15:10Parceria antissuicídio entre governo federal e CVV zera custo de ligações

Da Folha de S.Paulo

Uma parceria entre o Ministério da Saúde e o CVV (Centro de Valorização da Vida) permitirá que pessoas de todo o país liguem de graça para o serviço voltado para a prevenção do suicídio.

Pelo menos um brasileiro tira a própria vida a cada 45 minutos (38 por dia).

Hoje, CVV funciona pelo telefone 141, e o custo é de uma ligação local. O serviço de aconselhamento é de graça, prestado por voluntários.

Com o acordo, que será anunciado nesta sexta (10), as pessoas vão passar a discar 188 em qualquer cidade do país. A expansão da oferta do serviço será em fases (cronograma a ser definido) de acordo com a capacidade de atendimento do CVV.

“Dependemos exclusivamente de voluntários para isso”, afirma André Lorenzetti, assessor de comunicação do CVV. O serviço conta com 2.000 voluntários atuando em 76 postos em 18 Estados mais o Distrito Federal.

A meta é priorizar os Estados com as maiores taxas de suicídio. O Rio Grande do Sul lidera, com 10,9 casos por 100 mil habitantes. Em segundo, está Santa Catarina, com 8,6 por 100 mil. Depois vêm Mato Grosso do Sul (8,4), Roraima (8,1) e Piauí (7,4).

O 188 já opera no Rio Grande do Sul como projeto piloto desde 2015. Atinge picos de mil ligações por dia, alcançando um volume total 4,5 vezes superior à média anterior à gratuidade na ligação.

Segundo Lorenzetti, os números no Sul demonstram uma “absurda” demanda reprimida causada pelo custo da ligação. “90% das ligações são de celulares. Muitas pessoas não ligam porque não podem pagar.”

Desde a fase piloto do 188, o CVV utiliza um sistema apelidado de PABX Virtual, que direciona a ligação para o voluntário disponível, independentemente de sua região, reduzindo as chances de a chamada dar ocupado.

O serviço realiza mais de 1 milhão de atendimentos ao ano em todo o país, por telefone, chat, e-mail e Skype.

Desde meados do ano passado tem parceria com o Facebook na ferramenta de prevenção do suicídio da rede social, que sugere ao usuário que aparentemente tem ideias suicidas para procurar o apoio da ONG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>