9:09O inferno de Dante e Israel

por Clovis Rossi

Há cerca de um mês, o jornal israelense “Haaretz” publicou texto que fechava com: “Precisamos finalmente desistir da esperança de que as coisas possam melhorar”, em relação ao conflito entre israelenses e palestinos.

Profético, não? Seu autor é um dos mais notáveis jornalistas de Israel, Gideon Levy, crítico sistemático das políticas de seu país, mas que não pode ser chamado de anti-semita, como muitos judeus fazem quando alguém escreve algo que não lhes agrade.

Veio-me logo à cabeça a frase de Dante (“abandone qualquer esperança você que entra”) que encima a porta do inferno - e os palestinos e israelenses voltam a viver em um inferno.

O texto de Gideon Levy foi provocado por pesquisa publicada pelo próprio “Haaretz”. Mostrava, segundo sua análise, que:

1 – Um terço dos israelenses querem negar aos cidadãos árabes de Israel o direito de votar de que hoje gozam.

Seria uma maneira adicional de acentuar seu caráter de cidadãos de segunda classe.

2 – Cerca de 50% dos israelenses são a favor de transferir os árabes para fora do país. Seria a versão judaica de limpeza étnica, o que deveria ser aberrante para a comunidade que sofreu a mais violenta e odiosa limpeza étnica da história.

Seria, além disso, uma aberta violação da legislação internacional que consagra o direito dos palestinos a um território, hoje em grande parte ocupado por Israel.

3 – A maioria admite que há aparteid em Israel, o que deveria ser rejeitado violentamente, não aceito alegremente.

Levy extrai então as seguintes conclusões, entre outras: “Considerada a presente realidade, fazer a paz seria quase um ato anti-democrático; a maioria dos israelenses não a quer. Uma sociedade justa e igualitária também viola os desejos de muitos israelenses. Também é algo que eles não querem. Estão satisfeitos com o racismo, confortáveis com a ocupação, satisfeitos com o apartheid; as coisas vão muito bem para eles neste país. É o que disseram aos pesquisadores”.

De fato, os israelenses acomodaram-se em sua zona de conforto, a partir do instante em que a construção do muro que separa os territórios palestinos de Israel (e de pedaços de terras que são legalmente palestinas) controlou o terrorismo.

Sucessivos governos israelenses foram, a partir de então, criando as condições para que Israelpassasse a viver em segurança, sem se incomodar minimamente em respeitar as resoluções da ONU que exigem a retirada dos territórios ocupados, única forma de que possam de fato ser criados dois Estados viáveis.

A imposição pelo mais forte de fato consumado após fato consumado criou essa situação em que um lado acha, para citar Levy, “que as as coisas vão muito bem para eles neste país”, e o outro lado vive miseravelmente.

Aí vem os ataques promovidos pelo Hamas e, ontem, um novo atentado a um ônibus, o que era quase rotina há alguns anos.

Israel descobre penosamente que não dá para viver ao lado do inferno sem sentir o calor das chamas.

Os dois lados acabam dando razão a Dante.

*Publicado na Folha de São Paulo

Uma ideia sobre “O inferno de Dante e Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>