11:40R$ 1,4 bilhão em contratos de locação

Do Correio Braziliense, em reportagem de Anna Russi

Órgãos Públicos gastam R$ 1,4 bilhão por ano com contratos de locação

O Tribunal de Contas da União (TCU) vai iniciar, no segundo semestre, uma auditoria para avaliar a legalidade e a economicidade dos contratos de aluguel firmados por órgãos e entidades da administração pública federal. Um levantamento realizado pela corte numa amostra de apenas 10 contratos encontrou problemas graves, que vão desde a inexistência de dados confiáveis e omissão de informações até divergência de valores inseridos em planilhas.

A União gasta R$ 1,4 bilhão por ano com aluguel de imóveis. De acordo com o TCU, as normas existentes são insuficientes para garantir que os valores estejam dentro de parâmetros econômicos adequados. Para o tribunal, há dificuldade na identificação de quais as locações, quais são as condições contratuais e quais os critérios adotados para a negociação.

Na amostra examinada pelo TCU, que abrange contratos no valor de R$ 94,4 milhões, foi possível constatar a falta de um padrão contábil para as locações. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por exemplo, informa que paga anualmente aluguel de R$ 11,9 milhões em um imóvel — sem que o valor tenha sido atualizado de acordo com os termos aditivos do contrato. Outros órgãos, porém, informam valores mensais, como a Advocacia Geral da União (AGU), que inseriu um montante de R$ 1,5 milhão a título de despesa com aluguel.

O TCU identificou, ainda, omissões de dados no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União (SPIUNet) . Um exemplo é a Coordenação Geral de Material e Patrimônio do Ministério da Saúde (CGMAP), que informou ser responsável por contrato no valor de R$ 16,9 milhões. Entretanto, não há registro da locação.

O titular da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), Sidrack Correia, disse que o relatório vai servir para que o órgão faça um trabalho de atualização e fiscalização dos contratos de aluguel dos órgãos de governo. “O estudo do TCU vai nos dar forças para que possamos cobrar retornos dos órgãos, porque o sistema existe, só que não é alimentado com as informações que deveriam ser fornecidas”, afirmou.

Transparência


Não há legislação que discipline as consequências da não atualização dos dados no SPIUnet. O próprio TCU constatou que a SPU, que deveria fiscalizar os contratos, muitas vezes não recebe retorno sobre a continuidade dos processos de locação. “Assim, considerando a ausência de retorno à SPU acerca das locações efetuadas pela administração pública federal, verifica-se haver riscos de que essas locações sejam antieconômicas ou direcionadas, bem como até desnecessárias”, diz o relatório do tribunal

Correia admitiu que são necessárias melhorias no sistema existente, mas destacou que medidas já estão sendo tomadas. “Em janeiro de 2019, a SPU vai implementar um novo sistema, no qual iremos trabalhar da melhor forma”, afirmou. O secretário lembrou que é importante também que os sistemas do governo se comuniquem e mostrem transparência aos cidadãos. “Eu mesmo tive que usar a Lei de Acesso à Informação para pedir os dados — e olha que somos todos do mesmo governo. Ainda assim, ainda não recebi tudo o que solicitei”, reclamou.

Uma ideia sobre “R$ 1,4 bilhão em contratos de locação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>