9:38PENSANDO BEM…

ROGÉRIO DISTÉFANO

Senhor Luiz Inácio. Não precisava isso de o procurador Roberson Pozzobom chamar Lula pelo nome de batismo, quando o próprio juiz Sérgio Moro se dirigia ao réu como “ex-presidente”. Se o procurador pretendia fazer ironia, fez mal, fez fraca, tanto que prontamente se corrigiu. Ironia, ainda que não intencional, fez o juiz, ao lembrar, em nome da solenidade, que o réu é ex-presidente. Um ex-presidente submetido a processo criminal com o pano de fundo da corrupção.

Ficou assim, a ironia do procurador foi chocha, até infantil, e a do juiz não foi ironia. Dá para entender. Advogados, promotores e juízes da área criminal usam a ironia como instrumento de trabalho para rebater argumentos e para atacar o caráter dos réus. Faz parte do jogo. O que nunca fez parte do jogo é um ex-presidente atolar-se tanto na lama a ponto de ser levado à barra da Justiça, exato pela corrupção. Nem Getúlio Vargas, a evocação de Lula.

Getúlio passou por ordália equivalente à de Lula: tolerante com a corrupção dos que o cercavam, embora nunca tenha sido provado que dela foi beneficiário. E aqui começam as diferenças a pontuar as semelhanças. Getúlio continua o herói do povo, daquele que conviveu com ele ou recebeu os ecos de seu carisma; Lula pretende isso, tanto que usa uma paráfrase de Getúlio: este, na carta de suicídio, dizia sair da vida para entrar na História.

Lula, entre o delusional e o megalomaníaco , afirma que já entrou na História. Do modo como falseia a realidade, pensa que pode falsear a História, que se constrói com o tempo e é vista em perspectiva, à distância. Lula, neste momento, vive um trecho de sua história, o lado negro dela, que só o tempo poderá ou não fazer com que se apague diante do que chama seu legado – no qual não inclui Mensalão, Petrolão e Corrupção.

E agui reentra Getúlio, seu paradigma, pai dos pobres como ele. Também pai dos que à sua volta se corromperam: irmão, filho, auxiliares, gente do partido. Lula não tem o senso de destino de Getúlio, que desde cedo via o suicídio como saída política e existencial. Lula faz da política sua experiência existencial de prazer e desfrute – não é sem razão que o mais pesa contra ele são o sítio e o tríplex, presentes que teria recebido em suposta corrupção.

Neste momento, sem qualquer pretensão de fazer estripulias sobre a História, resta aguardar que o tempo, pai da História, leve a termo a semelhança final entre Lula e Getúlio, o suicídio. Não que se pretenda ou se espere o suicídio de Lula, longe disso, a vida é sagrada até para seu titular. A História, em quem Lula tanto confia, poderá extrair da Lava Jato, o atestado de óbito de Lula, seu suicídio político.

3 ideias sobre “PENSANDO BEM…

  1. Sergio Silvestre

    Então,começou com sr Lula,Luis Inácio,ex-presidente e terminou como PRESIDENTE LULA,esse lapso do Moro pode ter sido a consequência de que depois do INTERROGATÓRIO,ninguem mais acredita que o Lula perca as eleições em 2018 ,nem eles.

  2. Carlos Ernandes

    Pelas cantilenas do molusco ególatra e falastrão , pombo do mato, será candidato a servir sopa no presídio de Piraquara.

  3. Toninho

    O Silvestre na linha do chefe dele, o Requião, passou a sorver mamona e tal qual seu dono a falar asneiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>