7:15Richa e Dilma disputam o maior índice de desaprovação no Paraná

Do jornal Gazeta do Povo

Aprovação de Dilma e Richa chega ao pior índice no PR

Governador atingiu quase 85% de desaprovação e a petista, 87%, segundo levantamento da Paraná Pesquisas

O fim do primeiro semestre do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff (PT) e do governadorBeto Richa (PSDB) é marcado por uma imagem ruim entre os paranaenses. Ambos governantes atingiram os piores porcentuais de avaliação no estado: ele, com quase 85% de desaprovação; e ela, batendo os 87% de avaliação negativa, conforme levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, encomendado pela Gazeta do Povo.

Os números negativos chegaram a superar os alcançados pela petista e pelo tucano em fevereiro, quando ambos tiveram um decréscimo acentuado nas avaliações dos eleitores do estado em comparação com pesquisas feitas em períodos anteriores. Dilma decaiu quase quatro pontos porcentuais em aprovação desde fevereiro, enquanto Richa sofreu o decréscimo de sete pontos nos quatro meses.

A visão dos paranaenses sobre o início do segundo mandato continua negativa: para 81% dos eleitores do estado, a gestão Richa tem sido pior do que se esperava – índice nove pontos porcentuais maior que em fevereiro. Dilma seguiu no mesmo fluxo negativo: entre os paranaenses, apenas 3% acreditam que o governo da petista está sendo melhor do que o esperado – 82% creem que está sendo pior, enquanto 14% consideram igual ao esperado.

Confira os números de Beto Richa (PSDB) e Dilma Rousseff (PT)

Economia

A conjuntura econômica nacional é apontada como um dos motivos para a imagem ruim dos governantes nesse início de segundo mandato. A crise obrigou ambos a apertarem os cintos nas contas e os eleitores se depararam com inflação e aumento na conta de luz no estado. “Ambos também venderam uma imagem diferente da real durante a campanha, o que acabou não se refletindo neste ano, quando a população começou a se dar conta da situação”, diz o cientista político do grupo Uninter Helio Godoy.

O noticiário nacional repleto de denúncias também respingou na avaliação dos paranaenses sobre o tucano e a petista. A Operação Publicano, que apura desvios na Receita Estadual em Londrina – e envolve um parente de Richa –, e a Operação Lava Jato, que vem ampliando o leque de investigações sobre desvios na Petrobras, foram determinantes para a imagem negativa de ambos. “Nenhum consegue sair do noticiário policial”, diz Murilo Hidalgo, diretor do Paraná Pesquisas.

Como apontam os especialistas, o “inferno astral” de Richa possui um componente a mais: a queda de braço com os professores do estado, que culminou na chamada “batalha do Centro Cívico”, em 29 de abril. Mesmo entre os que votaram no governador, o índice de confiança está muito abaixo em comparação com o final do ano passado: apenas 23,5% dos entrevistados disseram que manteriam o voto se as eleições fossem hoje.

Entre os não eleitores do governador, apenas 3,8% disseram que depositariam um voto de confiança no tucano.

Melhora no índice só a médio e longo prazo

Especialistas consultados pela reportagem não descartam a possibilidade de a avaliação de Dilma Rousseff (PT) e Beto Richa (PSDB) cair ainda mais nos próximos meses. Para o diretor do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, e o cientista político do grupo Uninter Helio Godoy, uma subida nos números só acorrerá em médio e longo prazos.

“Apesar de serem políticos de lados opostos, hoje, no Brasil, ambos são os que mais se assemelham: passam por crises de caixa, estão tendo dificuldades de relacionamento com o Legislativo e estão acostados por denúncias”, afirma Godoy, que acredita estar na recuperação econômica a principal solução para a queda de popularidade dos governantes. Para Hidalgo, é preciso começar a construir uma marca que ajude a apagar a imagem ruim dos primeiros seis meses de segundo mandato. “Durante todos esses anos, a imagem do Beto Richa foi melhor que a do governo. Agora, é a vez de a imagem do governo se sobressair sobre a do governante.

—–

76% desaprovam a gestão na educação

Instituto Paraná Pesquisas também avaliou a gestão do governo Beto Richa(PSDB) por áreas de atuação. Os índices sofreram poucas mudanças em relação ao levantamento de fevereiro deste ano, mas continuam baixos.

A pior avaliação dos eleitores está na área da educação no estado: depois do episódio no Centro Cívico envolvendo os professores, em abril, e a greve no setor, que durou mais de 40 dias, quase 76% dos entrevistados avaliaram como péssima a gestão na área – índice três pontos porcentuais acima do registrado há quatro meses.

A área da segurança pública é a que possui melhor avaliação entre os eleitores do estado. Mesmo assim, apenas 15% dos entrevistados destacaram como boa ou ótima a gestão do tucano no setor. Pouco mais de 55% avaliam negativamente a área e quase 29% acreditam que a gestão é regular.

Quase 57% dos eleitores do Paraná avaliam como ruim ou péssimo o desempenho do governo na saúde. Já na questão social, o tucano se sai um pouco melhor: 14,5% acreditam que a gestão da área é ótima ou boa, 33% a consideram regular, enquanto 47,5% classificam como ruim ou péssima.

Para o cientista político do grupo UninterHelio Godoy , chama a atenção a pouca alteração nos números por área em contraste à avaliação geral negativa do governo Richa. “Isso ressalta que a desaprovação está associada mais a outros fatores, como as crises de contas e as denúncias, do que propriamente ao desempenho administrativo”, avalia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>