12:38Morrer

de Luis Solda*

é preciso que se morra
mas que se morra aos poucos
devagar
dentro do horário
com cautela
sem onerar o Erário
é preciso morrer
na disciplina protocolar
parar de respirar
sem nenhum comentário
morrer
é muito particular

* Este poema recebeu música de Antonio Thadeu Wojciechowski, Octávio Camargo e Bárbara Kirchner do Língua Madura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>