18:00Poema de amor e de águas

de Zeca Corrêa Leite 

Se, amando-me, quiser de mim o meu amor,

dê-me de beber águas de teus encantos

em momentos simples, pequeninos,

absortos quase,

e que eu mal perceba…

 

Se, amando-me, ter em mim seu prisioneiro,

torna a dar-me águas de teus encantos

para alimentar meu peito

de descobertas e sonhos.

 

Mas,

se amando-me, sentir que o amor se foi,

interrompe aos poucos as águas que me sustentam.

 

A cada dia um cálice quebrado,

ferimentos dos cacos nas mãos.

 

Tão breve e minha alma seca.

* Do livro “O velho e alguns escritos“, lançado nesta semana

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>