14:17PENSANDO BEM…

OPI-002.eps

Rogério Distéfano

“Pessoas queridas do meu partido!” – assim começa a carta assinada pela senadora Gleisi Hoffmann lançando sua candidatura à presidência do PT. O Paraná tem senadores interessantes: Álvaro Dias, o camaleão partidário, Dorian Gray pé-vermelho, Roberto Requião, que já virou sinédoque, pois o simples nome evoca as qualidades dos que (cegamente) gostam dele e dos que (lucidamente) desgostam. E tem Gleisi Hoffmann, mais personagem que pessoa, que dá a impressão de faltar algo para completar o conteúdo.

Gleisi não é melhor nem pior que os outros senadores. Porque desde a morte de Accioly Filho, o Paraná não elege senadores memoráveis. Não é problema exclusivo do Paraná, é do Brasil, vide as casas de tavolagem e tolerância em que as casas do Congresso – Senado incluso – se transformaram. Acompanho todos, Gleisi com mais atenção, e até agora só atingi uma conclusão: Gleisi, como o personagem de Pirandello, está à procura de seu autor. Leiam a carta – o ZB publicou aqui – e confiram. Nossa senadora atira às cegas.

A carta.  Esqueçamos o ponto de exclamação do começo e o plágio do bordão do programa Luís Carlos Martins – ‘alô, gente querida do meu coração’. Esqueçamos o babaovismo a Lula, lançado candidato para 2018 (novidade!), e o eterno lamentar do golpe contra Dilma, a chatice da primeira presidente eleita, mulher valente, etc. E daí se foi a primeira mulher presidente? Tínhamos que aceitar suas besteiras? Quanto ao valente, a senadora confunde grosseria com valentia. Entende-se. Seus gritos no Senado seriam carícias verbais.

A carta, ressalvo, está muito bem escrita. Naquilo que ficou sob a responsabilidade do assessor que a digitou – ou datilografou, pois a ausência dos solecismos do petismo juvenil remete a alguém da velha escola pública. Até o momento em que Gleisi mete a colher, como no babar em Lula e no lamber as feridas de Dilma. O bedelho aparece no ‘pessoas’. No começo pensei que a carta era dirigida a pessoas físicas e pessoas jurídicas, como as empreiteiras do caixa dois. Ao ler o texto percebi que não, era o politicamente correto, versão gleisista.

Quem são as pessoas. Primeiro, são as físicas, filiadas ao PT. Segundo, qual o sexo, ou os sexos das pessoas? Feminino, masculino, bastam? Gleisi deve ter pensado em transexuais e transgêneros. Não vejo outra explicação. A senadora não quer perder votos e saca a estupidez do gênero. Afinal, é adepta da presidenta. Se cães e gatos fossem filiados ao PT, a senadora pediria votos aos queridos petocaninos e aos queridos petofelinos – aliás, quanto aos gatos nem precisa pedir, eles subiram ao telhado da Lava Jato. 

Uma ideia sobre “PENSANDO BEM…

  1. Carlos Ernandes

    Grande texto, Distefano.
    Para dizer o que fala , Barbie das Araucárias ( elas devem ter ficado ofendidas) é pequena tambem na estatura moral.
    Vai engrossar as estatísticas petistas, logo logo, ao inaugurar a ala feminina do partido, no presídio do Pr .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>