook.com/Saqueados

Twitter

@saqueadospelosb

Entenda mais sobre o assunto:

As ações foram promovidas pela Apadeco na década de 1990 e na época foi reconhecido que o prazo para ajuizamento era de 20 anos, conforme previa o Código Civil antes da reforma. Após a condenação dos bancos, passou a contar o prazo para execução que cada poupador moveria para poder receber as diferenças que lhe eram devidas. O prazo para os poupadores executarem foi também definido como de vinte anos, contando do momento em que as sentenças nas ACPs se tornaram definitivas (transitado em julgado).

Por este entendimento do TJ-PR e do próprio STJ, baseado em súmula a respeito do Supremo Tribunal Federal (STF), conhecida como Súmula 150, ainda em vigor, os poupadores poderiam reclamar as diferenças que lhes são devidas até dezembro de 2018 contra o BB, outubro de 2021 contra a CEF e setembro de 2022 contra o Itaú. Com o novo Código Civil, que introduziu novos prazos, todas estas execuções tiveram seus prazos reduzidos para janeiro de 2013.

Somente agora, após quase todos os poupadores ajuizarem suas execuções, é que o STJ adota novo e reduzido prazo, de cinco anos, dando por prescritos os seus direitos. Isto porque, ao decidir recentemente, no Recurso Especial (Resp) 1070896/SC, que o prazo para ajuizamento de ACPs é de cinco anos, a 2ª. Seção do STJ, integrada pelas 3ª. e 4ª. turmas, passou a entender, também, que os prazos de execução são de cinco anos. Com isto, os prazos dos poupadores paranaesens teriam expirado em dezembro de 2003 (BB), outubro de 2006 (CEF) e setembro de 2007 (Itaú).

O STJ ainda não firmou este entendimento, mas o fará em breve ao julgar o Resp 1273643/PR, selecionado como recurso cuja decisão servirá a todos os demais casos em que se debata esta questão. O recurso é do Itaú contra poupadores do Paraná que mantinham contas no Banestado. Embora a questão seja polêmica e mesmo havendo recurso selecionado para pacificar a matéria, o que fez o Ministro Relator, Sidnei Beneti, determinar a suspensão de todos os recursos a este respeito, os ministros da 2ª. Seção do STJ, incluindo o próprio relator, passaram a decidir pela prescrição de cinco anos contra todos os poupadores paranaenses que, além de não receberam suas diferenças, foram condenados em honorários de sucumbência e custas. Nos casos em que o poupador já recebeu, no todo ou parte do que lhe é devido, poderá ter que devolver dinheiro com correção e honorários.

IRRETROATIVIDADE

O aspecto mais polêmico das decisões do STJ é, segundo seus críticos, a impossibilidade de a nova regra atingir os poupadores do Paraná. Eles dizem que, em primeiro lugar, os poupadores do Paraná executam uma ACP cujo prazo prescricional já foi definido e que, portanto, não pode ser modificado nem mesmo por lei nova, quanto menos por novo entendimento juriprudencial, não definitivo e não pacificado. Eles dizem, ainda, que, a prevalecer o novo entendimento do STJ, os poupadores do Paraná podem ter caído numa armadilha, pois optaram pela execução da ACP, sempre recomendada pelo Poder Judiciário, e não por ações individuais de cobrança. Estas ações (de cobrança), em que o poupador não adere às ACPs, continuam com o prazo de vinte anos.

“Isto é: o poupador que adeiriu à ACP executando sua sentença, facilitando as coisas para o Poder Judiciário, e até obedecendo a determinação deste, está com o direito ameaçado, enquanto que aqueles que preferiram não executar, foram premiados. E isto está sendo feito depois de passado o prazo para os poupadores que executam as ACPs reagiram com novas ações individuais, porque este prazo acabou em julho de 2007 para o Plano Bresser e fevereiro de 2009 para o Plano Verão”, diz Alexandre Gonçalves, advogado do IPDC – Instituto de Proteção e Defesa dos Consumidores e Cidadãos do Brasil. “Este novo entendimento ofende a Constituição, que, em nome da segurança jurídica e do Estado Democrático de Direito, protege a coisa julgada e impede a retrotividade de lei ou de novo entendimento judicial que prejudique o cidadão”, reclama Gonçalves.


http://saqueados.blogspot.com.br/2012/11/atencao-dia-28-stj-podera-cassar.html

2 ideias sobre “SAQUEADOS PELOS BANCOS

  1. Êita!

    Ué, a prescrição sobre direitos reais nesse país não é de 25 anos? Ou mudou tudo porquê os digníssimos estão sendo abduzidos por quantias espantosas??? Êita governo petista duca…

  2. Reginaldo Alves

    Aos correntistas e poupadores do Itaú deixo uma sugestão:
    participarem do “Dia do Saque” no dia 28/11, sacando o dinheiro de suas contas para mostrar a quem realmente pertence o dinheiro! E quem sabe até encerrar a conta e procurar um banco que respeite seus direitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>