9:05O relógio do mar

Do blog Cabeça de Pedra

 

O costume de sempre. O primeiro mergulho no mar era demorado. Abria os olhos lá embaixo e conversava com Iemanjá. Fez isso novamente e descobriu depois que o relógio não era tão à prova d’água como até então parecia ser. Todo em aço, mostrador branco, estava parecendo uma piscina redonda com ponteiros e números no fundo. Amava aquela máquina. Tinha vários botões, mas ele nunca utilizou nenhum, nem sabia para que serviam. Levou para casa e o deixou na mesa de trabalho, ao lado do telefone. Todo dia dava uma olhada para acompanhar os efeitos da água do mar. O líquido sumiu. A ferrugem apareceu e foi tomando conta de tudo. Ele passou a usar o relógio que não marcava mais horas, mas mostrava aos amigos como se fosse uma peça rara. Nunca lhe perguntaram porque os ponteiros eram imóveis. Onze horas e dezoito minutos. Foi numa quinta-feira que, exatamente nessa hora, ela apareceu na tela do computador. E tudo parou. E ele ouviu a ordem na rainha. Depois que as coisas voltaram ao normal, inclusive o reloginho da internet, ele saiu de casa, entrou no carro e percorreu alguns quilômetros para jogar o relógio no mar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>