11:06Palhares, o canalha

por Nelson Rodrigues

Certa vez, o Palhares cruzou com a cunhada no corredor e atirou-lhe um beijo no pescoço. Como reagiu a garota, ou a família da garota, ninguém sabe. O fato é que, a partir de então, sempre que o Palhares passa, alguém sussurra: – “O que não respeita nem as cunhadas”. Em outros tempos, ele seria caçado a pauladas como uma ratazana prenhe. Mas os tempos são outros. O Palhares não sofreu nada e, pelo contrário: – o ato vil teve, sobre sua figura, um tremendo efeito promocional. Sujeitos que lhe recusavam o cumprimento vinham fazer-lhe festas deslavadas. E, por coincidência ou não, o chefe deu-lhe um aumento de ordenado.

—-

O homem não se reconhece no santo, no herói e no mártir, mas se identifica com o pulha. Nós somos muito mais Palhares do que São Francisco de Assis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>