9:32PENSANDO BEM….

gr2 (1)

ROGÉRIO DISTÉFANO

Uma o quê?

Foto no Face de Gracyanne Barbosa no colo do marido, o cantor Belo. Ela mão no violão, ele no tamborim, a moça anuncia que vai “tocar uma pro meu tudão”.

Menos

Há um limite para as teorias conspiratórias. Chama-se bom senso. Como a última, de que o governo Temer deixou a PF sem dinheiro para a impressão de passaportes.

Está certo que o ministério Temer gosta de atirar no pé, mas isso de dar prejuízo para a classe média e impedi-la de viajar à Flórida para Disney e compras não faz sentido.

Até porque – na locução consagrada pela petoministra Ideli Salvatti – o passaporte sai a preço de custo para o titular. Temer está mal com a classe média de Miami, mas não a vai atirar nela.

Sério?

“Mandato parlamentar é coisa séria e não se mexe” – o fundamento de aguda juridicidade do ministro Marco Aurélio para liberar o senador Aécio Neves para retomar o exercício do mandato. Se o mandato fosse coisa séria o senador não pediria dinheiro para Joesley Batista.

Alguns ministros do STF brincam com nossa tolerância. E depois a presidente Carmén Lúcia vem dizer que o tribunal será sensível à voz das ruas. Ela deve ser o único ministro por lá que passaria em teste de audiometria.

Livre pensar é só pensar

“Morre, mas não delata”, diz o suso mencionado advogado sobre o cliente Rodrigo Rocha Loures. O doutor podia refletir: morre, mas não delata, significa (1) admissão tácita do crime e (2) duvidosa honra na lealdade entre delinquentes.

Atenção: não chamo ninguém de delinquente; apenas faço a ontologização da frase, que expressa um pensamento. O PB… está mais para Hegel que para Gilmar Mendes.

Lá endemia, aqui pandemia

“Ele não é o sintoma, ele é a doença” – o apresentador Stephen Colbert, da televisão dos EUA, sobre o presidente Donald Trump. Tomara que não patenteie a frase, caso contrário os brasileiros pagarão uma fortuna em roialtis porque vivem uma pandemia dessas.

Corrupto tem que ser forte

TADINHO do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, que passa mal como detido na PF pela Operação Friboi. Falta sol, falta tevê, faltam livros, o quarto é pequeno e o banheiro, no corredor – deve ter bidê, pois caso contrário o advogado botaria a boca no mundo. Situação diferente da dos presos da Papuda, onde o deputado esteve até há pouco. Logo, precisa ser atendido, principalmente nessa questão dos livros.

O MINISTRO Fachin podia liberar pelo menos um livro para o rapaz. Não a Bíblia, muito extensa, nem o código penal, muito Moro. Pode ser o livro caixa. O um, porque o dois está emprestado ao padrinho, que não devolve. Mas tudo isso ficou para trás no final da tarde da sexta-feira, quando o ministro Fachin mandou libertar o ex-deputado, sob as restrições costumeiras aos bem-nascidos e conectados.

O EX-DEPUTADO sai, para alívio e refresco de Michel Temer, com

tornozeleira, recolhimento do passaporte, limitação de contatos. Brincadeira, o acinte ao cidadão passa a crescer, em algo que inevitavelmente gera a suspeição do acordo dentro da classe dominante. A decisão do ministro serve de impediente, evita risco à instrução criminal? É o ersatz de segurança da prisão preventiva?

FUNCIONA TÃO BEM que Sérgio Cabral preso e a mulher, Adriana Ancelmo, vigiada em casa, despacharam a empregada para vender joias de origem suspeita a joalheria do Rio. Ou seja, a pizza foi ao forno assim que a família e o advogado de Rocha Loures iniciaram o ensaio de terror sobre seu estado de saúde. Isso impressiona os homens de Brasília, todos muito próximos, social e institucionalmente.

DESSA CIRCUNSTÂNCIA sobra-nos ensinamento – de resto antigo, pois advindo de outros presos de alto coturno, com a mesma suspeição de Rocha Loures, mas dotados de couraça rija, resistente. Falo de Eduardo Cunha e antes dele, de Paulo Maluf. Há outros, muitos outros, inclusive presos nas mesmas circunstâncias – aliás com menos evidências e flagrantes que Rocha Loures e agora otimistas com o movimento de reversão da Lava Jato.

ESTES ENFRENTARAM e enfrentam a prisão sem se abater, diria até que com bravura. Porque o corrupto deve ter nervos de aço, propina, achaque e negociata não é assunto para amadores, aquilo de que não se manda criança fazer serviço de adulto. Cabe aqui paráfrase a Euclides da Cunha, n’Os Sertões, sobre o sertanejo: “O corrupto é antes de tudo um forte”. Corrupto fraco pede colinho pro papai, pra mamãe, pro ministro Fachin.  

Uma ideia sobre “PENSANDO BEM….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>